WoD by Night

Narrativa de Vampiro a Máscara: 20 anos


    Primeiro Arco de Cloe: Ato II - Casa

    Compartilhe
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 4019
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 26

    Primeiro Arco de Cloe: Ato II - Casa

    Mensagem por Danto em 3/5/2018, 18:23


    Imagens Referenciais:
    Gps:
    Visão Panorâmica:
    Visão Frontal:
    Local: Grosseto, Rusellae.
    Data: 17 de Abril de 2016: Fólkvangr.

    Juntas, todas vocês seguiam na direção de uma das várias pequenas construções no interior do Fólkvangr que servia para proteção contra o sol durante o dia. Era interessante notar que todos os olhares acompanhavam o deslocamento de Gioia, que havia deixado para trás sua lança, mas que ainda assim inevitavelmente conquistava uma enorme atenção devido sua altura e presença gigantesca.

    Ildris as guiava até a frente dessa cabana em questão, que não possuía nada de diferente do que qualquer outra, sentando-se na frente dela e latindo uma única vez, a cadela chamava a atenção de quem estivesse ali dentro. A leoa já esfregava os dedos, feliz como se uma de suas surpresas tivessem enfim funcionado e no momento que a porta se abria, você via duas mulheres saindo da cabana.

    A primeira, de pele morena, cabelos crespos e olhos de uma verdadeira guerreira, olhava na sua direção com curiosidade. Algo em seu íntimo lhe dizia que esta era a sua irmã mais nova, Isabella Burgio, que Franca havia lhe contado a respeito. Mas era estranho presumir que ela fosse a mãe de todas as mais novas valkyrias, no entanto, seus olhos se surpreendiam ainda mais quando eles encontravam a face de uma mulher experiente, naturalmente maternal ela sorria na sua direção com uma expressão suave e atenciosa. Apesar de não aparentar a chama das valkyrias de ennoia, ela mostrava a face amorosa e respeitava da grande mãe.

    -Therese, estas são: Isabella Burgio e Arabella Ferullo! Suas irmãs mais novas!

    Ildris latia outra vez, incentivada pelas palmas alegres de Bárbara que sorria alegre diante da cena. Gioia prontamente indicava as jovens que não havia necessidade para que elas a saudassem, algo que iniciavam instintivamente mas paravam quando o sinal era dado. As duas mulheres então olhavam na sua direção, sem saber exatamente como interagir contigo ou o que esperar de você, afinal, agora era fácil entender como havia se criado uma enorme expectativa para o seu retorno, havia sido você a primeira de toda a região a ir treinar nas terras ancestrais!

    As Irmãs:
    Isabella Burgio:

    Roupas:
    Arabella Ferullo:

    Roupas:
    avatar
    Jess

    Mensagens : 2457
    Data de inscrição : 12/01/2016
    Idade : 26
    Localização : Neverwere

    Re: Primeiro Arco de Cloe: Ato II - Casa

    Mensagem por Jess em 4/5/2018, 16:35

    Guiadas por Ildris, era com um sorriso suave e saudoso no rosto que seguia o caminho ao lado de minha pequena lince, a ursa aproveitava a cada instante para farejar os cheiros de casa, reconhecendo os antigos e querendo descobrir a origem dos novos, algo que ela havia feito em nossas primeiras noites sobre a presença da grande besta de galhos de nossa avó. A simples presença de Gioia era o suficiente para chamar a atenção das outras, sem a lança Gioia ainda era um marco para todas nós, um marco de orgulho e carinho.

    “Cascos de raízes da mais antiga arvore, e galhos que tocam os céus estrelados. Gioia é nossa Ygdrassil e nosso mundo, choraremos gerações na noite que ela adormecer.”

    A esperta cadela de porte grande e negro como a noite nos guiava até uma das cabanas, aparentemente ali não havia nada demais, mas seu latido de claro chamado e os gestos ansiosos da leoa me indicavam o contrário, olhando curiosa para Barbara eu perguntava o que se tratava sem palavras, algo que por sua vez era logo respondido pelas presenças.

    O fogo de minhas irmãs logo foi reconhecido nos olhos da mais jovem, seus cabelos da cor da terra e a postura me indicavam um nome apenas, Isabella, mas surpresa se dava com a presença maternal da mais velha, mais suave e atenciosa era fácil notar quem havia se transformado na mãe de minhas muitas sobrinhas. A ursa farejava o ar curiosa, suas garras raspavam o chão de leve em ansiedade e permissão.

    A apresentação feita por Franca e a formal saudação interrompida me fez sorrir com certa timidez, meu coração não sabia ao certo as palavras que haviam sido contadas de minha pessoa, mas sabia bem que amaria minhas irmãs e as respeitaria acima de tudo. Incentivada pelo bater de palmas de Barbara e o latir de Ildris, meu corpo se movimentava, puxando o corpo de Isabella e Arabella para abraça-las com força, a ursa rugia feliz lembrando-me das palavras.

    – Somos família, sem reverencias ou distinções entre nós. Está bem?

      Data/hora atual: 17/8/2018, 03:03