WoD by Night

Narrativa de Vampiro a Máscara: 20 anos


    Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Compartilhe
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Qua 25 Maio 2016 - 15:29

    31 de Agosto, 2005, 18:00


    A noite começou silenciosa na caverna. Apenas o som de alguns animais noturnos surgiam ao longe. Provavelmente morcegos. O eco repetitivo de estalactites se perpetuava por todo o recinto. Aquelas eternas gotas trabalhando arduamente para criar majestosas estalagmites. Era um som sereno e quase meditativo. A iluminação baixa e azulada ajudava em dar um clima único para aquela imensidão de rocha. Era incrível pensar que a cidade inteira estava acima daquele maciço rochoso. Fazia sentido a escolha da fundação metropolitana. Afinal ao redor da metrópole só havia lodo e barro.

    Assim lentamente você foi saindo de dentro do quartzo e do cascalho que formavam uma pequena praia dentro daquele salão natural com um espelho d'água incrível. Não era um descano tão relaxante como adentrar a lama, mas não fora nada de estressante. Fora as normais dores em seu corpo das criaturas que haviam se alimentado de você enquanto dormia e a ardência da palma de sua mão. Assim, se limpando da sujeira e finalmente ficando de pé você pôde observar.

    Blanche saía do refúgio dele. Diferente de você, o mesmo havia se fundido entre duas rochas na parede. parecia um refinamento incrível de sua habilidade. Mas não era parecido com a profana magia da Gárgula que você havia enfrentado na noite anterior. Era algo diferente que aquele Toreador fizera, muito sofisticado inclusive. Assim os olhos dele abriram, e já de pé, ele se adiantou para perto de você.

    - Mais uma esplêndida noite meu caro Ezequiel. Meus sentidos me dizem que para leste há uma saída desta majestosa obra da natura. E pensar que o novo mundo consegue ser tão belo...

    A feição sorridente do ancião se fechou de repente e o mesmo falou mais sério.

    - Entretanto eu sinto uma presença. Existe algo muito poderoso adormecido há uns trinta metros abaixo de nós em alguma outra câmara desta caverna. Algo incrivelmente poderoso. Talvez mais forte que minha própria senhora.


    Última edição por King Narrador em Qui 4 Ago 2016 - 21:48, editado 1 vez(es)
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Qua 25 Maio 2016 - 20:42

    Rhys acordou de maneira natural, com os sentidos ainda lertagicos ele começava a voltar a sua forma normal, saia da areia como se fosse um maldito zumbi, sua pele de amarelo claro começava a ficar tão acinzentada quanto antes, a areia caia por todo o seu corpo juntamente com a água, dava para se ver os vermes que viviam dentro dele caminhar por todo seu corpo fazendo ondulações horríveis em seu corpo.

    Ele parou a alguns metros da rocha que estava saindo Luis com um sorriso sinistro no rosto, não era algo como uma afronta e sim apenas seu jeito involutório de zombaria com tudo e todos, ele inclinou a cabeça para o lado e dava pequenos tapas em sua cabeça fazendo a areia cair de seus ouvidos.

    " Uhm...esse engomadinha sabe se fundir com as pedras...caralho! Deve ser muito loko fazer isso. Até acordando é todo pompozo...!"

    O Grande Nosferatu virou a cabeça para o outro lado e fez a mesma coisa enquanto ouvia Luis, ainda estava meio sonolento o que fazia seus olhos faiscarem com seu ódio gratuito e afinando ainda mais seu humor de gosto duvidoso.

    - Cê parecia o Drácula de Bram Stoker acordando, curti a parada de sair das rochas! Cacete cê tem um GPS na cabeça?...Eu não entendo essa sua fascinação por essa caverna, é só uma caverna man!

    Rhys mudou sua expressão assim que o ancião Toreador o fez, já ficando em estado de alerta, seus punhos se fecharam em um instinto de alerta, era notório que ele ainda não confiava naquele antigo ser e muito menos estaria disposto a controlar sua linguá para tal, seus olhos se voltaram para o chão e ele deu uma batida com força no solo vendo se ali era oco.

    - Porraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Cê é mais velho que você ou sua mamãe fodeu! Encontramos um anti-diluviano! Hahahahahahahaha...Agora estamos realmente fudidos de vez!

    Ele falou de maneira zombeteira e no fim da frase colocou as mãos no rosto simulando um estado de panico. Mais logo apos seus olhos brilharam de uma maneira tão fria quanto a própria noite e sua voz rouca soou seria.

    - Temos duas possibilidades, matamos o que esta lá em baixo, deve estar dormindo e essas coisas antigas são sem nenhuma ofensa, serio mesmo, cê é legalzinho, mesmo falando assim! Ou tiramos ele daqui. Pois antes que fale algo, fizemos um buraco no seu mausoléu, se alguém o encontrar vai seguir até aqui e se tiver a mesma capacidade de sentir as coisas como você ele vai atrás do que esta lá embaixo. Essa cidade não é bela caro Luis, ela é pudrida e sangra por causa da magia negra. você não vai deixar eu fazer nada com esse matusalém e eu muito menos não vou me meter a besta de tentar algo que você não quer. Vou ser bem claro e direto. Ou nós fazemos uma das duas escolhas ou eu mesmo a faço. Não quero que esse poder caia nas mãos de ninguém. Também sou meio antigo e sei como os novos pensam...caldo de titio avô dormindo!
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Seg 30 Maio 2016 - 17:52

    - Recusarei sua proposta, mesmo pensando sobre a mesma. Ninguém sem uma excelente capacidade sensorial ou sem saber que existe algo aqui embaixo, conseguiria encontrar esse antigo. O caos ajudará em mantê-lo escondido como esteve até agora. Logo é melhor deixar certas coisas enterradas. Nós não estamos aqui para causar desordem ou caos. Pelo que vós já me disse, essa cidade já está caótica demais para acordar algo desta magnitude. Mas não esqueça desse lugar. Talvez um dia saber onde este antigo adormece pode ser uma informação importante.

    Blanche parecia ter relutado um pouco para chegar em sua resposta. Mas sua decisão e o tom de voz deixava claro que o mesmo não voltaria atrás. Assim ele começou à andar na direção onde ele acreditava ser a saída. O túnel nesta direção ia ficando cada vez mais escuro, com menos luminosidade natura. Entretanto o som da chuva e o cheiro de maresia apenas crescia. A margem da caminho ainda era inundada. E o antigo não se mostrava estar com preça ou apreensivo com nada naquele momento.

    - Agora devemos seguir nosso caminho. E enquanto o fazemos me diga um pouco sobre vossa senhoria, se permitires, é claro. O que faz nesta cidade que vós mesmo descreveu como pútrida? Já deves ter conhecido muitas personalidades distintas para saber sobre a terrível arte do Amaranto. Mas eu vejo tantas coisas boas em sua alma. Sinto um desperdício de potencialidade. Existe cura para esse rancor que vós esconde atrás de sua máscara recreativa. Peço evidentemente perdão por tocar em tão delicado assunto. Só que por hora, me diga. Assim que sairmos desta caverna, tens algum lugar em mente para irmos?


    Última edição por King Narrador em Sex 3 Jun 2016 - 15:50, editado 1 vez(es)
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Seg 30 Maio 2016 - 21:48

    - Ahhhhh velho...cê é muito tranquilo! Se alguém encontrar o tio ali em baixo e fizer um diablerodo nele eu vou culpar você! Se não fosse eu ter dado minha palavra que ia te dar uma ajuda eu ia lá enfiar uma escada no coração do Caim lá em baixo e depois arrancar a cabeça...

    Rhys seguiu o antigo, ele chutava algumas pedras no meio do caminho demonstrando abertamente que não concordava com aquilo. Era claro a cada vez que ambos andavam juntos que o nosferatu não cultivava muita paciência com aquilo que desejava matar e muito menos empatia ou respeito pelas regras do mundo.

    " Esse cara tem uma noção de espaço da porra...eu ia ficar uma cota aqui, ou iria molhar minha bunda e fazer o sangue correr para ela, dai eu veria de que banda estou sentindo frio para poder seguir..."

    O mesmo atrás do antigo fez uma cara pensativa e sem demora começou a falar.

    - Se me permitires...cê tá me zuando só pode! Nóis ta tipo o Batman e Robin. Se falar com a voz mias grossa fica igualzinho. Eu vim pra cá por que deu ruim de onde eu nasci...Me vinguei de alguns que riram de mim, zuei com a vida de outros e passei algumas informações! Coisa de adolescente.

    Logo o mesmo começou a caminhar rápido e passou na frente do antigo se virando para ele e caminhando de costas tentando não tombar na água. Um sorriso largo brotou de sua cara.

    - Nós vamos para minha casa! É um lugar muito lindo, tem arvores para caralho, as vezes aparece uns humanos loucos procurando uns tesouros lá, dizem que é amaldiçoada por causa dos tesouros dos piratas! Imagina se o barba negra pisou lá...eu pediria um autografo na hora. E cê vai conhecer a minha filha, eu nunca tive uma filha, ela é linda! Pele negra, tem um xilique no braço mais é só não olhar se não o seu braço treme junto uma coisa horrível. E já falei pra ti que eu não ligo para essas coisas, tem umas arvores ocas,tem o Nemo, a vadia da Juliana e a Cinderela!

    Rhys gesticulava com as mãos enquanto falava, e ao falar os nomes de seus animais e de sua criança era notório ver um orgulho nas palavras ditas após, mesmo sendo do jeito dele.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Sex 3 Jun 2016 - 17:55

    - Uma prole? Uma herdeira sanguínea de seu caminho. A mesma aprenderá com vós os passos à se tomarem e os passos à se evitarem. Tome cuidado, pois esta será o arauto de seu destino, o equilíbrio de seu Karma.

    O ancião se mostrou um pouco surpreso com sua revelação sobre possuir uma prole. Entretanto o mesmo não parou de caminhar na direção do final da caverna. O lodo cobria a passagem por entre inúmeras eras. Uma grande cerca viva tomava o caminho na medida que vocês se esforçavam para sair. E logo encontrando a água infinita que vinha da chuva. A noite escura relava pouco para a visão de vocês. fora o fato de estarem em alguma parte do pântano para norte da cidade. Provavelmente perto de casa.

    - Clima parcialmente tropical. Então estamos no verão. E pelo nível hídrico do solo presumo estarmos no meio de uma longa época de monções. O bioma pantanoso deixa claro que estamos próximos da margem de um gigante rio. A vegetação hibrida entre plantas de água doce e salgada me faz presumir que estamos próximos do delta deste rio. Agora faz sentido o estilo de morada que escolhera para você.

    Assim o Toreador se virou o olhou para você finalmente dês de quando vocês começaram a caminhar. O olhar determinado do mesmo lhe deixava em alerta. Afinal a besta do mesmo parecia tão forte que apenas este focar em ti, já lhe deixava em silêncio.

    - Bom, este agora é um momento de alta importância. Você cumpriu sua parte do acordo, me guiou para fora do meu túmulo. Entretanto ainda estou perdido neste mundo, afinal minha memória perdida se mostra ser um grande estorvo. Assim sendo, preciso de um lugar para reunir forças e poder compreender o novo mundo que me espera. Se puderes oferecer à mim o repouso em seus domínios, oferecerei à vós toda minha sabedoria e proteção pelo tempo que a nosso parley estiver em vigor. O que me dizes?
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Sab 4 Jun 2016 - 8:57

    - Sei lá! Ela que vai fazer seu nome, não sou do tipo que diz o que pode ou não ser feito, ela faz a historia dela.

    Rhys falou de uma maneira mais cuidadosa quando se tratava de sua criança. Não que ele não se importasse com a mesma, era mais como um pai rígido que ajudaria sua filha no que fosse possível mais que se a mesma andasse fora da linha ele seria o primeiro a negar ajuda.

    Enquanto andava o mesmo sorriu ao ver que estava em território que conhecia, ele se virou para Luis e virou os olhos quando o mesmo começou a descrever tudo da maneira que ele sempre fizera e por fim se abaixou um pouco enquanto olhava diretamente para Luis.

    " A cada frase dita cê desafia minha besta Luis...por que essa esperança voltada para mim? Sou um desgraça, jogado no inferno e voltando como um monstro, desci até o fundo e voltei ainda pior...o que você vê em mim?"

    Seus punhos permaneciam serrados enquanto Luis falava, era como ter um muro em sua frente e ele ser um objeto que nunca parava, o mesmo sorriu de maneira sarcástica como sempre e arqueou os ombros " tanto faz".

    - Luis...cê me desafia toda vez que me olha assim, por vezes tenho vontade de lhe dar uns cascudos, mais, tenho certeza que minha mão ia ficar toda fudida se eu te desse algum soco. Eu cumpro com o que digo e isso é inevitavelmente um fato. Agora me escute, estará em minha casa, respeite meus filhos e continuamos a nos tratar assim. Pode ensinar o que quiser para Epilepsia, mas, deixe claro para ela que apenas ela deve escolher o que é certo ou errado. E eu não me importo como você me chamar ou apelidos dados, tó cagando e andando para isso, mais se ofender minha filha mais nova eu vou dar um jeitinho em você!

    No fim de sua frase o Nosferatu estava de pé perto a Luis, com uma postura tão reta e pronta para qualquer reação do mesmo. Seus olhos assim como seu semblante demonstravam uma seriedade e frieza anormal, ali estava realmente o cainita que faria de tudo para sobreviver, mais em um breve momento ele deu um pulo para trás e bateu as mãos de maneira brusca, o mesmo afinou a voz e falou de um jeito afeminado.

    - Agora Miga nós somos bff best friend forever. Eu durmo na cama de baixo hahahahahahaha.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Seg 20 Jun 2016 - 23:34

    - Nosso novo acordo então está feito. Um acordo de cavalheiros está selado sob esta chuva quente no meio deste pântano perpétuo. Partiremos então para sua esplêndida morada. Guie o caminho que lhe seguirei pela tangente de sua retina. Se me deres licença...

    Um sorriso nítido se revelava no rosto do ancião com o seu concordar sobre o acordo. Era intrigante como o mesmo se mostrava drasticamente educado em todos os momentos da conversa entre vocês. Ninguém antes possuiu tamanha compostura em sua frente, sempre revelando uma forma distinta de se comunicar contigo. Aquele cainita era diferente de tudo que já conhecera ou até que já ouvira sobre o mesmo nos tempos que este fora o príncipe da cidade.

    Felizmente Louis foi sábio o suficiente para pedir licença antes de agir. Pois se tal mesura não tivesse sido utilizada você teria entrado em pânico absoluto e perdido totalmente a consciência. Pois o poder do mesmo mais uma vez entrou em vigor. Só que dessa vez de forma mais aterrorizante que antes. Algo tão assustador quanto seus olhos haviam presenciado naquele cemitério na noite passada.

    Os olhos de Blanche se enegreceram e uma luz vermelha escura começou a brilhar por dentro das trevas de sua visão. O seus corpo inteiro começou a se converter em sombras. Como se estivesse aparecendo espinhos. Espinhos grandes e afiados, junto de cascos rígidos e uma escama quase impecável. Tais desfigurações eram quase que intangíveis, como se estivesse dentro de trevas absolutas. Pois o corpo do antigo parecia estar se tornando sombras em absoluto. A forma monstruosa não era possível de ser compreendida completamente, afinal a mesma ia quase de imediato se fundindo na escuridão do cenário. Assim todo o corpo do antigo se mesclando no escuro do pântano. O último elemento para sumir de sua visão foi os olhos dele. Mas a sensação que o antigo não se mexera e permanecia a te olhar era nítida.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Qua 22 Jun 2016 - 14:28

    - Yes Sir!

    Rhys fez uma postura meio torta de soldado, só que no lugar de um sorriso sínico que sempre brotava em seu rosto após seus atos o mesmo deu dois passos para trás e suas presas saltaram demonstrando a besta que era. Ele se inclinou para frente como um verdadeiro animal e seus olhos permaneciam fixos naquela criatura que Luis estava se tornando por alguns segundos.

    - Avisa que vai fazer essas coisas Cassete! Eu quase me caguei todo aqui.

    O grande Nosferatu se recomponha de maneira calma, só que seus olhos permaneciam fixos onde estavam Luis.

    " Seu viadinho engomado dos infernos, cê pensa que só por que mandava na porra toda aqui pode sair assustando os cainitas assim...cê foder, se eu tivesse um organismo vivo eu estaria com as calças pesada de merda...ia ta com a perna toda melada!"

    Rhys parecia resmungar com sigo mesmo enquanto caminhava para sua casa de maneira mais furtiva, em situações normais o mesmo era alguém insuportavelmente tagarelo e despreocupado, mas, quando as situações eram mais criticas ou até mesmo mais cautelosas ele demonstrava uma postura mais voltada para algum tipo de militar, afinal, ele perdeu grandes noites assistindo os filmes dos humanos.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Qua 29 Jun 2016 - 11:55

    A caminhada foi relativamente longa. Afinal o pântano do norte não era de forma alguma pequena. Não tão grande quanto o do leste, mas claramente demandava de uma distância até seu refúgio. O clima chuvoso não ajudava em nada. A chuva não estava tão forte quanto no dia anterior, mas forte o suficiente para manter o terreno inundado. O que deixava o solo muito volátil e gerando uma suja e penosa caminhada. Felizmente seu conhecimento do terreno acelerou o processo e minimalizou as tropeçadas pelas raízes do manguezal.

    Todo o percurso fora feito em solo, apenas você e a fauna viva daquela terra. Vários sons ecoando por dentro da floresta. Entretanto eles tendia a ficar silenciosos quando você passava. Claramente vós não era a causa deste silêncio à sua proximidade. A causa estava na tangente de sua visão. A presença do antigo príncipe da cidade. Era impossível ver o mesmo, mas era claro que ele estava ali em algum lugar. Por entre as sombras, lhe acompanhando de perto. O frio na espinha vinha de tempo em tempo. Sua besta estava tentando se acostumar com aquela presença, mas o esforço da mesma apenas lhe fazia ficar com fome e mais fome.

    Uma luz de vela saindo por detrás do casco oco de sua árvore foi finalmente o marco que você precisava. Havia chegado e aparentemente sua prole estava bem e dentro do refúgio. Uma boa notícia para varia. Entretanto não era apenas isso que você via. Agora sua visão parecia lhe pregar peças, pois era possível ver aparições. Algo que seus olhos nunca permitiram ver com tanta clareza antes de dar sangue para aquele fantasma noite passada. Todos os fantasmas pareciam nítidos em seus olhos. E estavam em montes ali, segurando velas do plano espiritual a qual não sofriam com a chuva. Estavam todos rezando em círculo ao redor de seu abrigo. Deveriam haver pelo menos trinta. No instante seguinte Blanche apareceu do seu lado em sua forma natural. O olhar dele demonstrava muita curiosidade.

    - Chegamos em sua bela morada meu caro sócio de parley?
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Qua 29 Jun 2016 - 17:05

    Rhys caminhou da maneira que sabia por aquele terreno, se desviou e cortou alguns caminhos que considerou apenas atrasar seu avanço, estava encharcado por causa da chuva e seus caninos estavam saltados não por irritação ou até mesmo desconforto, era a presença de Luis que o deixava assim.

    " Esse viado fica ai nas sombras me dando esses arrepios na espinha, ai a filha da puta da minha besta aqui ta que tá toda serelepe querendo arrancar a cabeça de um, depois que encontrei o capiroto essa porra ta ficando mais forte a cada noite, fazia tempo que não sentia ela tão próxima"

    O Grande Nosferatu ficou de boca aberta vendo aquelas aparições em volta da sua arvore, o mesmo deu um pulo para o lado e colocou a mão onde ficava seu coração e falou de maneira rápida.

    - Puta que me pariu cê me mata do coração seu viado! Sim. Esse é o refugio do guerreiro...é cê fica um tiquinho aqui que eu vou só arrumar o tapete de entrada ali, coisa rápida.

    Rhys pegou um pedaço de madeira que estava flutuando e caminhou com o mesmo em direção a sua arvore, o mesmo não se importava com a presença do antigo príncipe ali, ele começou a bater com a madeira na água fazendo muito barulho e gritava de maneira estérica.

    - Virou bagunça agora essa porra né!? Vocês ai se por algum acaso cêis queima o espirito dessa arvore eu juro por Caim e pela puta que o pariu que for que eu vou dar um jeito de meter minha mão na cara de cada um, sai...sai...sai...chispa da minha casa, foi aquele muleque do cassete que fez isso né! OH FILHA! CÊ DESCE AQUI AGORA QUE EU TO IRRITADO, AQUELE PROJETO DE GASPARZINHO DA PETROBRAS ENCHEU A CASA DE FANTASMAS...eu não sei bater em um fantasma, chispa, sai...sai...Rá!

    Rhys batia na água e balançava a madeira na direção dos fantasmas, o mesmo falava de maneira simples e sincera, no final de sua cena o mesmo fez uma cruz com os dedos na direção das aparições.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Seg 4 Jul 2016 - 13:58

    Os fantasmas não se mostravam ameaçadores. Muito pelo contrário. Eram pessoas humildes. Crianças, mulheres, idosos, camponeses, doentes. Era possível ver marcas de fraqueza e ingenuidade apenas olhando para os translúcidos olhos de cada aparição ali presente. O único sentimento que eles demonstraram quando você interagiu com eles foi medo. Era claro o susto que levaram. Por cortesia Blache ficou de longe apenas observando enquanto você lidava com aquelas almas penadas. Foi a de um senhor bem velho e meio corcunda com um gorro de pijama típico de vestimenta do século retrasado que se aproximou de cabeça baixa para falar contigo.

    - Me perdoe Grande Senhor da Árvore. Nossos templos foram destruídos pelas águas e aqui nós achamos uma sacerdotisa. Precisamos dela. Precisamos deste lugar. Por favor, não nos expulse. Não temos para onde ir.

    Neste momento a casca da árvore que servia como uma porta se abriu. Sua prole, agora de pé e com uma feição bem confusa se revelou. A mesma estava vestida com os trapos da noite passada e com a pele tão distorcida como você deixara, as marcas de lágrimas de sangue no rosto dela já estavam bem fracas. Todavia, sua besta podia farejar o cheiro de medo vindo nela, na verdade podia farejar o cheiro de medo vindo de todos ali. Exceto do ex-príncipe, claramente.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Seg 4 Jul 2016 - 15:19

    O Grande Nosferatu chegando mais próximo logo viu a figura de todas aquelas almas, todos pareciam com pessoas pobres e ingenuas o que o fez tacar o pedaço de madeira para longe, o mesmo bateu a mão no rosto em sinal de que não gostava de coisas frágeis. O mesmo olhou para o senhor que se dirigiu até e começou a falar, ele olhou para a arvore e viu sua cria com lagrimas secas no rosto. Sua voz soou de uma maneira seria e fora do comum para o Senhor.

    - Se não tem para onde ir isso não é problema meu. Agora fique aqui, minha filha que vai decidir se ficam ou se vão!

    Rhys deu um passo para frente e em seguida pulou com a força que tinha para o tronco mais próximo de onde era a porta de sua morada. Seu corpo estava mais pesado fazendo a grande arvore ranger o mesmo tentava distribuir o peso de igual para o grande galho que estava, ele segurou um outro galho que estava próximo e se inclinou para sua cria.

    Sua esquerda que estava livre segurou a cabeça da mulher e lentamente o mesmo levou o rosto dela até seu peito. Sua voz soou calma e tão suave que parecia que sua voz era apenas levemente rouca.

    - Isso minha criança, chore. Quando as lagrimas enfim secam para sempre, este se torna um demônio. A feiura, onde que que esteja, tem sempre um lado belo. É fascinante descobrir beleza onde ninguém a consegue ver. Seu corpo vai mudar, assim como sua mente, cabe a você lidar com isso, sei que é difícil ter sua aparência destorcida assim...
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Qua 6 Jul 2016 - 14:57

    Sua prole se virou para você e lhe olhou diretamente em seus olhos. Os olhos vermelhos fortes dela mostravam um sentimento muito misturado. Era medo? Raiva? Determinação? Parecia impossível determinar. O braço esquerdo dela não parava de tremer. E foi com sua voz roca que a mesma finalmente se pronunciou.

    - Minhas lágrimas já secaram. Já chorei pela morte de meu marido. Pela minha própria morte. Pela destruição da cidade. Não resta lágrimas para chorar por minha aparência, é meu preço por ainda estar de pé aqui. Eu ainda tenho uma tarefa, meu compromisso. Essas almas me procuraram, não posso abandoná-las. Nunca poderei. Não as expulse, não existe lugar seguro para elas. Demônios podem tentar devorá-las. Não permita isso.

    As últimas palavras dela fizeram você se lembrar da noite passada. Aquelas infernalista devorando as almas dos jovens cainitas no cemitério. Aquele sentimento de nojo não conseguia sair de sua garganta. A lembrança logo lhe trouxe uma agonia. Entretanto, instantes depois você voltou a observar seus arredores e notou que todos os fantasmas pareciam estar fazendo reverência. como se estivesse rezando para vocês dois no carvalho. Mais um sentimento vinha em seus instintos de besta, sua fera pessoal dizia que a pequena besta de sua filha estava acordando, deveria estar faminta.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Qua 6 Jul 2016 - 16:02

    Rhys observou sua jovem cria falar o mesmo não riu e muito menos expressou algo em sua face, era um pai e deveria apoiar as escolhas de sua criança. Ele segurou a cintura dela e saltou para o chão fazendo a água saltar para os lados, deixou a mesma tocar o solo alagado e falou.

    - Tudo bem linda, eles ficam! É sua responsabilidade, como cuidar de um cachorro, se fizerem sujeira você limpa, da banho, leva para passear e da de comer. Aquele alemão charmoso ali na frente é o antigo príncipe da Camarilla, Sua alteza, Lorde Louis Blanche. Esse é o momento que você pensa que tem aquele vestidos bonitões e faz aquelas saudações de fresco tipo assim.

    O Grande Nosferatu fazia uma demonstração como se estivesse de vestido cumprimentando Luis como se fosse uma mulher antiga, logo depois ele se levantou e ficou observando sua criança.

    - Depois vamos falar da fome que esta sentindo!

    " Não me reverencie seus malditos, não sou nenhum salvador ou algo parecido, se soubessem o que fiz iriam sair correndo daqui o mais rápido possível. Uma hora eu vou ter minha vingança com aquelas duas malditas...ah se vou ter!"
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Qua 13 Jul 2016 - 17:52

    Thyara se mostrou aliviada com suas palavras. Parecia que um sorriso havia se projetado na mandíbula dilacerada dela. Assim ela concordou com a cabeça sem falar nenhuma palavra.  O olhar dela pareceu brilhar de susto, ou talvez de medo, quando a palavra da fome foi trazida a tona. Mas ela se esforçou para apenas observar as aparições rezando em um cântico relativamente alto e destoante. Parecia que entre o escuro da floresta aparecia brotar mais fantasmas se aproximando. Mas não foi nenhum deles que realmente chegou perto de vocês dois e foi no caso o antigo príncipe da cidade. Andando devagar e fazendo uma cortesia para sua prole antes de falar em seu alto tom de educação.

    - Me perdoe fazer comentários sobre sua adequada apresentação, meu caro Ezequiel. Entretanto, porém, todavia, nunca fui um príncipe da Camarilla, pelo menos que eu esteja lembrado. Também devo esclarecer que deveras não sou de origem alemã, sou Songaly. Terra do sul do Saara e lar da grande Timbuktu.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Qui 14 Jul 2016 - 8:16

    - QUE? Mano eu lembro dos nomes meu parceiro, e o seu tava como ex-príncipe, no Sabá não tem príncipe que eu me lembre, tem os caras com nome de peça de xadrez, agora cê bate um tambor, roda a baiana, estende a mão, mais cumprimenta o cara mulher!

    Rhys falou de uma maneira rápida por causa da noticia que havia recebido, o mesmo deu um leve chute na bunda de sua cria para que a mesma se aproximasse de Louis, em contrapartida o mesmo pareceu estar longe naquele momento e se sentando em uma pedra cheia de musgo, ele fazia um sinal para o fantasma que veio falar com ele para que se sentasse em seu colo.

    - Oh Louis, cê tava em topor, esse é nome do sono dos titios, cê nunca participou da Camarilla? Man, nóis tá entre amigos, cê é tipo meu Best Friend agora, sem malandragem...!

    Parecia que o grande nosferatu aos olhos de qualquer outro estava debochando do ancião, mas suas palavras demonstravam naquele momento um tom de preocupação.

    " Oxi, como esse mano ai não foi príncipe, tem alguma coisa que não ta cheirando bem e não é minha bunda!"
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Seg 18 Jul 2016 - 0:14

    O fantasma com pijama olhava para você aterrorizado. Finalmente alguém naquelas estranhas noites chuvosas finalmente demonstrava medo de ti, como sempre mostraram. O corcunda não se aproximou como você chamava, ficava numa distância segura apenas observando e fazendo reverências tolas sempre que seus olhos se colidiam. Enquanto mais e mais aparações apareciam se revelar por de trás das árvores na distância.

    - Prazer Senhor Luis Blanche. Meu marido era do Mali como o senhor. Sempre tinha um sonho de conhecer aquelas terras.

    Thyara absolutamente sem jeito fez algo similar à uma mesura. Todavia foi recebida com um sorriso muito amável do filho das rosas. O qual se aproximava para tocar a mão da Nosferatus que possuía suas unhas escuras compridas. Entretanto o mesmo parou a um centímetro de tocar na mesma, analisando por um segundo o rosto da sua prole avaliando se esta permitiria o ato cavalheiresco que logo foi completado com delicadeza com este se levantando.

    - Que coincidência memoriável. Deveras aquelas terras são belas após o orvalho matinal. O gosto do vinho seco do árido deserto nortenho ainda é uma lembrança agradável. Entretanto não posso me postergar neste tema de sabores de fermentados Malisênses agora. Pois requiro de uma informação mais clara de seu senhor.

    O antigo príncipe então olhou para ti com os olhos demonstrando surpresa. Ele falava com calma, tentando manter o ar polido, mas ao mesmo tempo deixando claro sua total confusão graças a sua desafortunada desmemorização.

    - Ezequiel... Vós acabaras de me dizer que fui príncipe de uma terra pelo período a qual minha memória não me pertence. Poderia me iluminar com uma aula de história sobre essa cidade, por obséquio?
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Seg 18 Jul 2016 - 12:30

    - Buuuuuuuuu! HAHAHAHAAHAHAHA

    Rhys levantou rapidamente olhando para o velho enquanto fazia suas palhaças e depois caindo na gargalhada. Logo o mesmo observou sua criança e Luis falando, o mesmo cruzou os braços e ficou observando a cena.

    " Como ele fala fresco, puta merda viu! Minha filha pelo menos não é fresca assim!"

    Os olhos do grande Nosferatu brilharam de uma maneira maldosa naquele momentos após a frase de Luis, ele fazia um sinal negativo com a cabeça e se lembrava do por que sua "classe" eram os informantes perfeitos e os apelidos que vinham juntos. Seus passos foram pesados indo e vindo fazendo um circulo.

    - Elementar! Meu caro Watson. Como eu queria ter um cachimbo aqui e agora, ia ser do caralho essa frase, cê deve ter tomado uma porrada muito das brabas na moleira ou algum tio mais pica que ocê lhe fez esquecer de tudo em!

    Rhys continuava a caminha em circulo e logo pegou um pedaço Reed que nascia ali e deixando o caule em sua boca. Sua voz soou alta.

    - TODO MUNDO SENTADO CAMBADA! PROFESSOR MODA FOCA CHEGOU!...Boa noite meus caros alunos, hoje estudaremos sobre a Historia de Nova Orleans, de onde veio e como surgiu eu não tenho a minima ideia, porém, AQUELE ELEMENTO ALI QUE FALA DE FORMA CHATA PRA CARALHO! Iniciou seu principado por volta de 1720 e pouquinho, ai ele você senhor Louis, cê deixou serpente da Luz e Samedi entrar aqui, depois disso ficou tudo cagado. Foi em 1755 que isso ocorreu. Cê para de tremer seu capeta!

    Atirava o reed na direção do fantasma idoso que sempre demonstrava medo, logo ele chegou mais próximo de Louis, ele olhou bem para o antigo, não sorria e nem muito menos demonstrava qualquer tipo de diversão no que iria disser.

    - A Capela Tremere foi fundada em 1760, o controle foi passado para os espanholes, depois Franceses e por fim americanos. Os Tremeres e Giovannis entraram em guerra, Samedis se juntaram com os Giovannis e a Camarilla com os Tremeres, você foi bom com seu povo, e começou a liberta-los da escravidão, mas isso foi um tiro no pé. Uma revolta humana surgiu em 1862, você perdeu influencia e a sua politica caiu muito. Só que depois de um tempo ouve rumores de que os Ventrues haviam tido influencia nisso. Em 1863 você assinou um acordo de topor assumindo a culpa pela guerra humana o que faria durar por cem anos. E assim Harry Willian Kasper se tornou o novo príncipe e você esquecido. Você foi acusado de muitas coisas e não tó bem ai se foi culpado ou não. A questão agora é o que você vai fazer!
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Ter 26 Jul 2016 - 0:01

    Sua prole se mostrava não absorve absolutamente nada do que você falava. O semblante de confusão tomava seu rosto apodrecido enquanto ela decida focar sua atenção para a horda de espíritos que permanecia ao redor da árvore dentro do encharco chuvoso do seu domínio. O velho de pijama já havia corrido para o meio da multidão de almas penadas que se mantinha visível graças às luzes de velas imateriais no meio daquela floresta.

    Blanche todavia não se mostrava piscar por um instante sequer. De braços cruzados ele te observou. Aquele olhar penetrante mais uma vez lhe dava calafrio. Algo nele estava lhe deixando inquieto mais uma vez. O rosto sério do mesmo permanecia estático por todo o período que você discursava. O silêncio ainda dominou um pouco seus lábios alguns instantes depois de você terminar de falar.

    - Vós meu caro Ezequiel, sempre se mostrando ser exótico com as palavras e em escolher os momentos para dizê-las, mas não posso culpá-lo...Mil novecentos e sessenta e três era o número em minha cabeça quando acordei, pois era a data que eu deveria acordar. E minha besta está inquieta dês de ontem pela clara traição ao qual sofri. Refletir sobre isso e todas as implicações relacionadas, eu devo.

    Assim ele descruzou os braços e se virou para olhar para a floresta na direção dos fantasmas. Lhe deixando de costas por um instante, mas logo voltando a olhar para ti.

    - A maioria dessas pobres almas penadas são negros... Minha memória me recorda do período da escravidão e vejo sentido em minhas próprias ações para ter embarcado para o Novo Mundo fundar uma cidade no pântano com o objetivo de libertar meu povo. Está claro que minha missão para com meu povo não está ainda comprida. Senão esta floresta não estaria tão cheia de espíritos como está agora. Devo pensar em minhas prioridade, e o principado desta cidade obviamente não é.


    Última edição por King Narrador em Seg 1 Ago 2016 - 11:51, editado 1 vez(es)
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Sab 30 Jul 2016 - 16:46

    - Para vai...estamos muito avançados meu amigo! Pode acreditar o povo negro que você tanto ama é maioria aqui, não tem mais essa de escravidão, esses ai devem ter morrido faz uma cota. E cê conseguiu muito bem o que queria, aqui mais da metade da população é negra. Sua raça se assim posso chamar é em grande maioria agora.

    Rhys observou sua cria e revirou os olhos como se os cuidados que ela desejava ter por aquelas almas não fizesse com que ele realmente ficasse contente, via seu pântano rodeado por almas o que lhe dava um sentimento de perda.

    " Puta merda...tá foda a vida, tem gente pra caralho aqui! Essa bosta agora vai virar um terreno sagrado? Daqui a pouco os voodoos e Giovannis vão cair matando aqui! "

    Ele se virou para Louis novamente e falou de maneira despreocupada.

    - Mais cê ta ligado que os Ventrues vão te caçar como um coelho agora nê? Se eu fosse ele viria atrás de ti e finalizaria o trampo, uma coisa é jogar a merda para debaixo do tapete e outra é quando não tem mais espaço e começa a feder! Sacas? Não que eu seja o demônio que fica no seu ouvido falando para fazer o errado, cê faz o que quiser da vida, eu to cagando e andando para essas coisas, o que sei é que quando os titios começarem a acordar ai a porra vai ficar seria. Então cê tem um tempinho ae para se arrumar.

    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Seg 1 Ago 2016 - 11:56

    - Me satisfaz saber que a escravidão é um uma mancha do passado. Mas é claro que não está resolvido a questão. Vós que sofre a maldição do espelho rachado deve estar mais do que ciente da ilusão que nossos olhos nos impõe. Precisamos ver além de nossa própria retina para compreendermos o que realmente está em jogo. Esta floresta está tomada por auras cinzas em mescla de prateado. Depressão e tristeza tomam a atmosfera como só vejo em períodos de guerras conturbadas. Podes vós achar que estamos em paz ou que eu tenha feito um ótimo trabalho como príncipe. Mas a verdade é que eu falhei. Falhei comigo mesmo e com toda esta terra.

    A besta na sua frente pela primeira vez dês de quando despertou se mostrou se acalmar. O que lhe gerou um grande alívio físico e mental. Afinal a presença de Blanche até agora se mostrava aterrorizante, só que neste momento o mesmo parecia ter apaziguado o próprio espírito. E de forma absolutamente veloz, algo que vós nunca se acostumou a ver. Por experiência própria, uma besta tão violenta como a que vós estava vendo a instantes atrás só se acalmaria depois de um longo frenesis. O que não era o caso.

    - Mas não é hora de ser derrotista meu caro Ezequiel. É hora de usarmos nossas forças para contestar a falácia de nossa criação. Nascemos do pecado, mas não para semeá-lo e sim para aprender com ele a aprendermos à expurgá-lo. Precisamos elaborar um espaço de paz para estas almas. Precisaremos de um sacerdote para tal. E pela aura faiscantemente dourada de sua prole, acredito que já achamos a candidata.

    Depois da ação fazer um teste de Percepção + Prontidão
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Seg 1 Ago 2016 - 13:40

    - Cê ta na terra do Voodoo e dos Giovannis e os filhos da puta que mechem com essas coisas de alma! Feliz eles não vão estar mesmo, se derem um passo em falso. BUM! Vem alguém e pega sua alma, assim tipo caçar borboletas. Deve ter até uma redinha que eles usam.

    Rhys falava de uma maneira engraçada por não conhecer sobre os outros clãs, apenas sabia o que todos com sua idade sabia, eles mexem com espíritos e por isso são excluídos de tudo e todos.

    O Cainita fitou Louis com certa desconfiança, aquele antigo se demonstrava uma montanha russa de sentimentos bons e ruins, elevando sua presença ao extremo, o Nosferatu até mesmo estralou o pescoço se sentindo mais leve, dando alguns pulinhos e chacoalhando os braços.

    - Uhul. Cê é tipo um parque de diversão, só que sentimental. Ouça meu Louis, não me envolva com essa questão de dar paz a algo. Não sou assim e muito difícil que um dia eu seja. Realmente nasci do pecado, da imundice do mundo de um Cainita que me fez ver o real desespero e até mesmo estourei minha humanidade e sanidade com isso. Sempre serei esse doente que fala sem preocupação e demonstra desdem com tudo.

    O Grande Nosferatu olhou para sua cria com os olhos brilhando em um amarelo sobrenatural e assustador como se ali ele visse algo que nunca teve. Escolhas! Sua voz soou mais alta e forte agora, assim como sua postura ficava mais reta e ameaçadora, ele caminhava com passos pesados em direção a sua criança que começava a auxiliar os fantasmas.

    - Tudo que é meu é seu. As terras, a força e tudo mais, você tem meu sangue em suas veias, sangue amaldiçoado e pútrido, no fundo deve me odiar por retirar sua aparência e lhe mostrar o mundo como ele realmente é, onde os verdadeiros manipuladores do mundo se vangloriam por toda a eternidade. Como eu havia dito minha criança, cabe a você escolher o que e para onde irão esses fantasmas. Só quero que pense no que realmente deseja cara Obsidiana!

    OFF: Percepção + Prontidão = 3 + 3 = 6d10
    avatar
    Dados

    Mensagens : 201
    Data de inscrição : 03/05/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Dados em Seg 1 Ago 2016 - 13:40

    O membro 'Miac' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados


    'D10' : 3, 9, 8, 9, 7, 6
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 600
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por King Narrador em Ter 2 Ago 2016 - 20:46

    Por entre as copas das árvores mais distantes sua visão captou algo chamativo. Era uma mancha vermelha. Se movendo muito rápida por entre as folhagens. Parecia uma aranha ou algo similar. Seus instintos diziam que era algum tipo de caçador espreitando. Não era um bom sinal. Blanche demonstrou também notar antes de lhe responder com um tom mais direto.

    - Se vós realmente fosse o monstro que tanto ressalva que és, não teria tanto remorso dentro de ti. Não haveria vergonha e pavor sobre a noite passada. Haveria apenas risadas e mais risadas. Uma máscara usada por cem anos ainda é uma máscara. Não adianta fugir de sua própria alma. Desista de fingir que não se importa por essas almas sofridas. Ou já teria as entregado para esses espectros na floresta.

    Enquanto o antigo príncipe falava sua prole agora se posicionava do seu lado. Os olhos dela pareciam cintilar enquanto permaneciam focados naquelas almas penadas. A mesma esperou uma deixa para poder finalmente por seus pensamentos para fora.

    - Eu já fiz minha escolha e vou tentar me manter com ela. Eu fui... Sou uma Doné de Legba e como juramento de minha casta, é obrigação depositada à mim de construir um solo sagrado para os "andarilhos". Preciso re-definir as energias desse lugar para montar um terreiro de dedicação à Legba e poder proteger meu povo. Antes que um exu chegue. E eles tão perto.

    Ultima Ação para o Final do Ato
    avatar
    Miac

    Mensagens : 468
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato V - Returning

    Mensagem por Miac em Qua 3 Ago 2016 - 11:00

    Rhys olhava para Louis com uma expressão mais seria, seu rosto retorcido não demonstrou expressão, naquele momento estava mais preocupado com a criatura que espreitava ali do que com o sermão que acaba de tomar.

    Para ele era de certa forma irritante ouvir aquilo em seu próprio domínio, o antigo príncipe poderia realmente achar salvação na alma do antigo Nosferatu mais esse desejava apenas descontar sua irã em algo e o que se movia lhe fez crer que ali ele teria sua válvula de escape.

    - Que assim seja minha amada criança. Você vai ter aquilo que seu amaldiçoado senhor não teve, escolhas. Estas que serão de responsabilidade sua e por toda a eternidade você as carregara contigo. Quando duas forças opostas se encontram a tendencia é se afastarem ou simplesmente uma destruir a outra Louis...só que a física nem sempre é tão clara não é?

    Sua voz soou calma e rouca como se o mesmo não se importasse com aquelas coisas, por fim ele sorriu e gargalhou de uma maneira medonha, caminhava enquanto estava tendo sua cria de risos e pegou uma pedra de tamanho considerado no chão lamacento e arremessou com toda sua força na direção da criatura.

    - Odeio ser observado...ahhhhhhhh...COMO ODEIO!


      Data/hora atual: Ter 22 Ago 2017 - 15:45