WoD by Night

Narrativa de Vampiro a Máscara: 20 anos


    Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Compartilhe
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 23/2/2018, 13:29


    Sala de Arte de Nora:
    Local: Berlim, Köpenick Castle.
    Data: 06 de Outubro de 2005.

    Renz havia lhe avisado o quão difícil seria se manter longe daqueles que você aprendera primeiro a chamar de Senhores, para posteriormente conhecê-los por seus nomes e enfim, olhar para ambos como família. Anos de serviços já haviam se passado e apesar das viagens cada vez mais constantes, um dos dois sempre esteve por perto, seja Pita ou Alfie, sempre havia um deles para que seu coração pudesse se sentir tranquilo. Todavia, a urgência chamou pelos dois e a primeira noite só não virou uma verdadeira tortura por causa dos cuidados de Nora.

    A doce jovem de terras distantes e um alemão horrível se revelou uma linda rosa, amorosa e cuidadosa contigo e suas ansiedades. Afinal, a fome inevitável se aproximava sempre com intensidade quando o seu coração se apertava e algo dentro de ti dizia que não seria justo pedir a Eva ou Fredy, apesar de saberes que a resposta seria positiva. Eles faziam parte de sua família, mas a sua essência precisava de uma rosa, isso fazia parte de ti e por sorte ou por amor, havia Nora!

    O seu coração no entanto só conseguiu realmente encontrar paz após a ligação que Evangeline fizera na noite anterior, conectando-a com Pietra. Ali seus sentimentos puderam ser expostos e o amparo recebido foi simplesmente maravilhoso! Todavia, após o termino da ligação, foi preciso uma força realmente divina para segurar a euforia de Evangeline! A mesma botou o castelo de pernas pro ar em busca de Enzo, para enfim ter acesso a agende de Friderich e começar a riscar e reagendar várias coisas. A ti então restava o papel de organizar as passagens para todos e isso custou grande parte da madrugada, se não ela por inteiro. Afinal, era necessário conectar-se com a rede de vassalos da Espada e pedir autorização para o uso das aeronaves da torre. Todo esse trabalho chegava ao fim já no começo da manha e você sequer se lembrava de ter ido dormir! E graças a Deus, havia Enzo que sempre gentil atentava-se a todos e por tanto, você pode acordar em seu quarto e já acordar no final da manhã para cuidar dos afazeres necessários!

    E era exatamente isso que você fazia, até inesperadamente o cansaço lhe alcançar! Cochilando dentro do estúdio de Nora ainda durante o dia você não esperava que a breve fechada de olhos fosse demorar tanto! Logo, um toque gentil no seu ombro a trazia de volta de um cochilo, ainda um pouco sonolenta e com uma suave dor no pescoço por ter dormido por cima dos braços, você ia acordando levemente enquanto ouvia uma fala gentil:

    -Querida! Venha cá, deixe-me cuidar de ti... Eu sei não precisa falar, mas isso não é razão para ficar assim! A Pita puxaria minhas orelhas se soubesse que a amada valete dela está sem lavar os cabelos des de que ela saiu de Praga! Venha, venha. Eu já estou ajudando com tudo, Eva fez questão de mover a cidade inteira e aí de quem não ajudar!

    Era a voz de Hans! O gentil homem tocava seus cabelos com carinho e a convidava com as mãos, oferecendo ajuda para te levantar.

    -Venha, vamos tomar um banho e arrumar as malas. Você também vai!

    Dizia o rapaz com um largo sorriso na face. O mesmo era um grande amigo, talvez o seu melhor amigo e um tutor maravilhoso!

    Johann Hans Vroenik:

    Roupas:
    Roupas de Thesa:


    Última edição por Danto em 23/2/2018, 21:52, editado 1 vez(es)
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 23/2/2018, 15:02

    Palavras não podiam descrever com precisão a dor de me manter por tanto tempo de meus senhores, senhores que haviam passado a significar muito mais do que poderia imaginar nesses últimos anos de serviços, suas presenças constantes agora estavam longe e meu coração se apertava por isso.

    Claro as noites se tornavam suportáveis devido a presença cálida e amorosa de Nora, minha querida amiga havia se transformado em um porto seguro quando Alfonsus e Pietra estavam longe, o destino quis assim, e assim eu esperava.

    A dor havia passado para uma alegria profunda depois do telefonema da noite anterior, porém segurar a alegria e entusiasmo de Eva não era uma tarefa fácil, nem para poucas mãos. Trabalhando com afinco noite a dentro, muito havia sido feito, mas mais tarefas ainda precisavam ser postas em dia, algo que consumia tempo e forças. Não era de se estranhar que cansada havia sido Enzo a me pôr na cama, o sono porem se fazia desnecessário enquanto houvesse coisas a se fazer, algo que enfim fazia com que aquela ânsia diminuísse um pouco, uma ânsia que se prolongava em demasia sem a companhia de meus amados senhores. Não que Evangeline e Friedrich não fossem capazes de sacia-la, mas era preciso de suavidade e seus sangues eram ásperos demais, ainda assim, a doce Nora cuidava de minha alimentação, a doce rosa vermelha e uma delicada amiga.

    Talvez fosse sua presença entranhada, ou seu simples perfume Frutal que me fez adormecer sobre a mesa em seu ateliê, o despertar dolorido e cansativo era feito com ajuda de Hans, meu querido amigo e mentor me ajudava a levantar, quando meu corpo apenas exigia uma boa cama e nada mais.

    – Eu acho que peguei no sono  sem querer.

    Respondia a Hans aceitando seus carinhos, suas delicadas palavras me faziam concordar com o mesmo, Pietra ficaria triste em ver meus cabelos sujos como estavam, mas desde seu chamado a ânsia havia crescido assim como a saudades.

    “Espero que ela possa me perdoar, eu ando tão atarefada.

    Suspirando de leve era com meu melhor sorriso que meus olhos se prendiam em Hans, o amado irmão de minha senhora e mãe.

    – Mal posso esperar para reencontra-la, estou com tantas saudades Hans!
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 23/2/2018, 22:00

    O eternamente jovem Hans sorria de maneira doce quando finalmente você ficava de pé, assim o homem poderia então cuidadosamente tomar a liberdade de ajeitar seus cabelos, removendo-os da frente da sua face para então comentar:

    -Venha, vou levá-la até o seu quarto onde você possa tomar um banho, colocar roupas bem confortáveis e enquanto você faz isso, eu lhe preparo um chá com mel. Tudo bem? E não adianta, hoje eu estou lhe dando uma noite de folga!

    Comentava o rapaz que agora estendia a mão na sua direção em um gentil convite, era de certa forma quase impossível negar um pedido daquele, porém, o seu cansaço praticamente gritava de alegria diante da possibilidade de enfim encontrar um pouco de descanso, especialmente sabendo que esta noite Evangeline estaria frenética.

    -Trouxe uma equipe de vassalos da Corte das Rosas pra cuidar dos assuntos, eu sei, você quer ajuda. Mas acredite, Pita irá amar ver a queridinha dela com um largo sorriso saudável no rosto e eu aposto que você sequer anda se alimentando direito!

    E de fato, outra vez seu amigo estava certíssimo. Seu estomago chegava a protestar diante da ideia de se alimentar, algo que fazia Hans demonstrar uma risadinha leve e divertida. Por fim, ele tomava a sua mão e a encaminhava até o quarto.

    Quarto de Thesa:

    Ao entrar no ambiente que ficava no mesmo prédio que o atelie de Nora, na segunda edificação do castelo, nas alas mais novas e amplas, Hans já ia falando:

    -Certo, antes do banho! Vamos botar algo nessa barriga!

    O jovem então a conduzia até o balcão onde cooktop de duas bocas existia, ali ele colocava um bule para esquentar enquanto buscava por uma frigideira e alguns ovos, sem antes é claro certificar-se de sentá-la no banquinho feito por Nora.

    -Numa escala de um para a besta da Pita, com quanta fome você esta?

    Indaga o rapaz com o tronco parcialmente dentro da geladeira.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 23/2/2018, 23:18

    O sorriso sempre gentil de Hans e seu cuidadoso gesto de tirar meu cabelo de meu rosto me fez sorrir, ainda esfregando os olhos eu deixava que o eterno jovem me guiasse, afinal não adiantava lutar contra Hans, ele poderia facilmente me vencer, mesmo se estivesse em meu melhor estado, o que não era o agora.

    – Eu queria adiantar as coisas para hoje à noite. Tudo bem eu não vou posso discutir com você, mas o chá pode ter um pouquinho de leite também?

    Perguntava ao ouvir sobre a grande equipe que Hans trazia consigo para organizar a viagem, Pietra amaria ver todos bem e saudáveis, algo que, minha amada senhora, sempre havia se preocupado e fazia questão, nos ver saudáveis e bem. O roncar de meu estomago me entregava completamente, dando de ombros eu me limitava a seguir Hans.

    “Acho que Hans não considera sanduiches como uma boa alimentação. Meu estomago também não.” [/i]

    Ver meu quarto fez com que meu corpo inteiro clamasse pelo merecido descanso, mas o preocupado Hans tinha razão, eu estava com fome e não havia como negar isso, sentando-me no banquinho feito por Nora, usava meu braço como apoio para acompanhar os movimentos de meu querido amigo, sua pergunta é claro me fez rir.

    – Acho que estou com 4.

    Respondia apenas para ouvir meu estomago roncar em protesto, algo que logo mudava minha resposta.

    – Ta eu estou com 8, mas não conta para Pita que eu ando me descuidando da alimentação. Não quero ter minhas orelhas puxadas.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 25/2/2018, 13:34

    -Claro que pode!

    Respondia Hans com um grandioso sorriso na face, o pequeno rapaz esticava o braço direito por trás das suas costas para abraçá-la temporariamente e novamente sorrir olhando na sua direção. Assim, com bastante afeto e ternura ele a conduzia até o interior do seu quarto.

    Dentro do ambiente, a interação entre vocês prosseguia e o seu nariz era totalmente tomado pelo cheiro cativante e inebriante da manteiga derretendo sobre a frigideira. Você sabia que o fogo era um inimigo constante dos cainitas, todavia, os mais experientes e mais humanos enfrentavam isso de maneiras diferentes, o próprio Hans ali preparava ovos mexidos sem nenhum desafio. O rapaz chegava a rir quando ouvia a sua fala sobre os puxões de orelhas.

    -Thesa! Assim você me deixa preocupado também sabia? Mas pode confiar, eu não vou contar nada pra minha irmã. Só preciso que você me prometa que irá realmente tirar essa noite de folga, pode ser?

    Aguardando a sua resposta, o jovem se virava para ir novamente até a geladeira para tirar o leite gelado, um pacote de bacon em fatias e ketchup. Para depois ir até o armário e buscar uma bisnaga integral, algo que você imediatamente ligava a Enzo que assava pães deliciosos e frescos toda manhã.

    -Eu estava pensando... Sabe, eu entendo que seja uma questão da Espada e que eu não sou um membro dela. Mas, me diga, querida... Você que conhece tão bem a nossa amada Pita. Ela ficaria muito nervosa se eu me hospedasse na cidade por duas noites e a convidasse para uma voltinha pelas galerias da cidade?

    Perguntava o seu querido amigo e mentor, que ali preparava para ti um delicioso desjejum. O mesmo fazia uma curta pausa e questionava:

    -Quer tomates?! Posso cortá-los! E queijo? Ou já tá bom?!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 25/2/2018, 14:36

    Era com um sorriso alegre que eu deixava Hans me guiar, seu abraço atencioso me fazia suspirar, afinal sua atenção e carinho sempre me fizeram bem e saber que ele colocaria um pouco de leito no chá era uma pequena alegria.

    Sentada a mesa eu observava com interesse a interação de Hans com o fogo, um inimigo natural dos cainitas o jovem rosa lidava muito bem com ele, algo que me surpreendia e despertava minha curiosidade, afinal os mais humanos como Hans, Pietra e Alfonsus lidavam bem com esse medo, mas e os mais selvagens?

    “Como deve ser sentir isso? O fogo pode nos machucar, mas para um humano é tão banal.”

    Me encolhendo diante das palavras de Hans, minha cabeça concordava com o mesmo, por mais que eu não quisesse admitir ele estava certo, além do mais meu corpo pedia por um bom descanso.

    – Tudo bem, só me desculpe por isso. Eu prometo que vou descansar, só preciso da companhia do Sir Lancelot, ele deve estar bem agitado com esse movimento todo.

    Tomando o cuidado de amarrar meus cabelos eu sorria diante do preparo de Hans, o cheiro que aos poucos me invadia as narinas acalmavam meu corpo e principalmente meu estomago.

    – Sabe, eu acho que ela ficaria triste se você não fizesse isso. Ela te ama Hans, e sempre irá encontrar um tempo para lhe fazer companhia. Além do mais, você é o irmão dela, acho que ninguém se colocaria contra, mesmo ela estando a tratar com assuntos da Espada.

    Respondia meu querido amigo para logo depois recusar o queijo mas aceitar os tomates no maravilhoso prato que ele estava preparando.

    – Só tomates, não gosto de comer queijo a noite.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 25/2/2018, 23:59

    -Não peça desculpas Thesa, eu sei bem como é essa sensação. Vamos fazer assim, eu termino de preparar essa comida aqui e vou procurar pelo pequenino Sir, enquanto isso você come o quanto quiser! Afinal, oito na escala da besta é bastante coisa né?!

    Comentava o rapaz que não precisava responder a sua fala sobre a ida dele ao México, bastava o sorriso puro daquele eterno rapaz na flor da juventude, para que você soubesse que ele amou cada palavra, cada vírgula e cada respiração da sua fala. Ali então você assistia ele finalizar uma generosa refeição com um interminável sorriso na face, para enfim lhe servir o chá da exata maneira que você adorava e contornar a bancada, para beijar-lhe a testa e dizer:

    -Fique bem, não irei me demorar. Mas ao que tudo indica, Nora já esta a caminho para te ajudar a preparar a mala, afinal, ela que me pediu para vir procurar por ti!

    O mesmo por fim fazia um suave carinho na sua face, algo intimo mas ao mesmo tempo profundamente afetuoso e familiar, para enfim se direcionar a saída do seu quarto pra deixá-la ali a comer e a relaxar.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 26/2/2018, 00:36

    As palavras de Hans traziam consigo uma velha sabedoria, era incrível ver como alguém aparentemente tão jovem podia ser tão experiente e sábio, por isso eu concordava com o mesmo e sorria feliz ao ver um sorriso tão amoroso e alegre em seus lábios, afinal Hans amava Pietra acima de qualquer coisa.

    “É lindo ver o que um sente pelo outro!”

    – É sim, aquela pequena come mundos inteiros e não fica cheia!

    Comentava rindo da fome insaciável da metade menor de Pietra, uma faceta de minha senhora estranhamente encantadora, algo que ainda me era complicado de entender, mas meu coração aceitava sem medo.

    Saboreando o cheiro da comida, eu sentia meu estomago roncar diante do prato servido e do chá preparado, sorrindo feliz diante do toque de Hans e seu carinho.

    – Ok, mas eu vou deixar umas sobrinhas para o Sir Lancelot, ele adora as sobrinhas.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 26/2/2018, 12:25

    O radiante sorriso de Hans ainda ecoava em sua memória durante a alimentação que enfim ocorria, aliviando os sons da sua barriga e trazendo uma sensação realmente muito positiva para todo seu corpo, que parecia agradecer com veemência por aquela refeição preparada por Hans, que até a surpreendia com uma excelente capacidade culinária. Ali então você se dedicava a um pequeno regalo de se alimentar sem nenhuma pressa ou preocupação, já no final da mesma, sua audição conseguia compreender a aproximação de duas pessoas que conversavam no corredor próximo a porta do seu quarto.

    -Porque vocês não consideram a figura de Beka para ocupar uma postura de liderança enquanto vocês fazem a viagem? Afinal, ela além de ser uma Lasombra de requinte, é forte e firme. Aliás, sua filha já te ajudou com as malas Fredy? Se não eu posso ajudá-lo tá, adoro fazer malas!

    Era a voz de Nora, a jovem demonstrava felicidade na voz. E ela então batia na sua porta enquanto ouvia a resposta de Fredy:

    -Tens razão, Beka poderá ser uma resposta interessante. Mas sinceramente, eu deixarei que Eva cuide disso, não porque eu não posso, mas porque ela não me deixaria em paz de tão ansiosa que esta, essa noite vai ser um desafio... E ainda não, Yalin está a fechar uma reunião com o bando, eu ficaria muito grato com a ajuda.

    Nora então respondia:

    -Combinado então, eu vou te ajudar depois de cuidar da minha amiga tá bem? Ei! Thesa posso entrar?!

    Falava a jovem tocando na porta outra vez e iniciando uma ação de abrir, ação que era bem lenta e claramente esperava por tua autorização.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 26/2/2018, 13:26

    Um alivio calmo, mas poderoso tomava conta de meu corpo, o som da minha barriga por fim se acalmava e dava espaço para que um pouco de força ganhasse meus músculos, força o suficiente apenas para arrumar a mala, depois não haveria como negar um bom descanso. Porém a imagem do sorriso alegre de Hans me fazia sorrir com carinho, afinal a comida ali servida era um reflexo de seu próprio dono.

    “Não sabia que Hans cozinhava tão bem!”

    Terminando de bebericar o chá, o som dos passos perto do quarto me chamava a atenção, a voz suave e clara de Nora me fez suspirar satisfeita, mas saber que ela estava conversando com Friedrich arrancava um risinho de meus lábios, já que eu entendia bem sobre a ansiedade de Eva que ele tanto falava.

    “Tadinho, vai ser uma noite complicada para ele.”

    Ouvindo a pergunta de Nora eu sorria a me levantar e levar o prato para a pia e arrumar a pequena louça suja.

    – Pode sim Nora, eu só estou lavando essa louça, nada demais juro!
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 26/2/2018, 15:56

    -Lavando louça?!

    Dizia Nora, adentrando seu quarto e olhando em volta com bastante curiosidade. Enquanto ela entrava, Friederich permanecia junto da porta com um sorriso simpático na face. A jovem de cabelos avermelhados percorria a distância que havia entre vocês com agilidade e logo a abraçava e apertava, para então, removê-la de perto da pia e rindo enquanto fazia isso ela comentava:

    -Não não! Mãos ao alto! Nada de mexer em louças, vem vamos cuidar de ti! O Hans esteve aqui né? Tem todo o jeitinho de comida feita por ele! Eu recebi uma mensagem da Luana, ela disse que a Pita está organizando tudo lá pra nos receber e eu quero deixar você lindinha, quanto tempo faz que a senhorita não pinta as unhas eim?!

    A jovem beijava então a sua bochecha para soltá-la. A amizade entre vocês duas era algo realmente muito íntimo e forte, talvez ela fosse sua maior amiga de fato em toda a sua vida e isso era bem divertido, afinal, ela não só era superprotetora como também era levemente desastrada! Friderich então adentrava suavemente o quarto, tirando o paletó que usava e subindo as mangas da camisa ao falar.

    -Nora tem razão Thesa, permita-se uma noite de regalias. Eu cuido dessa pequena louça, eu vi teu trabalho querida, parabéns por tudo. Mas agora está conosco e falta pouquíssimo para que possamos ver os nossos queridos novamente, está bem?!

    Imagens adicionais:
    Roupas de Nora:
    Roupas de Fredy:
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 26/2/2018, 16:16

    A entrada de Nora em meu quarto foi observada pelo canto dos meus olhos, arrumando a pia para começar a lavar a pequena louça, eu só conseguia enxaguar a xicara que havia usado para beber chá, rindo das ações de minha amiga minhas mãos desligavam a agua para então me virar e abraça-la.

    “Não consegui! Da próxima tenho que ser mais rápida.”

    Aceitando de bom grado o abraço apertado de Nora, era com carinho que a apertava da mesma forma, rindo de leve eu concordava com suas palavras, afinal não havia como lutar contra.

    – Ele esteve sim, ele cozinha muito bem! Acho que faz um mês, ou mais. Prometo que vou me comportar.

    Os gestos gentis de Friedrich me faziam suspirar, ali eu havia encontrado verdadeiras amizades e meu coração finalmente descansava em paz e seguro.

    – Vocês venceram, não posso negar que estou morrendo de saudades deles, então quero estar linda para reencontra-los, tudo bem?

    Perguntava apenas para beijar com delicadeza a testa de Nora e sorrir para minha querida amiga.

    – Pedi pro Hans trazer o Sir Lancelot, ele deve estar bem agitado com esse movimento todo.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 26/2/2018, 20:41

    -O pequeno sentiu a falta da dona, é bem normal. Segundo Enzo, Lancelot até protestou ao demarcar território na cozinha dele, mas nada muito grave. Acredito que ele ficará feliz em poder ficar o restante do tempo contigo querida.

    Comentava Friderich com um tom suave de voz, o homem que ocupava o maior cargo dentro da Espada e era o irmão dos grandes lideres germânicos do clã dos Patrícios, lavava a louça usada por ti com uma humildade cativante, pois ele não fazia para agradá-la, ele fazia sorrindo e feliz por poder retribuir os cuidados que você sempre tivera para com o mesmo. Já Nora, apertava o teu nariz e fazia uma careta.

    -Todo esse tempo é? Meu Deus, perdoa essa sua filha ela não sabe o que faz!

    O tom brincalhão regava toda a fala da jovem que caia em risadas divertidas, apertando-a em um abraço e já lhe direcionando para o banheiro sem lhe dar nenhuma chance de escapar ou protestar.

    -Vamos lá, vou te ajudar a ficar maravilhosa! Quem sabe a Mãe até não fica em fascínio ao ver o seu lindo sorriso eim! Seria lindo!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 26/2/2018, 21:08

    Sorrindo diante do ato simples de Friedrich um suspiro escapava de meus lábios, era fácil ver o porquê Pietra amava aquele homem, a simplicidade que o regia dava sua mostra em cada pequeno gesto, mesmo tendo tanto poder em mãos, Friedrich se mantinha simples e senhor de si mesmo.

    “ Existe um encanto maravilhoso ao redor de Pietra. Ela atrai apenas os corações mais belos para perto.”

    – Tadinho, ele sempre fica um pouco sentido com as viagens de Luana, mas essa foi em cima da hora e ele não entendeu bem. Farei o possível para reconforta-lo.

    Rindo diante da brincadeira de Nora, era com alegria que eu me deixava ser levada para o banheiro, afinal sabia bem que ela só me deixaria sossegar quando ficasse satisfeita.

    – Desculpa, mas os produtos para revelar as fotos acabam com as unhas! Quis prepara um álbum especial para Pietra, ele sim vai fazer ela entrar em fascínio!
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 27/2/2018, 00:03

    -Ela vai amar o álbum, tenho certeza disso!

    Afirmava Friderich que seguia a lavar as louças da refeição preparada por Hans. Nora concordava com um sinal positivo de cabeça e comentava antes de realmente adentrar o banheiro contigo:

    -Especialmente com todo esse teu talento, até a própria Helena de Troia vai ficar fascinada pelas fotos!

    Banheiro:

    Já dentro do banheiro, a jovem corria na pontinha dos pés para abrir a torneira da banheira, checando a temperatura pra então iniciar os preparativos com sais de banho e tudo que fosse necessário, até separar as tolhas ela separava! Gentilmente ela aguardava que você terminasse de se despir para reunir a sua rupa junto das demais sujas e em seguida, ela se aproximava da banheira, pronta para começar a lavar o teu cabelo com carinho.

    -Thesa, eu sei que esse assunto pode ser um pouquinho delicado... Mas como você se sente com a possibilidade de um abraço? Sabe, eu entrei aqui no castelo sem nem esperar um dia ouvir sobre vampiros, mas você já está aqui a alguns anos e todos nós sabemos, basta você querer. Não vão faltar candidatos, até a Elsa já se mostrou interessada!

    Comentava a jovem que realmente cuidada de todos os detalhes de um banho bem delicado e cheio de carinhos. Afinal, a água bem quente relaxava seus músculos e o perfume da água era realmente agradável!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 27/2/2018, 00:36

    Feliz com as palavras de Fredy e Nora eu sorria ao ser guiada para o banheiro, seria incrível rever Pietra e mostrar uma parte de meu trabalho dos últimos anos, afinal eu guardava os filmes das fotos que tanto havia tirado em meus anos de serviço.

    “Será que ela vai mostrar para Helena? É realmente aquela Helena de Tróia?”

    Rindo comigo mesma, era com calma que cuidava de tirar a roupa usada, sem medo ou vergonha por fazer isso diante de Nora, meus olhos observavam com carinho os cuidados de minha querida amiga, sem dificuldades para perceber que Nora cuidaria de cada detalhe eu sorria com carinho.

    Um suspiro escapava de meus lábios ao mergulhar na agua quente e delicadamente preparada por Nora, entregando meus cabelos aos cuidados de suas mãos eu a observava com curiosidade diante do questionamento.

    – Eu não sei ao certo...

    Comentava ao sentir cada musculo de meu corpo relaxar, um abraço era sempre algo muito delicado, ainda mais quando se tratava de alguém perto de Pietra, a italiana sempre cuidava para que tudo fosse perfeito e não seria diferente com os senhores de seus vassalos.

    – Conversei uma vez com Cesco sobre isso, sabe sobre os motivos que fazem ele ainda ser um vassalo?! Acho que dependeria de quem fosse querer... Entende?

    Meus olhos se viravam para Nora em um misto de ansiedade e medo, tudo dependeria da permissão de Pietra é claro, mas havia um desejo que crescia com o tempo, um que eu não podia ignorar.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 27/2/2018, 14:18

    -Verdade né, as vezes eu nem lembro que o Cesco é um vassalo. Até porque ele é mais velho que a Pietra não é?!

    Comentava a jovem que prosseguia a cuidar do teu banho, fazendo questão agora de esfregar as suas costas enquanto seus cabelos descansavam com um creme de hidratação.

    -Acho que eu consigo entender o seu lado, existem muitas coisas importantes na vida que não vem conosco para essa nova forma de existir. Eu realmente sinto falta de poder beber, mas assim, acredito que se ocorrer, vai ocorrer de uma forma muito bonita sabe? Você é muito especial para todos nós, afinal, olha quem veio lavar a louça né?! Mas não se preocupe, caso você decida esperar, vai ser bem legal também! Porque vou poder continuar te mimando! Fofinha!

    A jovem Nora apertava então a sua bochecha e ria de maneira divertida, tomando a liberdade de puxar seus pés e em seguida as mãos, para limpá-las com cuidado e atenção. Voltando então aos seus cabelos por mais alguns instantes e foi nesse momento que o som da porta do quarto se fazia presente, alguém adentrava e pela marca dos latidos alegres, era Hans com Sir Lancelot!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 27/2/2018, 14:51

    As palavras de Nora me faziam sorrir, sim Francesco era muito mais velho do que Pietra, mas seu coração batia forte pela italiana e o carinho que ele tratava a todos era uma de suas marcas registradas.

    – Ele não quer ser abraçado enquanto conseguir comer, mesmo que faça isso apenas uma vez por noite é seu maior tesouro.

    Comentava ao ter os cabelos delicadamente cuidados por Nora, minhas costas lavadas e o pequeno cuidado de ter minhas mãos e pés limpos por suas mãos arrancavam todo o medo ou ansiedade de meu corpo, aquele sempre seria um assunto delicado, mas meu coração se alegrava em saber que minha querida amiga entendia.

    – Quero esperar mais um pouco, só mais um pouquinho, assim eu sei que quando acontecer eu não vou sentir saudades do que deixei para atrás. Juro que quando me sentir pronto irei avisar. Obrigada por cuidarem tão bem de minha pessoa Nora, o Friedrich não precisava.

    Mostrando de leve a língua para minha amada amiga, era com delicadeza que eu me aproximava apenas para lhe beijar as faces, o som da porta se abrindo e os passos unidos com o latido animado de Sir Lancelot me deixavam feliz, ao que parecia meu quarto se tornaria o refugio daqueles que queriam se esconder da ansiosa Evangeline.

    “Pita é tão calma nessas horas, Eva por outro lado é realmente uma tempestade.”
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 27/2/2018, 16:43

    -É um lindo tesouro, eu tive sorte de ser escolhida da forma que fui. Alfie me deixou tempo suficiente para que eu pudesse cortar os cabelos, me deu um pouco de vitae para que algumas feridas nas mãos se fossem e ainda me deixou comer um pote enorme de sorvete!

    Comentava Nora sorrindo, para então, sem se preocupar com o seu corpo molhado, abraçar o seu tronco em um apertão divertido, para mordiscar a sua bochecha e falar.

    -Pronto, já foi abraçada! Agora você tem a minha permissão para esperar o tempo que desejar e até lá, você já foi abraça por mim!

    A mesma ria de maneira divertida e olhava na direção da porta, pois esta era aberta vagarosamente por Hans. O rapaz comentava:

    -Queridas, desculpa a interrupção. Mas existe uma visita que não esta muito afim de negociar espera, vou deixá-lo entrar tá bem?

    Dessa forma, a porta se abria um pouco mais, para revelar a imagem de Hans escondendo os olhos com a mão esquerda e em seguida, podia-se ver uma mancha felpuda correndo para dentro do banheiro, abanando o rabo e latindo feliz! Ele vinha até Nora, para lamber a mesma e apoiava as duas patas na beira do banheiro, para latir alegre na sua direção e esticar a face o máximo que conseguia na sua direção. O pequeno animal fazia a Rosa rir, adorando a linda cena que ocorria ali.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 27/2/2018, 17:31

    As palavras de Nora sobre seu abraço eram simplesmente lindas, suspirando diante do simples imaginar da cena da jovem ruiva comendo um pote de sorvete, era com surpresa que eu recebia seu abraço e mordida.

    – Fofa! Obrigada por me dar essa permissão. Alfonsus parece ser um pai maravilhoso, espero ter a mesma sorte que você minha querida.

    O abrir da porta junto das palavras de Hans me faziam encolher, porém ver que o rapaz protegia sua visão afim de me deixar confortável, e a pequena visita felpuda logo dava caras me fez rir.

    Sir Lancelot parecia conhecer bem seu charme, porque o utilizava sem nenhum medo em cima de Nora, rindo com seu latido eu sorria feliz ao puxar sua cabeça e beijar a ponta de seu nariz frio e molhado.

    – Obrigada Hans, esse pequeno cavalheiro não merecia esperar!

    Respondia sorrindo e brincando com as macias orelhas do cãozinho alegre que me faria companhia durante aquela noite.

    “Logo você vai ter sua tulipa para guardar, ela deve estar com saudades de você fofinho.”
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 28/2/2018, 19:18

    -Brigada Hans!

    Dizia Nora ainda quando era atacada pelas efusivas lambidas de Sir Lancelot, a jovem se mostrava extremamente alegre com aquela presença, talvez até tão alegre quanto o próprio cão demonstrava estar. Hans respondia ainda com a face escondida:

    -Que isso, foi um prazer! Agora, com licença senhoritas, irei separar as malas e deixá-las sobre a cama está bem?!

    O jovem rapaz aguardava a resposta de vocês, Nora concordava com um balançar de cabeça enquanto olhava na direção do box, ela parecia ter tido uma ideia! Já Sir Lancelot não deixava de se esticar para dentro da banheira, misturando uma vontade enorme de festejar a sua presença e ao mesmo tempo, evitar cair totalmente na água!

    Nora então olhava para ti, enquanto Hans já se retirava e fechava a porta para dizer sorrindo, num tom bem baixo de voz e em francês:

    -Poderíamos dar um banho no pequeno né?!
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 28/2/2018, 20:46

    Feliz com a pequena presença que Sir Lancelot tinha, eu sorria diante das lambidas que ele depositava em Nora, era impossível não ser contagiada pela alegria que o pequeno trazia consigo e distribuía sem medo.

    – Pode deixar em cima do sofá? Eu já tenho algumas roupas separadas no armário.balançar de um lado para o outro as orelhas longas e felpudas de Sir Lancelot, brincando de leve com o pequeno cão, meus olhos acompanhavam o de Nora e seu sorriso suave.

    “Ela está lendo meus pensamento?”

    Rindo de leve eu concordava com a jovem rosa, seria magnifico dar um banho em Sir Lancelot e deixa-lo tão cheiroso quanto meus cabelos estavam agora.

    – Vamos sim! Ele vai chegar todo cheiroso para brincar com Luana.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 28/2/2018, 22:51

    -Sofá?! Certo! Fique tranquila eu faço isso sim!

    Respondia o jovem Hans que por fim, despedia-se com um atrapalhado movimento de mãos para sair do banheiro totalmente e deixá-las a vontade com o pequeno animal serelepe a brincar entre vocês. Nora abria um sorriso divertido então na face para se distanciar da banheira, levando-se para tirar as próprias roupas, ela ficava apenas com as peças intimas para então correr e ir ligar o chuveiro quente, enquanto isso o animal finalmente tomava a coragem de entrar na banheira!

    -Meu deus, você caiu Thesa?

    Perguntava Nora assustada, virando-se rápido para olhar na direção da banheira, afinal, Sir Lancelot havia pulado na água para conseguir lamber a sua face e isso não só fazia barulho, mas também jogava muita água para os lados. Imediatamente, Nora caia na gargalhada, apoiando-se na parede do box enquanto o cão finalmente vinha até você e esfregava a face na direção da sua, pedindo por mais atenção e carinho.

    -Trás ele aqui Thesa!!

    Afirmava a jovem com muita dificuldade para encontrar uma forma de parar de rir da situação.
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2302
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Jess em 28/2/2018, 23:39

    Feliz pela ajuda de Hans eu continuava a brincar com as orelhas de Sir Lancelot, afinal assim que terminasse o banho seria a vez do pequeno cavaleiro ali tomar o seu, o que seria divertido e bom para o pequeno.

    Me preparando para sair da agua quente, eu via com carinho os movimentos de Nora, isso fez com que o pequeno Sir não aguentasse mais a espera e pulasse na banheira, ali não havia mais como escapar das lambidas dele.

    – Sir Lancelot! Voce não conseguiu esperar menino?

    Perguntava ao abraçar o cão com todo o amor e carinho que ele merecia, cuidando para que a água não entrasse em seus ouvidos meu lábios beijavam sua testa para só então me entregar ao riso sem medo daquela cena.

    “Fofo, vai ficar com meu cheiro assim!”

    Concordando com Nora, minhas mãos puxavam a tampa do ralo afim de escoar a agua da banheira, esperando um pouco antes de me sair e pegar o cão no colo eu continuava rindo, afinal ele havia aprontado e mergulhado na água como adorava fazer quando brincava com os patos de Luana.
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 3854
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Danto em 1/3/2018, 11:49

    Diante da sua pergunta, Sir Lancelot soltava um latido divertido, afinal o pequeno animal não media esforços para celebrar aquela divertida cena que fazia Nora rir sem parar. Assim que a tampa do ralo era tirada, o cão se aproximava do buraco para de maneira curiosa tentar entender, todavia, o mesmo era pego no colo por ti e não só se acalmava ali, mas também soltava todo o peso do corpo em uma demonstração de carinho e confiança.

    -Vocês dois são tão fofinhos! Eu deveria tirar uma foto disso!

    Dizia Nora, abrindo um alegre sorriso na face e fazendo um sinal para vocês entrar no box junto dela. A moça de maneira bem sutil e esperta, fechava o local para que o Sir Lancelot não aprontasse mais uma, ali então se dava inicio ao processo de limpeza do mesmo, com o chuveiro bem quente e agradável.

    -Certo, depois do banho nele... Vocês dois vão pra cama e eu cuido das malas tá bem?!

    [Off: Ultima ação para o final do ato]

    Conteúdo patrocinado

    Re: Ato VI - As Mãos de Theresa Brückner

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: 23/4/2018, 06:47