WoD by Night

Narrativa de Vampiro a Máscara: 20 anos


    Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Compartilhe
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 4/5/2016, 21:45

    30 de Agosto, 2005, ??? (Próximo da Alvorada)



    A visão ia lentamente deixando de ser turva aos seus olhos. Mas ainda havia algo que encobria sua visão com força. Era denso como uma bruma negra. Só que bastante familiar. Não era magia, de longe que era. Seu corpo logo lhe deu a resposta, afinal levemente o mesmo estava parando de respirar e as últimas inaladas deixaram claro o que era. Cheiro de gasolina e dísel. O fogo consumia o cemitério.

    Mesmo através da chuva, o óleo negro se mostrava poderoso. Por mais que não havia labaredas, era possível ver as pilhas de cadáveres. Inúmeras delas. Algumas com caixão incluso. Todas em brasa tendo suas cinzas misturadas com as águas e formando um lodo negro. E para cada lado que você olhava via mais e mais buracos entre as criptas. Todo o cemitério havia sido profanado. Marcas de lama de corpos arrastados fazia-se visível em todos os corredores daquele lugar amaldiçoado.

    O brilho das brasas iluminava os vultos de suas irmãs, as quais ao longe jogavam mais e mais pilhas de cadáveres dentro das fogueiras improvisadas. Parecia que havia passado horas, sua mente estava turva demais para deixar claro essa informação. Mas de uma coisa era claro. Aqueles corpos logo desapareceriam por completo. Nem os ossos restariam por entre o fogo fétido dos combustíveis fósseis.

    Como em uma grande espiral branca com cinza era possível ver emanações subindo aos céus. Era mais que fumaças. Eram as almas perdidas que estavam presas naquele lugar. Agora estavam livres. Pareciam que muitas delas subiam dançando em espiral. Algumas trotando e outras correndo. Até espíritos de cavalos e cachorros eram possível de se ver. Era uma grande dança dos mortos fazendo uma gigante torre de ébano cintilante que subia até o mais alto das nuvens negras. A última dança da liberdade. E corriam com intensidade para o alto. Sumindo por entre a tempestade. O peso daquele lugar parecia ficar mais leve, como se uma enorme energia estivesse se esvaziando, murchando.

    Caveira:


    Neste momento você sentiu novamente a caveira em suas mãos. Era o grande trunfo daquele inimigo que enfrentara e o grande guardião daquelas criptas. Fora assim que os Giovannis haviam domado o cavaleiro negro sem cabeça, usurpando do crânio do mesmo. E este agora pertencia a ti. Apenas com um furo extra em sua testa. Prova de sua caçada bem sucedida. Era possível sentir que ainda havia energia naquele objeto, mas era difícil compreender ainda.

    Neste momento seus instintos lhe fizeram olhar para onde estava uma das maiores fogueiras e a visão lhe deu calafrios. Era uma bela indígena se aproximando. O corpo dela quase que brilhava. Como se fosse um espectro reluzente. Seus passos eram leves e não deixavam pegadas. Nem a chuva tocava em seu corpo. A mesma sorria ao lhe ver e se aproximava com calma sem demonstrar nenhuma preocupação. E a voz era muito familiar. Era Ahyoka. Com uma pronuncia carregada do indígena, esta demonstrava um tom suave e delicado, como vós não ouvira mais cedo naquela fatídica noite.

    Ahyoka:


    - Viola Monfat estaria orgulhosa de você hoje jovem. Superou três grandes desafios. Derrubou uma fera selvagem com trabalho em equipe, devorou uma besta superior à tua e derrotou o próprio espectro do mendo dentro de seu próprio domínio. Fique com o símbolo de sua vitória e venha comigo. Está na hora de decidirmos nossos futuros, e isso inclui o seu, minha nova amada filha.


    Última edição por King Narrador em 27/5/2016, 15:52, editado 2 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 5/5/2016, 00:14

    O fogo parecia ter seguido Aibellee, era pro fogo que a cainita olhava quando os dois mundos voltaram a ser apenas um, sentindo o corpo voltar a morrer a negra estremeceu diante das chamas.

    Os joelhos de Aibellee se dobraram diante do que acontecia, a chuva parecia mais pesada do que nunca diante daquela fogueira infernal, as almas e a fumaça deram uma resposta para a pergunta não feita na mente da cainita, esta olhou a sua volta procurando por suas irmãs.

    Seus olhos negros cruzaram o cemitério, as tumbas abertas, o óleo e a água que se espalhava por tudo a sua volta, o caos parecia imperar ali, e em meio a ele uma ordem de libertar os elos entre espíritos e aquele lugar imperava. O peso da caveira fez com que Aibellee a olhasse, um novo estremecimento tomou a cainita ao mesmo tempo que a dor de seu ombro parecia diminuir, era o sangue potente de Ruth fechando suas feridas.

    " Eu carrego a alma de Ruth... E a cabeça do cavaleiro... Quantas almas mais irei carregar ainda?!"

    Sem obter a resposta Aibellee se levantou guardando com cuidado sua adaga, a presença de Ahyoka fez com que a cainita engolisse em seco, a imagem da índia não condizia com a múmia que a negra havia visto, mas as palavras indígenas retiraram qualquer duvida sobre a índia.

    O primeiro instinto de Aibellee foi de estender a caveira para Ahyoka, porem as palavras calmas e amorosas da índia fizeram com que esta recolhesse o artefato, guardando-o por de baixo da jaqueta junto com Maneater.

    " Ela vive no mundo espiritual..."

    Acenando com leveza Aibellee se pôs a seguir a mais velha perguntando:

    - Alguma de nos caiu minha senhora?
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 5/5/2016, 16:40

    - Infelizmente duas neófitas, Elisa e Milla. Vós não chegou à conhecê-las. Eram muito jovens, mas muito corajosas. Somos poucas agora... Enviei uma mensagem para sua mentora pedindo ajuda do Mississípi. A Espada não nos ajudará, estamos sozinhas...

    A voz da antiga demonstrou muita tristeza e afeto quando o nome das duas caídas foram pronunciadas. Mas o resto das suas palavras não demonstrava fraqueza. O espírito dela se mostrava determinado. Enquanto vocês duas andavam lado a lado para perto das piras de fogo. Quase todas as suas irmãs que você conhecia estavam lá. E nenhuma delas faltou com uma ação de respeito quando vocês se aproximaram.

    Neste momento aparece pelo outro lado das piras Marlinna cheia de ferimentos pelo corpo. Ela carregava um homem desacordado. Parecia um padre. As Gatas pareciam felizes com a visão, da mesma forma que sorriram ao ver a caveira que vós carregava. Então a mesma colocou o desacordado padre sentado numa lápide enquanto Tayanita o acorrentava. Todas as Ahrimanes observavam o processo em silêncio. Até um poderoso tapa vir da mão da sacerdotisa. Dava para sentir que a mão dela brilhava antes de dar tal tapa. O qual fez o mesmo acordar.

    - Acorde Domínico Giovanni!

    Domínico Giovanni:

    ]

    De repente o mesmo abriu os olhos arregalados. Cuspiu sangue algumas vezes e parou para observar. Ficou sério quando percebeu que havia nove Ahrimanes ao seu redor. E então ele levantou a cabeça e sem demonstrar medo falou com bastante calma.

    - Sou homem o suficiente para declarar derrota nesta batalha. O elemento surpresa foi muito bem utilizado. As asseguro que uma guerra está começando, mas não serei tolo de fazer ameaças. As senhoras entraram aqui sabendo dos riscos. Apenas gostaria de saber o porquê de ainda não me matarem. Meus segredos eram esse cemitério, com ele destruído não tenho nada fora minha alma para ser possuído por vocês...

    Havia um leve sotaque italiano na voz daquele padre. Suas palavras eram bastante polidas e possuíam bastante respeito em seu tom de voz. Ele olhava para todas sem demonstrar raiva, apenas curiosidade. E então a chega Yona Green para falar com ele. Ela sempre agira como uma líder, a que mais recrutara gatas e muito política. A voz dela era cheia de autoridade, mas mantinha um nível de respeito.

    - Sua alma seria interessante em nossa cruzada. Todavia não somos tolas em declarar guerra com o mundo inteiro. Sabemos que o senhor e sua senhora possuem apreço pela Matriarca da sua família na cidade. Diferente do resto de sua linhagem. Logo vós será bem tratado aqui até podermos negociar com Izabel. Estamos cientes que Lourenço fará um contra ataque, mas sozinho ele não conseguirá nada fora mais uma derrota. Agora, Karla, querida. Leve nosso convidado para aquela cripta grande do outro lado da pira e tranque a porta com este cadeado.

    Depois de se dirigir ao mesmo a senhora se vira para a jovem Karla e entrega um cadeado translúcido. era fácil dentro da umbra ver o uso de Spiritus sem nenhuma necessidade de concentração. E assim a mesma segue com o prisioneiro, desaparecendo por entre as piras de fogo. Agora com apenas oito ali presente, Tayanita se virou para a líder, mas antes de fazer qualquer pergunta, Ahyoka apenas disse. "Espere sua irmã chegar para fazermos nossa reunião". Concordando com a cabeça, a sacerdotisa se aproximou de você, sentou numa cripta ao seu lado e com a voz baixa lhe perguntou.

    - Irmã. Como foi enfrentar aquela criatura? Nós vimos que vocês dois foram tragados para outro plano astral. Eu fiquei muito preocupada...E surpresa com seu retorno!


    Última edição por King Narrador em 10/5/2016, 14:11, editado 2 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 6/5/2016, 00:18

    Saber da perda de duas irmãs fez com que Aibellee abaixasse a cabeça em forma de respeito a perda das cainitas, o tom de voz de Ahyoka demonstrava a dor que a mais velha sentia, mesmo assim a clara força da líder Ahrimane se mostrava facilmente.

    " Em tempos de desespero devemos ser duras... Em tempos de paz devemos ser doces... Somos mulheres e carregamos o mundo nas costas..."

    A frase antiga que ecoou na mente da cainita vinha de uma antiga lenda, uma lenda escutada em seus tempos de criança, mas que exemplificava bem os atos de Ahyoka. Andando ao lado da mais velha Aibellee cumprimentou cada irmã que levantavam os olhos do árduo trabalho efetuado.

    - Somos tão poucas... Cada irmã caída doí... É uma dor que não se repara fácil... Sinto pelas gatas que caíram essa noite...

    Chegando ao ponto de reunião Aibellee escolheu uma das lapides laterais para se sentar, ainda com o cranio em mãos a cainita observou as feridas de Marrlinda, o que mais chamou a atenção da cainita porem foi o corpo masculino que a gata carregava.

    A figura masculina do Giovanni fez com que Aibellee escondesse a caveira por de baixo do pesado casaco, vendo o despertar desse pelas mãos de Tayanita a negra endureceu a face. Eram as gatas que haviam caçado e aquele homem havia se tornado a presa.

    O tom educado nas palavras de Domínico revelavam alguém sensato, principalmente a educação depositada nas palavras direcionadas da Yona Green, entendendo os motivos para que o cainita fosse mantido vivo Aibellee apenas observou Karla se afastar com o prisioneiro. Seus olhos se voltaram para Ahyoka quando esta impediu Tayanita de continuar com a reunião. Aquele seria um sinal claro de desgosto pela gata mais nova, coisa que Ahyoka parecia não estar disposta a permitir...

    " Somo poucas para que haja desavença entre nós... Ahyoka fez certo... Isso fara com que Karla ainda se sinta querida..."

    Vendo a figura de Tayanita se aproximar, Aibellee abriu espaço na tumba que usava, ouvindo suas perguntas a cainita suavizou o semblante.

    - Eu fui uma Aguenisa em vida... Depois do abraço Agué pareceu me abandonar... Mas durante o embate o Caçador me ajudou... Não sei como consegui combater aquele guerreiro... Mas em seu mundo ele fez com que eu voltasse a sentir a fragilidade mortal...

    Tocando de leve no ombro em que havia sido ferida Aibellee sorriu para Tayanita estendendo a caveira.

    - Os Giovannis usavam isso para controla-lo... Ainda reside um grande poder dele... Mas eu não tenho conhecimento para entender como funciona... Poderias me ajudar com isso irmã? Peço desculpas ao perguntar... Mas se o corpo de Ahyoka esta em torpor como ela consegue habitar o mundo espiritual?

    Os olhos negros de Aibellee demonstravam o respeito que sentia por Tayanita, suas perguntas eram feitas em voz baixa e educada...
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 7/5/2016, 10:26

    Tayanita, sentada na mesma cripta que você se aproximou o suficiente para pegar a caveira. Havia pouco sangue nas vestes dela, mas a chuva o fazia desaparecer rápido. Como as suas próprias feridas. Que agora eram apenas um incômodo em suas costas. Assim a sacerdotisa segurava a caveira e a olhava de vários ângulos diferentes. Foi um processo até curto. Para finalmente a mesma lhe devolver o crânio com amão esquerda.

    - Meus conhecimentos não são profundos o suficiente para saber até onde vão os potenciais deste artefato. Afinal o que você me diz sobre este combate que tiveras, revela um ramo do ocultismo que até a mim foge da compreensão. Mas conheço quem pode lhe ajudar, como outrora já me ajudou. Passarei o contato dela assim que nossa reunião terminar. Acredito que nossa senhora tem planos grandes. E parabéns, afinal vós lutasse bem e valorizo agora suas capacidades.

    Ela então pareceu se segurar por um instante. Olhou para o espírito de Ahyoka que andava pelo meio do círculo de Ahrimanes sentadas pelas criptas, na espera do regresso da jovem Karla. E então com uma voz baixa, quase no seu ouvido, ela continuou a falar, agora com calma e bastante clareza.

    - Sobre nossa senhora... Ela não está em torpor, não é assim que um torpor funciona. Ela foi amaldiçoada há quase meio milênio atrás. Um ser nefasto de gigante poder, trago do seu continente de origem, chegou nestas terras para recriar seu antigo império. Ele nunca teve êxito em sua jornada e agora adormece em um torpor que beira a eternidade. Mas infelizmente até hoje falhei com nossa mãe em busca de uma "cura".

    No final da frase dela era possível sentir a dor da sacerdotisa. Afinal sua voz dá uma leve tremelejada e a mão dela que havia lhe devolvido o crânio tocou de leve em sua própria mão. Algo totalmente fora do normal para aquela antiga adepta da magia xamânica. Então finalmente era possível ver a Karla se aproximando. A líder das Ahrimanes já ia para o meio do círculo para se preparar para falar. Antes disse a mão da sacerdotisa sobre a tua deu um leve aperto.

    - Esta fraca... O sangue de Brenda é menos potente que o dela e mesmo assim ela não falha. Karla é uma vergonha para o nosso sangue. E não tente defendê-la só porque ela se escondeu de garous, essa não foi a primeira vez. Como um dia eu pude ter apreço por esta covarde?
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 7/5/2016, 13:51

    Aibellee observou os estudos de Tayanita sobre o artefato, assim como a cainita sentada ao seu lado, o pouco sangue em suas vestes não indicava o verdadeiro teor da luta que a mesma havia participado, já as costas de Aibellee ainda ardiam.

    " Eu perdi toda a invasão... Espero ao menos que a pantera tenha ajudado enquanto eu não pude... Mas consegui provar meu valor de outra maneira... Uma coisa boa em toda essa batalha..."

    Fazendo com que o sangue de seu corpo fechasse a ferida Aibellee escutou atentamente as palavras de Tayanita, saber que até mesmo a Sacerdotisa não possuía conhecimento sobre a caveira deixou a mais nova intrigada.

    - Agradeço a ajuda... Seria arriscado tentar usar tal artefato sem saber ao certo seus efeitos... Poderia nos colocar em um perigo desnecessário... Fico feliz de ter provado meu valor... Eu queria ter ajudado mais na batalha mas o guerreiro me impediu... Me diga se as panteras ajudaram em meu lugar, eu mesma não poderia imaginar que tal criatura já habitara essas terras...

    Voltando a vista para Ahyoka quando as palavras de Tayanita falaram sobre a maldição sofrida a cainita concordou com a cabeça, não conseguia entender o sentimento de falha de Tayanita, mas o toque da mais velha fez com que Aibellee a olhasse surpresa.

    Mantendo-se quieta Aibellee não fez questão de guardar a caveira, deixando que Tayanita tivesse seu tempo.

    - Não consigo entender o poder do que foi lançado contra nossa senhora... Esta fora de tudo que eu aprendi quando viva e muito distante do que eu conheço agora... Mas farei o que estiver ao meu alcance para ajuda-la em sua jornada... Mesmo que seja pouco é o que posso oferecer em troca da hospitalidade...

    Sentindo o tremor da mão de Tayanita se transformar em um aperto a cainita observou a aproximação de Karla, as palavras da índia ao seu lado deixaram claro os sentimentos desta em relação a cainita mais nova.

    Abaixando os olhos quando Tayanita comentou sobre a possível defesa da negra, devolvendo o aperto com leveza esta meneou a cabeça positivamente.

    - Somos poucas agora... Mesmo a mais fraca de nós tem sua serventia... Deixe que o tempo faça seu trabalho e não se culpe pela covardia dos outros... Esse peso não deve ficar em seus ombros... Não em tempos sombrios como estes...

    Soltando a mão de Tayanita, a cainita mais nova apontou para o centro do circulo indicando que reunião começaria, com cuidado esta guardou a caveira sobre o casaco pesado que usava, ao lado de Maneater.

    " Não posso me intrometer em velhas brigas... Seria ruim comprar o desafeto de Tayanita... É melhor deixar que Ahyoka cuide disso, é mais seguro também..."

    Off: Gasto 2 pontos de sangue pra curar a 2 de dano letal.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 8/5/2016, 00:26

    - Sim, elas ajudaram bem. O seu poder em nossa arte espiritual é bastante louvável, afinal conseguiu captar espíritos realmente antigos. E elas ainda não foram embora.

    Tayanita foi breve quando foi mencionado sobre as panteras albinas. Mas mais uma vez sorriu olhando no seu olho. E fez o mesmo sinal de simpatia quando você falou sobre seu esforço em ajudá-la para com a maldição da Ahyoka. E depois das palavras ásperas dela sobre Karla e de ter ouvido sua resposta ela falou rápido e breve com um tom de voz fraco.

    - Eu lecionei o básico para ela. Ela se mostrava uma ótima aluna no começo e isso roubou minha simpatia... Minha idade deveria ter me impedido de olhar ela de outra forma. Mas fui tola e me deixei levar... Agora vejo a covarde que eu criei... Mas entendo o que diz, tentarei guardar essa frustração apenas para mim.

    As palavras dela terminaram assim que a senhora das Ahrimanes começou a falar. A mesma recebeu a companhia de três panteras que vieram ao encontro de afeto nas mão daquele espírito. O qual retribuiu com suas duas mãos enquanto começava seu discurso.

    - Filhas... Estas águas vindas do céu foram o estopim de uma guerra que será importante para nosso futuro. Como esperado, não podemos mais ficar na linha da floresta, afinal os garous resolveram tirar proveito da situação. E com todos os Bispos adormecidos, somos apenas nós aqui. Mas isso não significa que abandonaremos o sabá. Apenas faremos nossos próprios títulos e nos manteremos unidas e fortes até esta chuva e a maldição do sono terminar.

    Ela parou um instante, se agachando de leve, para fazer um carinho mais a fundo em uma dar panteras e então se levantou novamente e abriu seus braços. Dando uma leve volta de 360º, ela apontou para todo o cemitério em chamas ao redor de vocês e voltou a falar. O discurso agora mudava de um tom caloroso para um mais determinado do que nunca.

    - Este cemitério será nosso território neutro. Aqui juntaremos nossas forças. E lá fora recrutaremos e caçaremos adormecidos para crescer nossos poderes. Já chamei reforços do Mississípi para ajudar em nossas defesas. Quando nossas irmãs chegarem faremos um Festival aos Espíritos e oficializaremos cargos novos. Com Olayinka adormecida, eu me auto-intitularei líder Xamã. Yona será nossa Bispo, responsável por novos recrutamentos e por administrar nossos dois bandos. Um deles será escolhido entre as que chegarem do Mississípi. E o outro será formado com todas as aqui presente. Com exceção de Tayanita que será a Guardiã de nosso território e de nossos espíritos mais poderosos.

    A sacerdotisa em seu lado sorriu como se fosse uma jovem alegre. E deu um passo a frente se ajoelhando com a cabeça baixa. "Agradeço sua oferta e à farei ter orgulho de mim, mãe!". Gritou ela em um tom de absoluto respeito. Yona Green no caso estava apenas serena, com um leve sorriso de aprovação, sem demonstrar surpresa, como se a mesma já tivesse ouvido aquele discurso antes.

    - As responsabilidades dos bandos serão três. Prestar apoio contra ataques inimigos, recrutar Gangreis aceitáveis, a força ou não, e realizar o Amaranto em quantos antigos conseguirmos interceptar. São missões difíceis e requiro total preparo prévio de vocês. Que estejam mental e fisicamente capazes para quando o Festival acontecer. Assim já direi os títulos de destaque que tenho em mente para o bando de caça local. Marlinna será nossa Ductus e Aibeliee nossa Sacerdotisa.

    Lágrimas surgiram de imediato no rosto de Marlinna, que mesmo ferida, também se jogou ao chão para agradecer sua promoção. Palavras ressaltando o quanto iria treinar nos próximos dias e agradecimentos estavam entre elas.


    Última edição por King Narrador em 8/5/2016, 15:48, editado 1 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 8/5/2016, 15:24

    Aibellee sorriu ao descobrir que as panteras invocadas ajudaram na batalha, ouvir o elogio vindo diretamente de Tayanita também ajudou que o sorriso ganhasse os lábios da negra. Ver os animais de aproximarem de Ahyoka em um pedido de carinho.

    - Viola me ensinou bem... Mas o chamado se tornou mais poderoso quando adentrei no território do cemitério... Mesmo assim... Fico feliz que elas tenham sido uteis...

    Em um sinal claro de respeito Aibellee tocou de leve no ombro de Tayanita, com um aceno mais leve ainda concordando com as palavras desta sobre Karla. Respeitando o espaço da cainita ao seu lado a negra se concentrou nas palavras de Ahyoka no centro da reunião.

    " Os espíritos identificaram aquela que retem o poder espiritual mais avançado... Fico feliz de poder conhecer animais tão belos..."

    As palavras de Ahyoka adentraram na mente da cainita com força, era claro o planejamento da cainita mais velha e suas escolhas pareciam prevenir as gatas de futuros problemas de território. Não que Aibellee concordasse em conquistar o cemitério de um dos clãs locais, mas a parede entre mundo quebrada como estava era uma vantagem a ser explorada.

    Ver novamente suas panteras serem acariciadas encheu Aibellee de orgulho pelos animais, a cainita sabia bem os limites de seu chamado mas aqueles animais superavam em tudo o que a cainita já fizera.

    Quando o bando local começou a ser formado Aibellee ficou feliz pela nomeação de Tayanita como guardiã dos espíritos.

    " Nos fortificaremos e no final apoiaremos a Espada... Isso pode nos render alguns títulos e poder dentro da Espada..."

    Os outros títulos e nomeações fizeram com que a cainita olhasse para cada gata nomeada, sorrindo quando Marlinna foi chamada para ocupar o cargo de Ductus, a negra era a claramente a mais forte no combate. O sorriso de Aibellee foi substituído quando seu nome foi chamado, o cargo de Sacerdotisa lhe havia sido oferecido sem ao menos que a cainita esperasse.

    Sem pensar a cainita imitou os atos de Tayanita, se ajoelhando no chão e abaixando o rosto a cainita segurou as lagrimas ao gritar.

    - Agradeço sua oferta minha senhora... Farei o melhor para honra-la!
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 9/5/2016, 16:46

    - Podem se levantar filhas. Agora honrem o dever que deleguei à vocês. Descansem, amanha será uma longa noite. E se preparem, pois no quarto crepúsculo chegarão nossas aliadas.

    As últimas palavras de Ahyoka foram breves. Logo que sua cabeça levanta você pôde vê-la se afastando para conversar a sós com Yona. Duas das panteras albinas acompanhavam a mesma. Entretanto uma terceira vinha a vós buscar um pouco de afago. Se deitando logo na sua frente. Enquanto ao seu lado, agora sentada ao chão, estava Tayanita com uma lágrima marcando o rosto. Ela se mostrava muito feliz.


    - Mesmo em tempos difíceis nossa senhora consegue nos trazer felicidade. Terei muito trabalho protegendo esse lugar. Mas sua missão será talvez tão árdua quanto. O fim da noite está chegando, mas não para nós duas.

    A face da mesma ficou mais séria então. Enquanto, sentada de forma típica tribal no chão, ela faz um leve carinho na pantera antes de voltar a falar.

    - Você é boa na arte dos espíritos. Mas são muitos os rituais que precisas aprender. E terá pouco tempo para isso. Terá apenas duas noites inteiras até as gatas do Mississippi chegarem e criarmos o seu Bando usando o seu sangue e o de nossas irmãs. Eu tenho algumas tradições e pergaminhos para lhe oferecer. Mas a maior parte terá que aprender com os "Quatros". Sem falar que vós precisa conhecer melhor Marlinna. E quando eu digo conhecer, eu realmente digo conhecer. Conhecer a alma por inteiro, entendê-la por completo. Para não acontecer o que aconteceu com o meu Bando. Afinal a alma de minha Ductus agora reside em vós.


    Última edição por King Narrador em 5/11/2016, 15:58, editado 2 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 9/5/2016, 17:22

    Os olhos da negra acompanharam os movimentos distantes de Ahyoka, sentando-se sobre seus joelhos a cainita sorriu ao ver a grande pantera se aproximar, abrindo os braços para receber o animal Aibellee concordou com as palavras de Tayanita ao seu lado.

    - Nossa senhora é sabia... Não deve ser sua primeira guerra e o conhecimento que ela possui é uma vantagem... Suas palavras são verdadeiras... Por isso lhe peço irmã que me ensine o que puder... Não quero falhar com Ahyoka e muito menos quebrar a confiança de Viola... Isso me significa muito...

    " Tayanita é muito mais experiente do que eu... Não quero decepciona-la nas artes das gatas... Te-la como mentora mesmo que por pouco tempo seria uma grande honra..


    Puxando a cabeça da grande pantera para seu colo Aibellee afagou as orelhas dessas murmurando uma velha canção na língua de seus antepassados, a musica falava sobre os gatos sonhando em ser senhores dos homens, e do amor da cheta por suas crias.

    Por fim a cainita coçou de leve o focinho do animal encerrando a canção, seus olhos se voltaram para Tayanita com seriedade e determinação.

    - Não se culpe pelo o que aconteceu com Ruth... Não tinhas como saber sobre os pensamentos dela sobre nós... Muito menos imaginar que ela pudesse refutar a oferta... Ainda sou sua irmã mais nova, espero apenas poder fazer com que se orgulhe de minha indicação... Eu mesma ainda estou surpresa com isso... Me diga onde encontrar os quatro de quem fala... E amanha pelo crepúsculo depois de ter minhas aulas com você partirei atras deles... Essa noite mesmo que perto do fim ainda conversarei com Marlinna...  

    Off: Testo Carisma + Empatia com Animais = 6d10, para conseguir a amizade da pantera.
    avatar
    Dados

    Mensagens : 201
    Data de inscrição : 03/05/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Dados em 9/5/2016, 17:22

    O membro 'Jess' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados


    'D10' : 2, 5, 2, 7, 9, 3
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 11/5/2016, 14:05

    A pantera albina se mostrava aceitar o seu afeto e não se afastava em momento algum. Parecia adormecer de leve enquanto sua canção era pronunciada. A própria Tayanita fechava os olhos em respeito à canção. Terminada, o espírito abriu os olhos, mas permaneceu deitado e só se levantou quando vocês duas assim o fizeram. A antiga sacerdotisa lhe guiou pelo cemitério indo na direção de uma cripta próxima. A pantera lhe acompanhava bem de próximo. Era então possível ver com mais clareza a imagem de batalha que se postergou naquele recinto. Com corpos em chamas espalhados em pilhas por todos os lados. Covas saqueadas às pressas. E as gatas procurando lugares para passar a noite. Era possível ver Marlinna adentrando um mausoléu na parte mais alta de uma breve colina do cemitério. Enquanto vocês andavam, Tayanita falava de forma calma e compassada.

    - Você precisa compreender perfeitamente a execução de alguns Ritaes para a criação de seu novo Bando com êxito. A Vauldeirie é a essência de tudo que você deverá absorver em conhecimento nos próximos dias. Lecionarei o Juramento também, já que ele reforça o vínculo. Um Ignoblis importante também é a Aceitação. Afinal nossa senhora disse que nossos planos envolvem expansão, e este ritual é voltado para isso. Vós já deve estar um pouco a par dele, pois o usei para lhe receber em nosso antigo Bando.

    Finalmente vocês duas entram dentro de uma sala de descanso para os mortos. Só que ali dentro não havia mais nenhum. Apenas algumas caixas fechadas. As quais Tayanita não exitou em mexer e começar à abri-las. Se mostrava ser itens trazidos pela mesma dês da viajem de canoa. Havia muitos utensílios dentro das caixas espalhadas pelo chão de pedra. E a índia parecia esforçada em achar o que procurava por entre estes objetos. Um minuto depois ela retira alguns pergaminhos enrolados juntos por um grande tecido de seda roxa e imediatamente os oferece para você.

    - Aqui está! Vamos começar com o mais simples. Estes pergaminhos envolvem textos prosaicos de fidelidade e alguns alicerces de lealdade para com o Sabá. Saiba compreender o que está escrito por de trás de cada palavra aqui para poder recitar para seu novo Bando depois de formado. Normalmente o Juramento é invocado no solstício de inverno, só que sendo uma formação de Bando, não há impedimentos de ser utilizado no verão. A eficiência máxima do ritual é alcançada com o uso de um espelho d'água, mesmo que tecidos possam ser um substituto. Felizmente graças à tempestade, estamos em uma "ilha" e isso não será um problema.

    Enquanto ela lhe explicava sobre o juramento, a mesma regressou a vasculhar seus pertences. Só que dessa vez achou o que procurava quase que instantaneamente. Como se fosse por instinto. Eram dois objetos. Um cálice de barro com desenhos indígenas ao redor e uma adaga de cabo de madeira com uma lâmina de algum tipo de rocha negra. Entretanto a lâmina parecia toda comprometida, infestada de pequenas rachaduras. Junto de uma enorme que ia de ponta a ponta da arma.

    - Vamos então para o mais essencial. A Vauldeirie exige o uso destes dois objetos. Você deverá produzi-los ou adquiri-los por conta própria para agregar valor ao Ritae. Isso vale tanto para o cálice quanto para a lâmina. Claro que sua adaga cerimonial seria perfeita para este ritual, infelizmente o mesmo exige um corte de um instrumento que só possui uma função ritualística. Por isso lhe recomendo fazer uma cópia de sua arma. Uma sombra gêmea da mesma. Talhar da madeira ou de um fêmur podem ser boas opções. E encontrar um osso com boas propriedades neste cemitério não deve ser uma tarefa difícil.

    Finalmente Tayanita para de falar e lhe observa diretamente nos olhos. Revelando para você os seus escuros olhos, como de uma ônix brilhante. A índia se comportava como se estivesse lhe avaliando por alguns instante. E então conclui seu pensamento.

    - Já falei bastante. Está com alguma dúvida?


    Última edição por King Narrador em 26/5/2016, 17:42, editado 1 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 11/5/2016, 23:40

    Acompanhando os passos de Tayanita, a negra sentia a pelagem da pantera tocar de leve seus dedos durante a caminhada, esticando os dedos Aibellee buscou acariciar as orelhas do animal.

    Seus olhos se perdiam em meio ao sinais da batalha, tumbas e criptas vazias deixvam claro o saque das gatas, as mesmas gatas agora procuravam refugio do iminente nascer da alvorada que se aproximava cada vez mais.

    " Uma longa noite se passou... Por quanto tempo batalhei contra o cavaleiro?!"

    Perguntou-se a cainita ao acompanhar com os olhos o caminho de que Marlinna fazia, depois de receber as instruções de Tayanita a negra buscaria a Ductus.

    Dentro da cripta Aibellee sentiu o vazio que os caixões representavam, nos lugares destes porem havia as caixas trazidas pelas canoas. As palavras de Tayanita fizeram com que Aibellee afastasse qualquer outro pensamento, sua atenção era total para o que a índia falava.

    Em silencio Aibellee permaneceu de pé enquanto Tayanita procurava ente as caixas dentro do local, a mão da cainita negra pousava no flanco da pantera que a acompanhava com tanta mansidão.

    Recebendo os pergaminhos a negra concordou com um leve aceno ao escutar as instruções de Tayanita, sobre os olhos negros da gata a imagem de Viola realizando tais rituais lhe vinha a mente. Sempre uma aprendiz avida Aibellee acompanhara muitas vezes todo o ritual realizado pela mentora, em sinal de respeito e consideração a gata guardava aquilo para si mesma, era o talento natural do qual sua mãe havia se gabado... Sacerdotisa de Agué quando viva a cainita voltaria a realizar o mesmo papel como morta, só que desta vez Aibellee seria a Adoné de suas irmãs... As leoas e panteras do Espirito da caça...

    Vendo os dois itens do ritual mais importante para a formação do bando, Aibellee tocou de leve em sua adaga, Maneater havia perdido parte de seu verdadeiro papel ritualístico, mas sua força ainda era presente e importante para cainita. Sorrindo com calma e delicadeza Aibelle tocou de leve a pelagem da pantera ao dizer:

    - Eu não tinha permissão de Viola para guiar os rituais dos quais me fala... Mas pude muitas vezes vê-la fazer, e mais outras vezes o Sacerdote de meu primeiro bando o fazer... Os compreendo de longe e conheço os detalhes... Não me intimidarei ao realiza-los e suas palavras me ajudaram a manter a calma quando for minha vez...

    Sustentando o olhar da cainita mais velha Aibellee mantinha seu semblante sério, a velha confiança de guiar voltou aos ombros da negra.

    - Procurarei bons materiais para fazer o cálice e a adaga... Acredito que a pantera me ajudara a encontra-los com mais facilidade...
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 13/5/2016, 22:29

    Era possível notar várias penas de aves nativas amarradas na ponta do tecido de seda que envolvia os pergaminhos que recebera. Depois de guardar os mesmos em seus pertences e terminar de falar, a Gata na sua frente sorriu. E foi ao encontro de mais um pequeno papiro.

    - Fico feliz em saber que nenhuma das palavras que lhe disse foram de seu desconhecimento. Só lhe disse até agora o mais básico possível. Entretanto o crucial. Pegue também esses tomos sobre a Aceitação. Nada muito complexo, apenas sentenças poéticas de inspiração. Não se esqueça do valor destas palavras.

    Ela lhe entregava o outro tomo e então parava para analisar a pantera. Fez um leve carinho na cabeça desta antes de olhar para você novamente. Olhos fortes e penetrantes marcavam o rosto da mesma. Assim finalmente ela prosseguiu.

    - Esta criatura é uma dádiva dos deuses. A mantenha próxima, a mantenha segura. E posso lhe garantir que os espíritos irão lhe aprovar ainda mais. Usá-la para achar algum reagente forte é um pensamento de sabedoria. Bom, não têm mais nada que posso lhe ajudar agora sem que você primeiro estude o material que lhe disse e busque os itens necessários para a formação de seu bando. E não esqueça de buscar Marlinna para já desenvolver laços com a mesma.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 14/5/2016, 14:54

    Os dedos de Aibellee tocaram de leve as penas existentes no tecido em que os pergaminhos estavam, havia respeito e consideração naquele toque. Ouvindo as palavras de Tayanita a cainita acentiu com um leve aceno.

    - Sempre gostei de observar os rituais serem feitos. Por respeito e por falta de permissão preferi apenas observar... Acredito que com estas instruções não terei grandes dificuldades... Caso eu ainda tenha dúvidas pedirei ajuda...

    A negra recebia o último papiro guardando-o junto com os outros, retirando o casaco, Aibellee enrolou os pergaminhos sobre o pano pesado e impermeável.

    " Vou ter trabalho para assimilar todo esse conhecimento... Mas não falharei com Tayanita e meu novo bando..."

    Vendo a carícia sendo feita na pantera Aibellee sorriu sobre a presença do animal, sustentando o olhar da mais velha a gata meneou a cabeça em um claro sinal de respeito...

    - Fico feliz de ser digna de tal presente... Cuidarei para que nenhum mal aconteça a este animal... Espero que ele possa me guiar quando estiver perdida...

    Tocando de leve no flanco do felino Aibellee fez uma reverência se despedindo.

    - Se me der licença Tayanita... Irei atrás de Marlinna, acredito que seja bom dividir o mesmo local de descanso o mais breve possível... Amanhã ao crepúsculo irei procurá-la para continuar meus ensinamentos...

    Esperando pela permissão da mais velha Aibellee demonstrava seu respeito e preocupação de não perder o pouco tempo do qual possuía para fazer suas tarefas.

    " Espero que Marlinna entenda meu pedido... Isso nos ajudaria e muito, principalmente porque eu devo manter o bando bem enquanto ela o guia...
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 17/5/2016, 17:34

    - Não se acanhe de vir à mim quando precisar. Sempre estarei aqui para você. E honre seu companheiro espiritual, descubra o nome da pantera albina e a respeite. Agora vá irmã, Marlinna precisa lhe conhecer melhor.

    Tayanita não perdeu tempo para começar à desarrumar suas caixas. Parecia que ela realmente planejava ficar naquele lugar por um tempo. E iria arrumar aquela sala escura até o sono latente lhe consumir. Entretanto você não tinha tempo de observar. Logo se voltou para fora da cripta e se direcionou para onde havia visto a futura Ductus. Assim, com a pantera lhe companhando, você se direcionou para a parte mais alta do cemitério. Nada que fosse mais de quatro metros de altura. Só que o suficiente para ver todo o cenário daquela batalha e o fogo que era contido pela chuva. Só não fora um atentado direto para a máscara pelo fato de vocês ainda estarem numa camada rasa da umbra. O que trazia um leve desconforto para seu corpo, um que você não sabia perfeitamente explicar.

    Não levou muitos passos até se posicionar na frente do mausoléu que a gata havia entrado. Sua companheira espiritual esperou na porta. O animal era inteligente o suficiente para saber que você deveria ir sozinha. De tal maneira, você adentrou a sala. A mesma já estava com uma luz de penumbra dado à dois totens de bambu com fogo na ponta. Já havia alguns pertences pelo chão e um colchão de palha próximo da parede oposta. Em um dos cantos estava a Marlinna tirando o sangue de suas roupas. A mesma se vira para você revelando o corpo inteiro desnudo. Os peitos grandes e eretos da negra, junto com as detalhadas curvas do corpo, destacava a beleza da cainita. Ela então finalmente sorria para você e estendia os braços em um convite para você se aproximar.

    - Aibellee! Minha querida! Ainda não acredito que organizaremos nosso próprio Bando! Mas antes me diga. Como é a sensação de ter a alma de minha irmã de sangue misturada com a tua? Afinal Ruth e eu abandonamos nosso senhor quase que na mesma época.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 17/5/2016, 19:27

    A negra concordou com um leve aceno as palavras de Tayanita, enrolando bem os pergaminhos sobre o pano de seu casaco Aibellee sorriu ao se despedir.

    - Fico grata com a atenção e os conselhos irmã.

    Saindo da cripta a gata deixou que Tayanita trabalhasse em paz, o peso da chuva se fez presente sobre os ombros da cainita. Andando para o mausoléu escolhido por Marlinna a cainita mais nova visualizou a extensão do ataque.

    O fogo e a chuva batalharam dentro da Umbra, o simples fato de estar ali se tornava incomodo para a gata, balançando a cabeça a negra afastou o incomodo, sua atenção teria que ser focada em assuntos mais importantes.

    Com cuidado Aibellee abriu a porta do mausoléu, vendo que a pantera permaneceria fora a negra tocou sua testa com a do animal em sinal de respeito à esse, dando por fim um leve beijo na testa do animal.

    Adentrando sobre a proteção das paredes do lugar a negra sorriu ao ver os totens de luz, colocando seu casaco perto da parede protegido da água e da chuva.

    Levantando-se para ver a reação de Marlinna a negra sorriu dando um passo na direção da gata, mas o sorriso desta se desfez quando o nome de Ruth foi dito em meio a pergunta.

    " Marlinna e Ruth eram irmãs... Porque ninguém me avisou disso?!

    Engolindo em seco a negra se aproximou de Marlinna, ajoelhando-se a frente desta Aibellee abaixou a acabeça.

    - Eu... Eu não sabia que Ruth era sua irmã... Mas sinto a força dela correndo em meu corpo... Fico honrada em carregar sua alma com a minha... Apenas espero que isso não lhe machuque... Fiquei feliz em saber que dividiriamos o mesmo bando!

    Levantando os olhos a cainita mais nova esperou a resposta da gata mais velha.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 21/5/2016, 00:09

    - Podemos termos sido irmãs no passado. Mas éramos agora diferentes demais para que houvesse afeto entre nós... Nosso senhor sempre foi um ancião muito tradicionalista e praticamente um escravo da ideologia da Camarilla. Altamente fiel do principado e acumulava alto desprezo do clã que era amarrado à vontade dele. Quando Ruth, minha irmã mais nova, resolveu desafiá-lo abandonando a seita e adentrando no sabá, o mesmo apenas a ignorou, a tratando como se ela não existisse. Entretanto essa atitude dela fez com que ele ficasse absurdamente mais rigoroso comigo e meu irmão do meio. A pressão sobre mim e a necessidade de me fazer comportar-se como se eu fosse uma donzela, me deixou insana. Ele me obrigava à negar tudo que o sangue de meu clã me oferecera.

    As palavras dela vieram no instante que você se jogou no chão. Marlinna falava em um tom devagar, sugerindo que a história seria comprida e vós deveria absorver tudo. Era possível ver os pés dela indo de uma caixa para a outra. A pele desnuda da perna dela se mostrava lisa e bastante musculosa. Com cada detalhe dos músculos bem definidos, mesmo que sem exageros. Assim a mesma continuava arrumando algumas coisas enquanto falava.

    - Mas eu não pude abandoná-lo pela porta da frente. Tive de fugir para Nashvile no coração do Sabá do Tennessee para conseguir ganhar minha liberdade. Precisei deixar tudo para trás. Inclusive minha querida prole e meu nome jogado na lama. Mas lá eu consegui ver um novo caminho em minha vida amaldiçoada. Não abracei minha besta, como minha irmã o fez, mas abracei todo o tabu que meu senhor me impedira de sentir, abracei a corrupção da noite e a mesma me retribuiu.

    Na segunda parte do diálogo dela sua cabeça não estava mais abaixada e podia ver que a feição da mesma ficara menos descontraída. Era um trecho mais forte da história dela. Que misteriosamente fora exposto para uma quase desconhecida como você sem nenhuma hesitação. Assim ela lhe encarava profundamente. Como se tentasse transmitir o sentimento de dor dela para dentro de sua alma. O olhar quase hipnótico e um misterioso sorriso aparecia nela enquanto regressava para a narrativa.

    - Assim, pude voltar para Nova Orleans com o convite de Olayinka e o novo abraço que ela me ofereceu. A Sra. Green me ajudou a continuar trilhando meu caminho escolhido e fui muito bem recepcionada. Entretanto, Ruth viu com maus olhos meu retorno sob às graças de uma Bispo. A inveja dela por eu ser a mais querida de nosso senhor e depois de ganhar a proteção de uma antiga da seita que ela entrara antes de mim, fez o ódio dela por minha pessoa só crescer. Ao ponto de eu não reconhecer mais aquela que você bebeu da alma. Logo não se preocupe em achar que eu possuiria mágoas por você. Minha Ruth morreu há muitas décadas atrás.

    Ela então pega um recipiente de vidro com um líquido vermelho esbranquiçado dentro. E finalmente se aproxima de você andando como se estivesse desfilando. Um olhar malicioso agora conquistava o rosto dela.

    - Agora, por favor, se levante e aproxime. Vejo que deixou uma ferida forte em seu tórax e outra nas costas de seu ombro. Me deixa ajudá-la, tire essa camisa.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 21/5/2016, 17:15

    Ainda de cabeça baixa Aibellee escutou as primeiras palavras de Marlinna, o tom vagaroso e cuidadoso indicava o quão grande era a história que esta contaria.

    " É bom saber que isso não afetara o bando..."

    Levantando os olhos a cainita seguia a linha de pensamento da Ductus e seus movimentos, o corpo negro demonstrava ser bem preparado para as batalhas, a musculatura natural apenas foi reforçada pelo sangue cainita. Evitando olhar para as caixas e seu conteúdo Aibellee mantinha-se focada na história contata por esta.

    Sustentando o olhar da mais velha a negra pode ao menos imaginar o tamanho de sua perda e sofrimento, mentalmente Aibellee revia os últimos atos de de Ruth. A falta de respeito a recusa e o cuspe, a simples lembrança da cena fez com que as mãos de Aibellee se apertarem até os nós de seus dedos esbranquiçarem.

    - Fico feliz em saber que isso não afetara nossa relação... Agora posso entender as ultimas ações de Ruth... Quando ela faltou com respeito Ahyoka me ofereceu a chance de crescer... Tomarei cuidado para que os sentimentos ruins de Ruth não afetem meu espirito... Sinto por sua criança... Não posso imaginar a dor que sentisse ao abandona-lo...

    Levantando-se como pedido Aibellee olhou para o frasco na mão da Ductus com interesse, sua mão passou pela ferida aberta em seu tórax, até mesmo o sangue potente que agora circulava no corpo da negra não tivera força para fechar aquela ferida.

    - Tayanita disse que seria bom que nos conhecêssemos... Aprender uma sobre a outra para que o bando tivesse força... Então achei que seria bom se dividíssemos a o mesmo refugio contra o sol, pelo menos durante algum tempo... Até o bando estiver forte e unido...

    Comentava a cainita enquanto tirava a camisa, mesmo que quisesse permanecer com ela a roupa havia sido rasgada profundamente e logo teria que ser trocada.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 23/5/2016, 14:04

    - Seus seios são belos... Quase do tamanho dos meus... Deixa eu passar esse sangue especial em suas feridas.

    Marlinna abria o frasco com sangue rosado e deixava o mesmo escorrer em sua mão. Este era muito aquoso e não chegava a pingar ao chão. Como um creme. Então, colocando o vidro em cima de uma caixa, a Gata esfregou o suposto creme em suas duas mãos e se aproximou de você. Ela sorria, inicialmente poderia achar ser um sorriso maternal. Mas era apenas um singelo engano, a malícia tomava todas as curvas das feições da mesma. Assim ela tocou em suas duas feridas simultaneamente.

    Foi como um choque o toque das palmas ensaguentadas dela em suas ferias. Uma pequena ardência que logo desapareceu, como se estivesse sendo anestesiada. O seu tórax se contorcia com o sangue dentro dele se fortificando, mesmo sendo um profundo e ardente corte, o corpo se mostrava a favor de uma cicatrização. Suas costas mostravam uma melhora absurdamente mais rápida. Entretanto o sentimento de alívio não parou neste momento.

    Seu corpo começou a sentir aquele sangue entrando pelas feridas e reagia à este. Era um sentimento de perda de tato. Como se sua pele formigasse, mas não doía. Muito pelo contrário. Ficava sensível ao toque. E o tocar dos dedos da futura Ductus era sentido plenamente. As mãos dela começavam a tatear pelo seu corpo arredor de suas feridas, bem devagar. Cada toque fazia toda sua pele ao redor se arrepiar e um sentimento de calor lhe corroía. Então ela deixou os dedos e tocou em sua pele com a palma inteira da mão e sua mente quase que apagou. Era um calor forte e prazeroso. Suas pernas chegavam à tremer.

    Era como uma massagem que as mãos dela faziam dês de seu tórax até seus ombros. Todo seu corpo se contorcia de uma forma que sequer viva você sentira antes. Nada doía, mas todos os seus sentidos estavam abalados. Inconscientemente seus olhos estavam fechados, era um impacto sensitivo forte demais para conter. Afinal suas pernas quase lhe faziam desabar no chão se não fosse a própria ancilae lhe segurando. Seus olhos abriam rapidamente quando seu corpo sentiu um aperto mais forte. E assim você viu o rosto de Marlinna à apenas um palmo de você. A vertigem do olhar era forte, mas não podia esconder a beleza surreal que ela demonstrava agora à você. Também era possível ver as duas mãos dela segurando seus seios com força e carinho. Ela sorria de prazer.

    OFF - Teste de Fortitude, 1 sucesso. Zero de dano.


    Última edição por King Narrador em 24/5/2016, 13:56, editado 1 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 23/5/2016, 19:38

    Aibellee sorriu um pouco desconfortável pelo comentário de Marlinna, havia muito tempo que a negra esquecerá seu lado feminino, em meio a vida dura do Sabá aquilo era um detalhe sem importância.

    Virando-se para que Marlinna pudesse alcançar suas feridas com mais facilidade a cainita farejou de leve o sangue que mais parecia uma pasta nas mãos da negra. O toque e a ardência do sangue fazendo efeito nas feridas fez com a mais nova segurasse um suspiro de dor.

    A carne e o sangue trabalhando para se fechar criou uma dormência, os músculos que haviam se retesado voltavam a relaxar, da mesma forma o toque de Marlinna parecia brincar com a pele date Aibellee espalhando aquela sensação para longe do local da feridas.

    Toda a tensão de Aibellee desapareceu, o calor dominou os músculos despreparados da cainita que teria caído, sentindo-se segurada a negra abriu os olhos, teria se assustado com a proximidade de Marlinna, mas o toque quente em seus seios e o calor advindo do toque estasiava os sentidos de alerta e urgência.

    " O que ela fez?!"

    Perguntava-se a negra ao observar a beleza da Ductus a sua frente, estendendo os braços para o tronco desta Aibellee cruzou seus braços em volta desta entregando-se a está. As guerreiras agora eram amantes, tradição antiga entre aquelas que dividiam o mesmo campo de batalha, irmãs e amantes, como as antigas guerreiras africanas.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por King Narrador em 25/5/2016, 18:35


    O sorriso espontâneo e cativante da Ahrimane tomou conta do rosto dela. Assim como as presas dela já expostas. Brilhantes e muito nítidas. Então ela largou seus seios, segurando uma mão pela costas de seu quadril e outra em seu ombro por detrás. Para então com um pouco de força lhe tirar o equilíbrio e rapidamente lhe levar para cima do colchão de palha. Este lhe toca pelas costas quando o corpo da Ductus lhe possui como um todo por cima. Agora ela estava totalmente sobre de você. E não exitou em lhe beijar. Com força e intensidade Merlinna acariciou sua boca com a língua úmida dela. Mas a delicadeza morreu com uma mordida forte em seus lábios. Não havia dor na ação. Muito pelo contrário. Seu corpo trepidava de prazer.

    Da ponta de seus cabelos até os seus pés já contorcidos, um calafrio lhe tomou por inteira enquanto um pouco de sangue vazava de seus lábios. Logo se misturando pelas línguas e a saliva. Se tornando saboroso ao seu paladar. Enquanto sua boca se deliciava, Merlinna arrancou com força sua saia. Assim lhe deixando totalmente desnuda. As mãos dela corriam por suas costas com intensidade e até carinho com ternura. O corpo dela parecia queimar, como se estivesse totalmente vivo. O tato contra sua pele fazia um sentimento formigante incontrolável e prazeroso. Quase apagava sua visão e tremia suas pernas até a ponta de seus dedos em todas as extremidades.

    O beijo terminava com ela abaixando a cabeça para seu seio esquerdo. E sem pestanejar o mordeu com força. Podia sentir a mesma sugando seu sangue enquanto lambia a ponta de seu mamilo. O qual estava mais duro do que nunca antes esteve. Dor era o último sentimento que vinha daquele ato. Seu foco ficava apenas no pescoço pulsante dela. Observando as veias dela com sangue inflado. Em sequência a cainita, sem dar folga, regressou a levantar a cabeça, indo até seu pescoço. Lambendo a pele de seu corpo enquanto se direcionava para o mesmo. Ela sempre no controle, com as pernas enroscadas na sua. Assim, perfurava sua pele por uma terceira vez para provar mais prazer. Desta vez milhares de vezes mais intenso que antes.

    Então ela girou pela cama lhe deixando em cima dela e com força segurou em sua coxa. A anciã tensionava a mesma na medida que levantava a própria perna. E assim as suas partes íntimas se tocaram. Como um choque. Pelo com pelo, pele com pele. O calor subia por seu corpo morto, como se um espírito lhe incorporasse, pois a sensação era absolutamente única, a qual nem em vida tinha explorado de tal forma. Tanto prazer junto numa miscelânea quase incompreensível no meio de tanto movimento. Ela se afastava de seu pescoço com o rosto sujo de sangue e sorria. Para então começar á roçar as pernas nas suas com mais paixão e menos intensidade. As mãos dela se envolviam com as suas se entrelaçando entre os dedos. E com os olhos ela lhe convidava para mais um beijo. Agora a mesma menos arisca. Como se estivesse deixando você tomar o controle.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 25/5/2016, 23:20

    Os olhos de Aibellee se fecharam por um instante, encarar as longas presas de Marlinna era impossível, não sem que uma onda de espasmos trespassasse o corpo da gata. Deixando-se ser guiada a cainita suspirou se agarrando ao corpo da Ductus, suas mãos a arranhavam com leveza para não machuca-la, mas ao mesmo tempo com força mantendo o corpo das duas cainitas unidos.

    Presa sobre o peso da gata mais velha Aibellee sentiu medo, a cena dentro da sela da cadeia que fora levada como humana voltou a assolar a mente da cainita, mas a ferocidade com que as ondas de prazer eram criadas por Marlinna a fez relaxar. Os lábios tomados pela mais velha deixaram que um suspiro escapasse da mais nova, quando o gosto do sangue se fez presente Aibellee abriu os olhos por alguns instantes para fecha-los em tremor inebriante quando seu seio foi tomado pelos lábios da gata mais velha.

    Levou algum tempo para que Aibelle percebesse que suas próprias presas saltavam sem controle de sua boca, os movimentos das duas pareciam naturais demais para que a gata lutasse contra, quando seu corpo foi alçado para cima do de Marlinna a cainita esfregou suas presas contra a pele da outra. Era o calor que guiava os movimentos de Aibellee, por isso a gata não estranhou as reações instintivas para corresponder os movimentos de Marlinna.

    Recebendo o convite para o segundo beijo Aibellee estremeceu ao esfregar de leve as presas sobre o pescoço suave e belo da gata, abrindo uma leve ferida sem ao menos se alimentar a cainita mordiscava de leve o caminho seguido até chegar aos lábios da negra, o movimento cadenciado era mantido com leveza e cuidado, cada músculo movido parecia criar uma avalanche da calor e prazer sobre a mente de Aibellee. Por fim esta mordeu os lábios de Marlinna fazendo com que o sangue desta também fosse compartilhado no beijo que se seguiu.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1475
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Jess em 26/5/2016, 00:45

    Percepção + Empatia = 7d10
    avatar
    Dados

    Mensagens : 201
    Data de inscrição : 03/05/2016

    Re: Aibellee Lenoxx - Ato IV - New Liabilities

    Mensagem por Dados em 26/5/2016, 00:45

    O membro 'Jess' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados


    'D10' : 3, 8, 9, 9, 6, 4, 10

      Data/hora atual: 23/8/2017, 09:04