WoD by Night

Narrativa de Vampiro a Máscara: 20 anos


    Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Compartilhe
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 11/5/2017, 12:27

    Friederich retribuía aquele seu abraço forte e carinhoso, deixando claro que ele sentia uma profunda saudade desse toque, para posteriormente ter os lábios beijados por ti e sorrir de maneira apaixonada. Haviam algumas expressões novas no rosto do homem, mas nada muito drástico ele apenas parecia mais leve.

    -Nossa rosa negra...

    Repetia o mesmo baixinho no seu ouvido para então fazer um breve cafune em seus cabelos enquanto isso, Yalin finalmente conseguia se livrar de Lotte, tomando uma distância segura da mesma. Coube então a sua rosa negra andar até você e Friederich, o sorriso dela era enorme, tão grande que quase não cabia na face dela.

    -Oi mãe, oi pai!Vocês são tão lindos juntos!

    Aquela simples frase fez a sua besta cair no sofá em um gemido divertido e melodramático. Os olhos de Friederich rapidamente desviaram na direção do sofá por alguns instantes, mas logo ele olhou para Lotte.

    -Venha cá querida Lotte... E você também Yalin!

    Friederich saia com enorme gentileza do seu abraço para esticar uma mão para Lotte, trazendo a filha de vocês para bem perto e abraçando a mesma pela cintura, algo que agradava a rosa negra ao ponto dela passar um braço por cima dos ombros do seu amado e liberar o peso do corpo sobre o mesmo. Yalin então se aproximava com uma pequena vergonha.

    -Yalin, essa é Pietra Rafaldini.

    A exótica jovem então imediatamente colocou as mãos nas pontas daquela enorme camisa que usava, puxando as pontas pela lateral e fazendo uma reverência medieval perfeita. Lotte prontamente brincava.

    -Uau, Lady Kizilkaya!

    Aquela brincadeira fazia Friederich sorrir levemente e deixava a jovem Yalin profundamente constrangida, ela até olhava assustada para o Senhor dela, tentando entender se havia feito algo errado.

    -Err... Pra-prazer, digo, é uma honra conhecê-la formalmente Bispo Rafaldini.

    Friederich parecia se divertir com a duvida e a vergonha da própria prole, Lotte segurava um riso, pronta para continuar a debochar da formalidade apresentada pela jovem Ventrue.

    -Eu, fiz algo errado?

    Questionava a jovem.

    -Não. Mas estamos em família querida...

    Yalin colocava o indicador no queixo, pensando a respeito da frase recém pronunciada por Friederich. Ela então olhava diretamente na sua direção e andava até você, parando precisamente na sua frente.

    -Desculpe a formalidade, Pietra. Olá, sou a Yalin, prole do Friederich e gostaria de lhe abraçar, posso?

    Lotte e a sua besta tinha a mesma reação engraçada, soltaram um breve gemido divertido e abafado, para logo em seguida colocar uma mão na face, envergonhadas de terem sido tomadas por um sentimento delicioso, ambas pareciam implorar para que aquele abraço ocorresse o mais rápido possível.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 11/5/2017, 15:43

    O abraço entre os dois cainita, arrancou um suspiro carinhoso de Pietra, havia saudades daquela intimidade com Friederich, uma saudades sanada pelo toque frio e suave do mesmo. O sorriso apaixonado de seu amado, fez escapar um riso cristalino da italiana, observando as expressões mais suaves Pietra sentiu o alivio tomar seu coração.

    Diante das palavras sussurradas em seu ouvido e a caricia em seu cabelo, Pietra se encolheu abraçando o peito de Friederich com mais força, era claro que a cainita sentia-se protegida e amada ali, algo que os anos de convívio havia acentuado entre os dois anciões.

    “ Mio amato... Estás tão seguro de si, tão confiante. Isso me faz feliz e lhe fará bem! “

    Soltando Friederich quando Lotte se aproximou a cianita riu feliz ao ver que o Ventrue abraçava sua rosa negra, o modo familiar com que os dois se abraçavam diante de Pietra fez a besta se derreter no sofá, a cainita notou o olhar de Friederich para o local onde sua besta se sentava, mas ainda havia a impossibilidade de vê-la, pelo menos ainda.

    A aproximação de Yalin chamou a atenção de Pietra, os olhos castanhos da mais velha estudavam cada pequeno detalhe da neófita, o estudo porem era feito com a mais pura admiração. Quando a exótica jovem fez a reverencia, Pietra levou as mãos a boca segurando a clara expressão de surpresa, mas diante do pedido do abraço a cainita não se conteve.

    - Ahh mia amata figlia...

    Puxando com delicadeza o corpo da jovem para o seu corpo, apertando-a com força e carinho Pietra passou uma das mãos sobre os cabelos de Yalin para observa-la.

    - Mia criança, és simplesmente tão linda!

    Dando pequenos beijos na face de Yalin, Pietra voltou a aperta-la ao dizer de maneira suave.

    - Diante dos outros pode existir a formalidade. Aqui entre nós seremos uma família, me chame do que preferir, sim! E não se preocupe você não fez nada de errado.

    Virando o olhar para Friederich a cainita não escondeu o sorriso largo e carinhoso ao comentar ainda abraçando Yalin.

    - Eva vai amar tanto o sotaque dela!
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 11/5/2017, 21:07

    Friederich ainda mantinha o braço passando por de trás das costas de Lotte, observando com paciência a interação entre você e Yalin. Mas no momento em que você falava de família uma lágrima fina de sangue escapava do olho esquerdo do mesmo, ele não era um homem muito expressivo no fim das contas, sempre sério e focado nos objetivos. Só que aquela palavra o afetava com força, poucos sabiam disso na realidade e talvez apenas você nesse mundo inteiro soubesse o quanto de trabalho ele teve para que o seu jardim pudesse germinar. Quando a face feliz dele não precisa ser capaz de sorrir ainda mais, vinha a frase de Yalin para derrubá-lo.

    -Eu vou chamá-la então de...mamah. Pois é você a mulher de meu papah! Se isso não for um problema é claro, mas eu gostaria de mantê-la como família, sei que o seu vitae não está em mim Pietra, mas família não é só sangue! Por exemplo, Lotte é minha sestra! Foi a primeira face que vi lá no fosso, com os dentinhos pra fora e rosnando como um gato selvagem...

    Friederich estava feliz, tão feliz quanto a primeira noite que você finalmente revelou seus sentimentos a ele. Lotte não resistia e em um movimento ousado mordiscava a face de Friederich, algo que arrancava gargalhadas do homem que já começava as e recompor.

    -Ah, meu velho coração não estava preparado para tudo isso... de fato não estava... Venham por favor, vamos nos sentar e enquanto fazemos isso, quero dizer que já vejo uma forte influência de Lotte em ti, Pietra! Adorei a jaqueta, é algo tão novo e refrescante para tua beleza incontestável!

    Lotte se soltava do pai e andava devagarinho na direção do sofá, colocando as mãos no rosto para disfarçar a radiante alegria que ela sentia naquele momento.

    -Ain, é tão fofo esse amor de vocês dois! Tão perfeito!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 11/5/2017, 22:16

    Pietra sorriu com carinho para Friederich quando a lagrima escorreu pela face, o esforço que o cianita tivera durante anos finalmente dava frutos, e os frutos se apresentavam ali na figura das duas neófitas. As palavras de Yalin extasiaram Pietra que a abraçou com força em resposta.

    - Mia ragazza. Não sabes o quanto isso me deixa feliz, nos deixa feliz. Não preciso que meu vitae esteja em você, nossa família é aqueles que escolhemos ter do nosso lado. Me alegra que você considere Lotte como sua sorella, afinal uma vai cuidar da outra.

    Vendo a mordida que Lotte dava em Friederich a cainita riu, beijando a testa de Yalin para então guia-la até o sofá diante do convite de seu amado, Pietra não escondeu o sorriso brincalhão quando suas novas roupas eram mencionadas.

    - Sim estás certo mio amato, eu vinha querendo mudar mas devido aos acontecimentos das noites anteriores não vi o momento ideal para isso. Hoje ele se apresentou então aproveitei o melhor que pude.

    Sentando-se no sofá Pietra viu sua besta correr pela sala escolhendo cuidadosamente quem seria a figura que lhe garantiria caricias e atenção, rindo consigo mesma a cainita sorriu para a pequena reunião que se formava ali.

    “ Bella vai querer ela mesma dar a notícia sobre Albert, mas tenho que avisar sobre Lorenz, afinal ele também faz parte do nosso jardim. “

    Esperando que todos se sentassem a cainita olhou para seu amado ao comentar de maneira suave e feliz.

    - Devo dizer que em nosso jardim também temos uma rosa branca. Eu abracei Lorenz noite passada mio amato.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 12/5/2017, 10:28

    Naquela sala de estar haviam dois sofás de três, postos frente à frente e separados por uma mesa central. Na lateral direita, existiam duas poltronas viradas para a mesa central e intercaladas por um lindo vaso de edelvais brancos. A ordem naturalmente formada para aquela reunião familiar era: Friderich e você, lado a lado, no sofá após as poltronas. Yalin, Lotte e a sua besta que estava agarrada a exótica jovem Ventrue, no sofá oposto.

    Yalin ainda sorria do jeito único dela, aliás olhar para aquela face era ver uma verdadeira obra de arte contemporânea, haviam tantas etnias juntas, tantos traços e peculiaridades. Mas felizmente ela parecia ter compreendido o básico do seu italiano e do modo feliz ela respondia:

    -Fico feliz em tê-la conhecido finalmente, Pietra, mas também sei que existe a figura de Evangeline e estou ansiosa para vê-la, entretanto, meu papah disse que eu não estou pronta para sair.

    Friederich prontamente adicionava informações a fala da filha.

    -Estas ainda a compreender a totalidade de seus poderes, herdastes o meu vitae e ele carrega consigo uma força não mais comum para as noites atuais. Tu compartilhas do mesmo degrau sanguíneo que Pietra e vários outros anciões, infelizmente querida, seria arriscado para os outros, principalmente para os tão jovens quanto você.

    Lotte se surpreendia quando ouvia sobre os patamares sanguíneos, tomando um tempo para fazer uma breve matemática mental, a rosa negra concluía impressionada:

    -Pai, o Senhor então está a seis passos de Caim?! Só isso? UAU!

    Yalin também se surpreendia bastante com aquilo e com um sorriso tímido a neófita do clã dos patrícios cruzavas as pernas enquanto o próprio Friederich respondia bem calmo.

    -Sim, você está certíssima minha filha. O meu vitae é de fato forte, mas esse fator é uma lâmina de dois gumes, me faz forte e ao mesmo tempo dificulta minha interação com humanos ou cainitas muito distantes de Caim. É uma pequena herança problemática que compartilho com meus irmãos... Aliás...

    Friederich olhava para ti agora e tocava com carinho a sua perna na altura do joelho.

    -Sei que a próxima noite será teu baile, descobri por ter entrado em contato com meu irmão mais velho e o mesmo afirmou que será acompanhante de Elsa. Assim sendo, gostaria de perguntar a ti se na noite seguinte ao baile, você participaria de um jantar com meus irmãos.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 12/5/2017, 11:01

    Sentada ao lado de Friederich a cainita observou com interesse aquela composição na pequena reunião que havia se formado, um sorriso alegre e amoroso teimava em continuar nos lábios de Pietra.

    A besta tomou lugar nos pés de Yalin repousando sua cabeça nos joelhos da jovem, feliz por estar ali a besta simplesmente admirava a filha de Friederich protegendo-a de qualquer coisa que pudesse se aproximar.

    “ Ela é linda, todos os nossos filhos são lindos!”

    Concordando com um pequeno movimento de cabeça a cainita sorriu com as palavras de Friederich sobre a potência sanguínea de Yalin.

    - Apenas nos primeiros dias isso será um problema, até mesmo porque Eva está a nove passos de Caim, e dentre nós apenas Friederich ficaria imune ao seu poder, apesar da minha idade eu poderia ser afetada por seus poderes. Tenha um pouco de paciência e logo terás o controle de sua força, até lá é mais seguro permanecer perto de Friederich.

    Sentindo o toque em sua perna, Pietra virou o rosto sorrindo para o Ventrue ao seu lado, colocando a mão sobre de Friederich para aperta-la com carinho.

    - Eu não tive tempo de comentar sobre o baile, mas sim irei com você. Afinal preciso agradecer ao seu irmão por ter me proporcionado o encontro com Violleta.

    Ainda sorrindo para seu amado Pietra tomou a mão do mesmo beijando-a com carinho, seus olhos castanhos simplesmente não escondiam o amor que sentia por Friederich, não havia a necessidade de faze-lo ali, não quando estavam entre sua própria família.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 12/5/2017, 16:06

    Yalin olhou para as próprias mãos, bastante surpresa com todas aquelas informações. Lotte logo agia para quebrar aquela tensão na irmã, sentando-se de lado no sofá, apoiando as costas no braço e jogando as pernas para cima das que Yalin, assustando a jovem que não esperava aquilo. Mas logo as duas trocavam um sorriso divertido e Lotte dizia.

    -Não se assuste consigo mesma irmã, nossos pais são criaturas fortes e lendárias não é de se estranhar que também sejamos! Devemos é honrar e nos orgulhar da força que eles deixaram para nós!

    Yalin concordava positivamente com a cabeça, falando com seu desajeitado alemão.

    -Tens razão sestra.

    Friederich olhava orgulhoso paras as jovens e posteriormente levava os olhos na sua direção, tomando a liberdade de beijar-lhe a face com carinho. Ali você teve certeza que ele estava diferente, era interessante ver como a personalidade real daquele homem era muito mais familiar e acolhedora.

    -Perfeito! Não poderia ficar mais feliz, minhas filhas falam de orgulho de minha herança e poderei apresentar meu amor a meus irmãos. Mal posso esperar para ver a reação de Katarina! Aliás ficastes sabendo que ela é agora Rainha de Berlim? Curioso não é, um irmão liderando a Camarilla e outro o Sabá...

    Yalin então olhava para Friederich e perguntava.

    -Papah, podemos ir também no jantar? Afinal, somos sua família também não é?!

    Friderich olhou para a própria prole e pensou brevemente. Para então olhar na sua direção e perguntar:

    -O que achas de uma enorme reunião familiar, Pietra?! A minha família inteiramente reunida após a queda daquele troglodita, uma bela forma de começar essas novas noites prósperas em Berlim, não achas?!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 12/5/2017, 16:43

    Um sorriso gentil se formou no rosto de Pietra quando Lotte simplesmente se sentou no colo de Yalin, a forma como as duas neófitas interagiam deixava a cainita feliz, a besta se aproveitou da situação para subir no colo de Lotte e reclamar seu espaço em meio àquela pequena bagunça.

    “ Lorenz e Yalin provavelmente se darão bem, ele com toda a certeza vai querer fazer algum vestido para ela.”

    O beijo em sua face fez Pietra corar sem notar, rindo com isso a cainita ouviu atentamente as palavras de Friederich sobre quem governava a Torre de Marfim de Berlim, a nova personalidade mais acolhedora de seu amado agradou em muito a italiana.

    Tomando a liberdade Pietra puxou o braço de Friederich para que servisse de apoio deitando sua cabeça no ombro do homem com um sorriso imenso no rosto.

    - Ela merece, por tudo que passou. Ela será uma excelente rainha, mio amato.

    Segurando a mão de seu amado Pietra riu com a proposta de levar seus filhos ao jantar, ponderando sobre a questão a cainita concordou com um sorriso suave no rosto.

    - Acho uma ideia magnifica, até lá Lorenz já deve estar mais controlado com seu fascínio. Sejamos sinceros mio amato, Katarina é simplesmente linda, ela com toda a certeza faria com que Lorenz entrasse em fascínio, isso me deixaria com ciúmes!

    Comentava a cainita de forma divertida enquanto se aninhava ainda mais no peito de Friederich.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 12/5/2017, 17:58

    -Fico feliz que tenha aprovado querida, agora que tens finalmente Lorenz ao teu lado seria amável vê-lo poder interagir com Katarina, ela está a enfrentar um desafio de modernizar o vestuário e ninguém melhor que Lorenz para ajudá-la não é mesmo?!

    Dizia inicialmente Friderich de maneira bem calma, enquanto isso as duas neófitas apenas observavam as ações de vocês, Lotte estava profundamente admirada e contente. Já Yalin parecia curiosa, analisando cada expressão e ação. Em seguida, o homem passa o braço por trás de ti e sobe a mão até seus cabelos, parando a mão na sua nuca e fazendo ali um carinho sutil. Na realidade ele conduzia a sua face, tirando-a do próprio peito e deixando-a próxima da face dele. Ali, olhando nos seus olhos ele diz:

    -A minha irmã é belíssima, talvez a loira mais linda que já nasceu nesse mundo. É uma beleza que não mais existe, mas é uma beleza triste e solitária... Não sinta ciumes dela querida, porque você além de ser a mais bela de todas, a única que eu sonhei em ter e detentora de meu coração. Está circundada de filhos e filhas, amigos e parentes. Espero sinceramente que exista uma possibilidade de convívio entre ti e minha irmã, porque ela conheceu apenas o pior que esse mundo oferece... E saiba que ela está ansiosa por te conhecer, afinal eu não consigo parar de falar de ti quando estou com ela.

    Lotte levava as mãos no rosto e soltando um barulho abafado e fino, ela adorava muito ver e ouvir aquela declaração. Já Yalin estava com os olhos brilhando, admirando aquele amor tão sincero e direto.

    Artur era uma figura necessária para um período extremamente conturbado e perigoso, dentro do caos ele conseguiu estruturar um refúgio, erguer muros fortes e gerenciar tudo para que você pudesse ter um lar depois de tanto sofrer. Mas Friderich era diferente, tudo de Artur ainda estava ali, entretanto, havia algo a mais, havia ali o sopro de vida e singularidade que sempre faltou na personalidade centrada e focada de Artur. Se você já o amava antes, agora seria impossível não amá-lo ainda mais.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 12/5/2017, 20:26

    As primeiras palavras de Friederich agradaram profundamente Pietra, sentindo a carícia e o carinho de seu amado a cainita deixou-se ser guiada pelo mesmo. Quando seus olhos castanhos encontraram os olhos castanhos de Friederich, Pietra sorriu ouvindo atentamente cada palavra daquela declaração.

    "Existe uma centelha nova em Friederich... Tudo está igual a Artur, mas tem um sopro de vida novo nele, um sopro de amor..."

    Tomando a face de Friederich com suas mãos, Pietra o beijou na testa com carinho e amor,  colocando testa com testa a cainita sorriu com carinho.

    - Mio amore. Eu ajudarei Katarina com tudo que ela quiser, afinal ela é sua irmã, é alguém precioso para você então é para mim também... Se meu filho entrar em fascínio é porque estará dizendo a verdade sobre ela... Katarina é magnífica, nada mais justo que a recebamos de braços abertos não?

    Beijando com leveza os lábios de Friederich a cainita o abraçou com força, sabendo que suas filhas não perdiam nenhum movimento.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 13/5/2017, 16:02

    Friederich concordava com o que você dizia sem precisar falar nada, apenas fechando os olhos para sentir o toque dos seus lábios e em seguida abraçando-a com força. Ali ele sussurrava em seu ouvido.

    -Eu a amo tanto Pietra Rafaldini... Mas tenho que confessar que adoraria vê-la com ciumes, seria engraçado e inesperado.

    Aquele confessar doce terminava em um tom divertido e informal, até mesmo suavemente debochado! Friederich tinha senso de humor e isso era um tempero especial. Após a fala, o mesmo afrouxava o abraço para conseguir beijar a sua face algumas vezes enquanto sorria, adorando o simples fato de poder beijá-la.

    -Vocês querem que agente...saía?!

    Perguntava a Lotte com um tom malicioso e sarcástico, Yalin prontamente escondia a face com as duas mãos em uma reação envergonhada. Friederich então olhava na direção das filhas e brincando, fazia um sinal com a mão esquerda, abanando o ar em uma simulação de dispensa. Lotte caia na risada e Yalin se encolhia mais na própria vergonha que sentia das ações impulsivas da irmã.

    -Posso perguntar uma coisinha? A Eva encaixa como na relação de vocês?!

    Com aquela ousada pergunta, que foi por muitos anos um enorme desafio para Friederich, Lotte puxava a atenção da sala inteira sem nem saber a profundidade da situação. Yalin por outro lado parecia ter uma percepção empática bem mais afiada, e suavemente ela acrescentava.

    -Acho que a minha sestra quis perguntar é se vocês são um triunvirato amoroso, ou seja, nós teriamos um papah e duas mamah. Certo sestra?!

    Lotte prontamente concordava balançando a cabeça com veemência.

    -Exatamente! Isso mesmo Yalin, isso ai!

    Friederich desviava os olhos das filhas para buscar os seus, esticando uma das mãos para apertar uma das suas e com calma ele simulava uma respiração profunda, que infelizmente não ocorria, mas era uma demonstração de que o assunto era um pouco mais complexo.

    -Bom, cedo ou tarde isso iria ocorrer. Acho que aqui cabe uma explicação um pouco mais longa, saibam minhas filhas que eu conheci Pietra em Madrid, na noite de 27 de Setembro de 1911, na catedral de La Almudena. Ali eu soube que seria ela o amor de minha vida... Mas descobri com o passar das noites em Madrid que o coração do meu amor pertencia à outra, ele pertencia a Evangeline por já muitos anos. Entretanto eu não desisti, nem por um único segundo... Não sei dizer exatamente quando foi, mas o convívio rotineiro me fez entender que para tê-la eu deveria também amar Evangeline. Em 13 de Outubro de 1957 eu tive a certeza de que eu finalmente havia conseguido, eu amava Evangeline... Todavia durante todo esse processo, minha mente funcionava de outra forma e eu atendia por outro nome, afinal era um fugitivo. Enfim, digo a vocês que pelo menos ao meu ver, possuo duas futuras esposas. E não poderia ser mais feliz!

    Lotte abraçava o próprio corpo emocionada com aquela história breve e resumida, mas profundamente real. Mas Yalin parecia ter notado algo no final da frase que a fazia arregalar os enormes olhos e imediatamente olhar na sua direção.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 13/5/2017, 18:01

    O sussurro em seu ouvido fez Pietra rir, parte do riso era a mais pura alegria por ser amada, outra parte pelo senso de humor inesperado de Friederich. Os beijos de seu amado foram retribuídos com carinho, Pietra simplesmente não conseguia resistir aquela demonstração de carinho.

    " Mais vivo e único do que jamais esperei! Mio amore, não mude nunca mais, estas simplesmente perfeito. "

    Escondendo o rosto envergonhado no peito de Friederich diante da brincadeira de Lotte, Pietra respirou fundo para se recompor, a pergunta feita por sua roda negra trazia um assunto complexo a tona, mas a resposta deveria ser dada.

    Segurando com carinho a mão de Friederich, a italiana estudou suas reações, o puxar de ar inexistente e o modo de contar suas impressões davam a Pietra um novo panorama a ser descoberto.

    No final a besta levantou a cabeça atônito, um sorriso maroto se formava em seu rosto enquanto Pietra estudava a reação de Yalin, a besta se debateu tentando sair do meio das duas neófitas, Pietra por sua vez se agarrava ao pescoço de Friederich beijando-o por toda a face em uma pura demonstração de felicidade.

    - Isso é um pedido Friederich?! Porque se for a resposta é Sim! Mas vai ter que pedir Eva também!

    Pietra riu ao ver sua besta se atirar no colo de seu amado e beijar-lhe os lábios de maneira eufórica.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 13/5/2017, 22:37

    Yalin tinha uma reação similar a da sua besta, saltando do sofá junto com a mesma e eufórica. Ela olhava em volta sem saber como exatamente comemorar aquela cena, enquanto Yalin sorria em meio aquela eufórica felicidade. Lotte reagia escondendo a face com as mãos e ficando em silêncio, claramente respirando pela primeira vez des de que vocês haviam se conhecido.

    Friederich fechava os olhos e parecia sentir o peso da sua besta no colo, chegando até a segurar ela como uma reação instintiva e bem curta. E com um lindo e largo sorriso, o seu amado falava:

    -Acho que cometi um pequeno deslize!

    Ele ria um pouco constrangido e dizia logo em seguida:

    -Era algo que eu pretendia fazer no jantar, desculpe pela falta de romantismo. Mas você já disse sim e eu agora não sei exatamente como ou o que fazer! A resposta é sim também é um pedido totalmente atrapalhado mas é! E saiba que Eva também receberá, afinal sem ela nem eu nem você seremos completos, não é mesmo?!

    Yalin perguntava curiosa e animada:

    -Como funciona agora? Cada um recebe uma aliança diferente? São três iguais? Eu posso cuidar dos preparativos? A festa do casório poderia ser em Praga! Seria fantástica!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 14/5/2017, 01:50

    Pietra não conseguiu conter os risos diante das reações de todos, aninhando-se no peito de Friederich com carinho,  passando o braço por de trás das costas Pietra o abraçou com força.

    " Eu nunca esperaria por isso! Mio amore, sempre me surpreendendo"

    Dando um leve beijo na face de seu amado Pietra riu ao comentar de maneira categórica.

    - Friederich, eu serei a mulher mais feliz do mundo quando você me pedir formalmente. Sei que é o que você quer mio Amato.

    Apertando de leve o nariz do mesmo a cainita se levantou para abraçar Yalin e beijar-lhe as testa em um abraço.

    - Eu não sei sobre as alianças, mas eu adoraria que você cuidasse disso com Lorenz!

    Voltando a beijar Yalin na testa a cainita andou até Lotte, colocando a mão no ombro de sua filha Pietra esperou pela jovem.

    - Tudo bem mia amata?
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 14/5/2017, 14:24

    Friederich retribuí o abraço com bastante carinho, mantendo-a ali por alguns instantes e soltando-a apenas quando o seu beijo na face dele acontecia. Assim ele ouvia a sua fala e respondia com uma expressão aliviada:

    -Obrigado querida, por me permitir refazer esse pedido de uma forma mais apropriada... um pouco de romantismo caí bem nessas situações, mais saiba que não irei demorar para fazê-lo.

    Permanecendo no sofá, Friederich observava as suas outras ações, enquanto levava o indicador para tocar no próprio nariz, exatamente onde você tinha tocado anteriormente. Ele estava extremamente feliz!

    Yalin sorria ao receber o beijo e prontamente se encolhia dentro do seu abraço. Concordando com a sua fala sobre Lorenz sem verbalizar nada,mas indicando que havia concordado com um sinal positivo de cabeça.

    Enfim, você chegava até Lotte. Essa tremia quando a sua mão quente encostava no ombro gelado dela, esfregando as mãos na face, Lotte começava a falar de maneira abafada e chorosa:

    -Desculpe eu não queria atrapalhar o momento especial de vocês... é que eu nunca...

    Lotte tirava as mãos da face e levantava o rosto, os lábios dela tremiam levemente e os olhos estava totalmente vermelhos, a jovem fazia uma enorme força para não cair em um choro descontrolado. Mantendo-se firme, ela prosseguia a fala:

    -Hoje eu acordei apavorada, meu coração não batia. Eu não mais respirava! Fiquei apavorada, com medo de tudo ter sido um sonho cruel e eu estivesse morta... Em vida eu nunca tive pais, minha mãe morreu de overdose quando eu tinha dez anos e meu pai eu nunca vi... O conceito de família sempre me foi inexistente! E hoje eu acordei morta, minha insegurança só acabou quando você entrou por aquela porta! E agora eu vejo um pai e uma mãe, irmãos e irmãs, eu sinto que vocês me amam e eu tenho medo de não saber corresponder... Mas... estou tão feliz, tão feliz!

    As palavras de Lotte arrancavam o sorriso de Friederich, com seriedade o homem observava a situação, olhando na sua direção enquanto se levantava do sofá com cuidado. Yalin prontamente se sentava ao lado da irmã e tocava com carinho a perna da mesma.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 14/5/2017, 15:52

    O abraço retribuído fez a cainita se sentir segura e amada, era algo que de certa forma faltava na figura de Artur, mas transbordava em Friederich fazendo com que a cainita o amasse ainda mais.

    Sorrindo para as palavras de agradecimento, Pietra ainda aumentou o sorriso quando Friederich tocou sobre no mesmo lugar em que a cainita havia apertado. Enquanto abraçava Yalin, a besta da italiana se deitou no colo de Friederich aproveitando para apertar o nariz do patrício novamente.

    Segurando Yalin com carinho Pietra sorriu com ternura para a exótica e bela filha que tinha, um sorriso carregado de companheirismo e respeito pela jovem que havia conquistado seu lugar ao lado de Friederich.

    “ A primeira prole de mio amato. Ela nos deixará tão orgulhosos, será tão forte.”

    Foi Lotte que surpreendeu Pietra, o toque frio de sua filha de encontro a sua mão quente e as lagrimas contidas pela jovem fizeram a cainita se ajoelhar a frente da mesma, um sorriso foi dado para Yalin que se colocava ao lado de sua irma.

    - Mia amata rosa.

    Sussurou Pietra ao segurar a face de sua filha beijando-a na testa.

    - Você não estragou nada mia amata. Todos nós sentimos medo, ele serve para nos deixar fortes, até mesmo nosso passado triste serve para isso. Olhe, agora tens um pai e duas mães, uma irmã e um irmão que lhe amaram e cuidaram de você. Agora eu sei que se um dia adormecer, Bella não estará sozinha, porque vocês estarão com ela. És a criança que por muito tempo eu esperei, deixe que eu seja a mãe que você esperou ter mia ragazza.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 14/5/2017, 20:09

    Lotte buscou os seus olhos, mas não eram eles que ela olhava. As pupilas da sua rosa negra se dilatavam enquanto as lágrimas escorriam pelos cantos dos olhos, dessa forma a jovem buscava a sua aura sem sequer saber que estava a fazer isso. A presença dela crescia da mesma forma que havia feito no interior do clube, todavia, nessa sala era ela a mais fraca e isso era surpreendente! A força do vitae se fazia presente mais uma vez, deixando o ar rarefeito e condicionando todos os olhares para ela.

    Yalin sentia aquela força mas permanecia tranquila diante da mesma, com olhos empáticos e a fazer um carinho sutil no joelho da própria irmã. Mostrando-se presente ali mesmo naquele turbilhão de emoções que devoravam o interior da sua rosa negra. Friederich por outro lado, nem sequer demonstrava sentir qualquer diferença. Colocando as mãos nos bolos ele dava inicio a uma lenta caminhada até vocês duas.

    Você também não era diminuída pela presença de sua prole, na realidade, ali você entendia o quão poderosa era a relação Senhor e Prole, afinal, nada que ela pudesse fazer, nem em seu ápice de descontrole, seria capaz de desestabilizar a sua força. Todavia, não era essa a relação entre vocês duas, era uma relação horizontal e familiar.

    -Eu tenho tanto medo de não ser o suficiente, tanto medo de nunca ser um terço do que Lorenz é! E não digo isso por inveja, digo porque sei que ela é grandioso. Eu vejo na face de todos o quão esperado ele era, terei que lutar muito para chegar onde ele já esta e sinto um pavor enorme de jamais conseguir. Pietra, eu sonhei todos os meus dias nessa terra em ter uma mãe! TODOS!

    Ela terminava a primeira fala com um grito poderoso, as lágrimas aumentavam e ela seguia aquele desabafo.

    -Me desculpem pelos berros...eu não... é o que eu mais quero, ser tua filha. Estar a altura do teu nome, quero que todos olhem para mim e vejam que sou a Rosa de Pietra Rafaldini. Independente da cor, isso pra mim não importa! Quero que olhem para mim e entendam porque Friederich me escolheu! E nesse momento eu entrei em pânico, porque agora é oficial, não há voltas! Vocês vão se casar e eu terei uma família completa, uma família enorme... Poderosa e...

    A mão de Friederich tocava o ombro de Lotte e a mesma imediatamente fazia um silêncio. Com uma enorme delicadeza, seu amado indicava apenas com os olhos para você que era o momento de se colocar de pé. Aguardando que você o fizesse e trouxesse contigo a filha de vocês, Friederich tomou a mão de Lotte e a sua, para então caminhar em direção a mais próxima janela.

    Diante da janela, Friederich soltava a sua mão para abrir o vidro e deixar o vento frio da noite de Berlim entrar.

    -Uma vez, quando eu ainda era um neófito como você é hoje. Meu irmão adentrou meu quarto, eu havia levado outra surra de nosso Senhor por desacato... Enfurecido eu destruia tudo dentro do quarto, inclusive os serviçais e as paredes. Ali, meu irmão segurou meu punho e me levou diante a janela do quarto, abrindo-a, ele disse: Nunca se esqueça, somos criaturas amaldiçoadas. Cada pequena ação que nós tomamos pode ecoar por quilômetros de distância. Nosso sangue é forte, muitos serão apenas flocos de neve em nosso caminho. Entretanto, poucos serão nossos refúgios em meio a essa maldita tempestade invernal. Feche os olhos agora e sinta esse frio, esse é o mundo e a realidade que nos cerca. Agora, entenda esse calor. Eu sempre serei o teu refúgio... Sua solidão acabou.

    Friederich tomava a liberdade de também tomar a sua mão, e usando o poderoso vitae dele, o corpo inteiro do homem se esquentava a um ponto febril. Lotte parava de chorar, apertando com força a mão do pai dela, a jovem se acalmava a olhar pela janela. Ela então passava a frente de vocês dois, sentando-se na janela para esticar a outra mão e segurar a sua. Abrindo um lindo sorriso e com a face suja de sangue, Lotte dizia:

    -Esse é o dia mais feliz da minha vida.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 15/5/2017, 11:53

    A força de sua rosa negra se fez presente novamente, Pietra sentiu apesar de não ser afetada mesmo assim sorriu com carinho, os olhos negros de Lotte buscavam a aura de sua mãe, sem que a jovem se desse conta disso, a besta queria tirar suas próprias certezas, certezas das quais Pietra já tinha.

    “ Mia bella ragazza, o tempo é prova do quanto eu te esperei...”

    Deixando que Lotte esvaziasse suas duvidas, Pietra limpou com carinho as lagrimas da face de sua filha, até mesmo a besta da italiana se sentava ao lado da rosa demonstrando o amor que sentia. Diante do toque de Friederich a cainita o olhou curiosa, acenando de forma positiva Pietra se levantou trazendo consigo Lotte, depositando um singelo beijo na testa da jovem.

    Guiadas até a janela Pietra sorriu com carinho, era Friederich que guiava as duas, era Friederich que acalmava todos os temores de Lotte, a besta segurou de leve a mão de sua cainita apoiando a cabeça em seu ombro, simplesmente deslubrando o modo como seu amado assumia o papel de pai e protetor.

    Lagrimas escorreram pela face de Pietra quando o calor de Friederich foi sentido, em contrate ao vento frio da janela, a cainita compreendeu que aquelas palavras tambem eram dirigidas para ela. Beijando a face de Friedeich, Pietra sussurrou de leve em seu ouvido.

    - Sempre serás mio rifugio... Eu sempre serei o seu...

    Voltando-se para Lotte a cainita abraçou sua filha beijando-a com carinho para só então morder de leve o queixo da jovem, rindo com isso Pietra a apertou.

    - Lorenz era minha rosa branca sempre desejada... Mas tu és minha rosa negra, sempre desejei ter uma rosa negra, uma rosa da qual ninguém contestaria seus feitos e força... Veja só agora eu tenho a mais bela rosa negra que já pisou em Berlim, aquela que irá conquistar o mundo... Eu te amo mia ragazza, nunca se esqueça disso.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 15/5/2017, 17:26

    Em italiano, o seu querido Friederich dizia baixinho no seu ouvido, uma resposta curtíssima:

    -Eu a amo tanto, minha querida Pietra...

    Você então puxava Lotte para um abraço que era prontamente correspondido e assim que a sua mordida tocava o queixo da mesma, ela soltava aquele típico som adorável que fazia Friederich sorrir. A sua filha se acomodava dentro do teu abraço e ficava ali até ficar totalmente estável mais uma vez. Em silêncio ela fazia um suave carinho nas suas costas e enquanto isso acontecia, Friderich retornava ao sofá, agora sentando-se ao lado de Yalin.

    -Obrigada Mãe... eu também te amo muito viu! Mas acho que já to bem, pode me soltar já...

    Ela brincava, arrancando risadas de Yalin. Era um sinal que estava tudo calmo mais uma vez naquele furação chamado Lotte.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 15/5/2017, 18:21

    A resposta de Friederich causou uma onda de calor na cainita, está sorriu para seu amado enquanto abraçava sua filha com carinho e cuidado, o pequeno e adorável som que Lotte fazia ao ser mordida apenas causou um aperto mais carinhoso vindo de Pietra.

    Ali com a cabeça enterrada nos cabelos negros de sua rosa, a italiana deixou-se ficar pelo tempo que fosse necessário, o perfume de Lotte era sentido e guardado, com o tempo a besta ansiaria pela presença de sua filha ao simples cheiro daquele perfume.

    Quando os tapinhas foram sentidos em suas costas e a voz de sua filha soou abafada Pietra riu, dando um ultimo aperto em sua criança a cainita finalmente a soltou para olhar com orgulho. A pequena tempestade do descontrole havia sumido e já não havia perigo imediato.

    - Sabes bem que quando precisares nós dois estaremos te esperando de braços abertos.

    Indo até Friederich a cainita abraçou o braço de seu amado com carinho, uma parte sua desejava permanecer ali a noite toda, a outra insistia em que as tarefas propostas deveriam ser cumpridas.

    “ Espero que fique tudo bem... Meu irmão e eu precisamos disso.”

    Beijando a face de Friederich, Pietra sorriu ao comentar de forma suave.

    - Eu preciso ir mio amato, ainda tenho afazeres e não posso deixa-los de lado.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 15/5/2017, 22:38

    Lotte ria baixinho quando saia do seu abraço e esfregando um pouco a fase, a sua rosa negra se virava para voltar a sentar na janela, dessa vez ela jogava os pés para o lado de fora e ficava de costas para o interior da sala. Segurando as mãos e fechando os olhos, ela ficava ali aproveitando aquele começo de neve que caia do negro céu alemão.

    Friederich prontamente se levantava e sem dizer absolutamente nada, pegava a tua mão e entrelaçava seus braços. Para acompanhá-la até a saída. Yalin então se colocava na frente de vocês e despedindo-se com um beijo carinhoso na sua face, ela dizia:

    -Até mais ver mamah!

    Lotte ouvia as despedidas e falava alto, por estar quase que do outro lado da sala.

    -Mãe se precisar de carona liga que eu vou te buscar eim! Vou ficar mais tempo aqui tá bem?!

    Friederich então dava tempo para todos ali se despedirem de ti, para finalmente acompanhá-la até a saída daquela mansão. Abrindo a porta para ti e verificando que vocês estavam a sós, Friderich lhe beijava de maneira amorosa e dizia sorridente logo após:

    -Estás preocupada querida, mas entendo que se não pedistes minha ajuda é porque tens que fazê-lo sozinha. Não sei o que é, todavia não te esqueças que Berlim é a tua casa. Nos vemos amanhã? Queres que eu peça para um motorista levá-la até teu destino?!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 15/5/2017, 23:26

    O sorriso de Pietra era gentil e carinhoso, vendo que Lotte se recompunha por completo sentando na janela, a primeira neve de Berlim fez com a besta colocasse a cabeça pela janela admirada.

    " Mais uma estação chega a Berlim. Desta vez o inverno não será tão frio, não mesmo!"

    Deixando que Friederich a guiase Pietra se despediu de Lotte com um pequeno aceno e de Yalin com um abraço carinhoso e um beijo na testa da jovem. O silêncio que seguiu os cainitas até a porta de entrada foi bem recebido e por Pietra, a cainita sempre amará o silêncio que Friederich trazia consigo.

    O beijo amoroso arrancou um pequeno riso cristalino, as palavras preocupados de Friederich apenas fizeram com que o riso se transforma em um sorriso carinhoso. Passando a mão sobre os cabelos de seu amado Pietra beijou sua face ao respondê-lo.

    - Eu estou bem, algum menino me deu um cargo com tarefas e eu tenho que deixá-las em dia. Eu pediria sua ajuda se fosse necessário mio amato, mas preciso estar só.

    Beijando os lábios de Friederich, Pietra riu com amor.

    - Berlim é a casa que escolhi, é aqui que minhas raízes estão presas agora, onde nosso jardim floresceu. Nunca esquecerei disso. E sim depois do baile pretendo passar o resto da noite em seus braços.

    Mordendo de leve o nariz de seu amado, Pietra correu para fora rodopiando para encarar Friederich com um sorriso maroto no rosto.

    - Eu sou uma menina crescida. Posso chegar onde quero sozinha, não se preocupe.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 16/5/2017, 00:26

    Friederich nunca era pego de surpresa, isso era um fato. Mas felizmente todas as verdades possuem suas exceções e nada era tão absoluto assim, pois seus olhos encontravam a figura boquiaberta e sem reação de Friederich. Estonteado com tudo que você fazia, com aquele beijo e a promessa de passar a noite com ele, somadas aquela doce mordida e os carinhos, aprisionavam os pés do homem no chão e ele apenas levava a mão até os lábios.

    Com um sorriso bobo na face, ele admirava ali a mais bela mulher correr e rodopiar, concordando positivamente sobre a sua capacidade de cuidar de si mesma, o seu amado disse apenas um simples:

    -Espero por ti! Até breve meu amor!




    E lá do lado de fora da propriedade de Friderich, ou melhor dizendo, a sua futura morada já que o pedido de casório não tardaria a chegar. Você era recebia pelo frio e pela neve fina de Berlim, ao seu lado mais a frente estava a moto de sua filha. Mas sozinha ali restava a ti pedir por um taxi.

    O mesmo demorava um pouco, mas enfim chegava. O motorista era um rapaz jovem imigrante com traços turcos, o alemão dele chegava a te lembrar do alemão pronunciado por Arda. Gentilmente ele destravava as portas e perguntava o destino. E assim vocês já estavam a se deslocar por Berlim.

    A noite na cidade era belíssima, mas nada se comparava à uma noite de neve em Berlim. As largas ruas intercaladas por corredores verdes charmosos, o verde agora intercalava com aquele suave branco, os carros percorriam ruas e contornavam praças, vários prédios históricos e profundas mudanças já eram vistas por ti. Afinal, não havia mais uma limitação ou uma separação entre Ocidente e Oriente, Berlim era uma e iria prosperar. Finalmente o taxi estacionava em frente ao Instituto Kunst-Werke  de Arte Contemporânea.

    Instituto KW de Arte:

    No seu celular, eram marcadas exatas meia noite e treze minutos. A madrugada começava quando você botava seus pés para fora do veículo após pagar o mesmo. Restava a você agora a ação de atravessar a rua e direcionar-se ao pequeno e charmoso hostel do outro lado da rua. Que por uma ironia do destino, recebia o nome de "O Coração de Ouro". Sua futura vassala havia lhe informado que seu irmão estava hospedado no terceiro andar, mais precisamente no 304. E atendia agora pelo nome falso de Marcus.

    O coração dourado de Berlim:
    avatar
    Jess

    Mensagens : 1172
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 25
    Localização : Neverwere

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Jess em 16/5/2017, 10:38

    A surpresa de Friederich apenas aumentou o riso de Pietra, era raro ver aquele cainita sem ação, e quando acontecia Pietra considerava um pequeno premio. Despedindo-se com um beijo soprado, a italiana andou até a entrada do refugio de Friederich.

    Parada em frente do portão, os olhos castanhos da italiana admiravam aquela construção, logo aquele castelo o refugio de seu amado seria sua morada, rindo com isso Pietra esperou pelo primeiro taxi que ali passasse.

    “ Ficará tudo bem, não é como se eu pudesse evitar isso. “

    A besta que seguia sua cainita deitou a cabeça sobre o colo de Pietra, com os olhos voltados para a janela a italiana brincou com os cabelos de sua besta enquanto a neve caia do lado de fora, a nova Berlim que se apresentava era estrondeante e viva, o branco que aos poucos cobria o verde e as cores simplesmente encantavam a italiana que suspirou alto em resposta.

    “ Está chovendo, a chuva mais silenciosa que existe, mesmo assim chove.”

    Quando o taxi chegou ao seu destino, Pietra desceu do veiculo após paga-lo, do outro lado da rua estava seu destino, lá dentro seu irmão e todo um passado deixado para atras em uma fuga sem volta, mesmo assim a cainita permaneceu algum tempo olhando o hotel, o frio fazia Pietra deixar suas mãos protegidas dentro dos bolsos da jaqueta enquanto um sorriso bobo permanecia na face da cainita por ser capaz de ver sua respiração exalar pelo ar.

    “ Coração de Ouro, uma coincidência ou uma brincadeira Masdela? Nós dois sabemos que Elonzo não tinha nenhum coração dourado.”

    Atravessando a rua para fugir do frio, Pietra andou até a recepção com um sorriso suave no rosto, seria ao menos educado se pronunciar, afinal aquele não era seu domínio e a educação mandava que assim fosse feito. Seguida por sua besta esta farejava o ar, andando perto de sua cainita a besta se preparava para se esconder a qualquer instante.

    Se aproximando da recepção a cainita usou seu melhor sotaque italiano para se pronunciar.

    - Buonanotte, eu vim visitar mio amico Marcus. Ele está hospedado no quarto 304.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2172
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Ato X - Narrativa de Pietra: Sommernacht

    Mensagem por Danto em 16/5/2017, 11:21

    Assim que você adentrou a recepção, a sensação climática mudava drasticamente. O frio ficava para trás e o calor artificial era muito bem recebido pelo teu corpo por completo. Aproximando-se da bancada da recepção onde duas moças jovens trabalhavam, uma ao telefone falava em inglês com algum cliente. Enquanto a outra olhava na sua direção e prontamente reagia como se houvesse ali uma preparação para tua chegada.

    -Boa noite senhorita! Marcus deixou avisado que uma grande amiga chegaria, não há necessidades de aguardar autorizações, você tem acesso livre. Tenha uma boa noite, o elevador é logo por ali.

    Assim restou a ti adentrar o corredor apontado pela bela jovem de cabelos dourados e um impecável uniforme. No final do correr haviam três elevadores, dois em com placas de manutenção e apenas o central funcionando. Apertando o botão, voce precisou apenas esperar ele descer do quinto andar até você.

    As portas de aço se abriam e revelavam um interior bem bonito, a musica ambiente era Vivaldi. Havia ali uma especie de decoração só a sua espera, pois pétalas de girassol estavam espalhadas pelos cantos daquele pequeno ambiente e atrás do espelho, havia uma tela.
    Tela com assinatura de Masdela:

    [Ultima ação para o final do ato]

      Data/hora atual: 25/6/2017, 19:19