WoD by Night

Narrativa de Vampiro a Máscara: 20 anos


    Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Compartilhe
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 15/3/2016, 14:32

    30 de Agosto, 2005, 19:00




    Merda. Era isso que você pensava. Pura e grande merda. Todo seu covil alagado. A grande e negra de uma sanguessuga lhe acordou, com ela toda cheia de seu sangue. Felizmente a mesma estava morta graças à uns vermes que ela ingeriu do seu sangue. Aqueles danadinhos eram cruéis. Mas isso não lhe deixava de bom humor. Acordar com sede todo molhado era a maior bosta que você poderia esperar. Estava chovendo mais do que nunca. As árvores faziam um barulho intenso, era um vento forte. Todos os cantos da floresta estavam com água no mínimo até o joelho, mesmo sua estatura sendo bem acima da média.

    Não lhe restava muito do que ir até a estrada. Tinha de sair daquele lugar antes que mais sanguessugas tirassem todo o seu sangue. Chegando na auto-estrada que ia para a cidade você apenas via mais água. E nada mais, a luz estava toda cortada. Aquela chuva deixou tudo no escuro. Só lhe restava caminhar. Seus animais de estimação pelo menos deviam estar se divertindo no meio do pântano encharcado. Mas seu humor não lhe deixava feliz por isso.

    Então você viu na sua frente um acidente de carro. O carro havia derrapado e girado pela pista. Saiu direto de uma poça para se chocar com uma árvore. O motorista, que provavelmente estava sem cinto de segurança voou pelo vidro e estava empalado no galho da árvore que barrou o carro, deixando a mesma rachada. A mulher dele, também afro-descendente estava estirada no chão com o pescoço quebrado. Ela havia sido retirada do carro, mas nada se podia fazer por ela. Quem a havia tirado do carro era um garoto. Devia ter oito ou nove anos de idade. Estava todo sujo de sangue e com uma barra de ferro atravessada pelo lado direito do quadril. Mas o mesmo estava de pé e de olhos arregalados. Afinal ele estava olhando para você e a mãe dele estava morta logo nos pés dele.
    Garoto:


    OFF - (-3 pontos de sangue)


    Última edição por King Narrador em 26/3/2016, 15:14, editado 3 vez(es)
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 15/3/2016, 15:09

    O Nosferatu se levantou de onde havia dormido noite anterior, ele segurou a sanguessuga com a mão e ficou a olhando de maneira fixa e com o dedo da outra mão a cutucando, ele estava abaixado e olhando toda a lama, o mesmo sorriu de uma forma irônica e abriu a imensa boca deformada que tinha, dava para morder uma cabeça com o tamanho de sua boca, ele posicionou o inveto para que o mesmo caísse em sua linguá, ele o soltou e começou a mastigar e por fim cuspiu, sua voz era grossa e rouca, por suas cordas vocais terem sido deformadas também.

    - Seu filho da putinha, além de me acordar ainda morre para os bonitinhos dentro de mim! Agora era só o que me faltava, tem lama até no meu cu! Devia ter comprado um rodo! Vou contratar uma empregada!

    Ele saia de um dos seus locais de sono e viu tudo alagado, caminhou de forma pesada até a estrada e deixou a própria chuva limpas suas vestes velhas e seu corpo deformado e cinza, chegando no local do acidente o mesmo virou o pescoço quase que todo para o lado e viu toda aquela cena, ele arregalou os olhos e sorriu de um forma assustadora para o garoto, analisou o carro e o sangue que sumia com a chuva, mais conseguia ver que aquela pequena criança havia ajudado sua mãe. Seus passos eram lentos na direção da criança, seu dedo indicador foi para sua boca fazendo um sinal de silencio.

    " Hora hora, quer disser então que esse neguinho ai conseguiu tirar sua mãe do carro com essa ferida! Você me parece um garoto forte! Gosto de pessoas fortes, elas são uteis! "

    Rhys se abaixa na frente do garoto, seus dedos longos seguram a barra de ferro de forma firme.

    - Olá amiguinho! Sou o Brad Pitt , vejo que seu papai e mamãe morreram de uma forma um tanto quando brutal. Posso retirar esse ferro do seu lombo o que vai doer pra caralho! Mas, eu adorei essa sua garra, esses olhos esbugalhados lindos e essa sua cara de choque! Admiro aqueles que lutam pela vida, e gostaria de ver o que você vai se tornar quando crescer! Você ainda luta não é?
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 15/3/2016, 15:18

    A criatura tinha uma textura crocante. Logo o sangue estourava de dentro da pele da mesma e corria por sua boca. Era o pior gosto de sangue que você já experimentara. Mas de certa forma amaciava a fome acima da média que o acordar de cada noite lhe provia. Seu humor de leve deu uma melhorada. Melhoraria mais se parasse de chover. Mas esse não se mostrava ser o caso. Você sai de dentro do pântano ainda tentando imaginar onde estariam seus carniçais. Mas pressente a sorte e fortuna para os mesmo. O gosto horrível na sua boca parecia meio anestésico, deixando sua língua meio mole. Então finalmente a cena lhe é vista e você se aproxima do garoto.

    A criança lhe encarava com os olhos arregalados. Medo poderia ser uma boa forma de descrever o sentimento da mesma. Todavia esta não se movia. Permanecia em cima da mãe morta. Mantinha os olhos na sua direção. Como se não ousasse piscar de forma alguma. Todavia algo mais forte que o medo deu uma fisgada no garoto quando você tocou na barra de ferro. Este abaixou a cabeça de leve e vomitou um pouco de sangue. Respingando no corpo de sua mãe. Entretanto a criança permanecia decidida à não ceder. Mesmo com a barra de ferro pontiaguda que atravessava seu corpo e você à olhando com seus profundos olhos negros. A mesma apenas disse com uma voz fraca.

    - Estou morrendo?


    Última edição por King Narrador em 15/3/2016, 20:17, editado 2 vez(es)
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 15/3/2016, 15:31

    Rhys olha para o sangue do garoto no chão e voltar a olhar para ele, o mesmo sabia que logo aquela criança perderia sua vida, mas não era ele que naquela noite escolheria aquilo.

    - Há você esta sim, quando se vomita sangue é por que esta com hemorragia interna e deve ser no seu estomago. Não saiu de cima de sua mamãe para fugir de mim ou gritar como uma bichinha com medo! Puta que me pariu garoto você é o pretinho mais zica que conheci! Agora me responda seu ranhentinho, cê ainda está lutando?

    O Nosferatu mantinha a mão no pedaço de ferro que estava por tirar a vida da criança, ele não sentia pena daquela pequena criatura, estava admirando a força com que ela se prendia a vida. Seu sorriso branco como o marfim demonstravam uma boca enorme e caninos maiores que o normais, o cheiro de sangue o estava deixando com fome, ele não se importaria em quebrar a cabeça daquela pirralho e lhe roubar a vitae, mas seus instintos pediam que ele não fizesse nada ainda.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 15/3/2016, 20:28

    O Garoto ficou conturbado com você segurando a barra de ferro. Cada leve tremular de sua mão refletia em alguma dor infinita no pequeno jovem. Mas o mesmo parecia lutar para se manter consciente. Por mais que as pernas dele pareciam bambas. A força que aquela criança fazia para simplesmente não morrer imediatamente era algo soberbo. Não que fosse uma façanha de um Hércules, mas era uma dedicação para com a vida que você não estava acostumado em presenciar. E então a voz trêmula voltou e lentamente a energia ia entrando em suas palavras.

    - Você é feio... Mas não posso fugir de você... Pois eu não posso ter medo de você... Meu pai sempre me disse que o medo nos leva ao ódio e não podemos ter ódio dos outros. Ou nos tornamos tão fracos quanto a Ku Klux Klan. E... Eu não posso abandonar minha mãe aqui. Tem como o senhor salvar ela? Eu faria qualquer coisa, por favor, salve minha mãe.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 15/3/2016, 23:02

    Rhys soltou a barra de ferro e soltou uma gargalhada estridente, ele se sentou no chão todo molhado, não se importava com a sujeira ou a água que encharcava suas roupas, ainda era mais alto que o garoto mesmo sentado, olhou para o asfalto e pegou um pedaço de caco de vidro, cortou os dois antebraços para que sua vitae transbordasse para fora, em seu rosto um sorriso sarcástico e desafiador surgia.

    - Você é um merdinha muito do valente sabia! Seu papai só errou no ódio, as vezes ele nos torna mais e mais fortes!

    No fim de sua frase o cainita segura a barra de ferro com força e a tira de uma única vez sua mão segura completamente a cabeça do garoto, seu punho pende para frente deixando assim seu antebraço na altura da boca da criança, seu corpo pende para frente com rapidez, o mesmo morde quase que a cintura inteira da mulher deitada e começa a drenar o sangue que ainda restava em seu corpo. Logo seu antebraço pousa na boca da mesma.

    " Um anjo ceifeiro, se sua mãe ainda estiver viva ela vai ser eternizada amiguinho, considere este o meu presente para alguém que compartilha do mesmo desejo que eu de continuar caminhando nesse mundo!"
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 16/3/2016, 10:56

    O jovem tentou se manter estático quando você corta seus punho, mas era nítido que o mesmo demonstrava medo, só que não demonstrou resistência depois. A barra de ferro sai com brutalidade do corpo do garoto. Ela estava serrada do outro lado, logo arrebenta com força o torax do jovem ao ser retirada. Assim o mesmo perde a conciência e não resiste ao sangue oferecido. Caído de joelho o garoto recebe aquele vitae escuro dentro de sua boca. O fato do mesmo ter apenas caído ajoelhado era mais uma surpresa para você, afinal aquele garoto sabia lutar pela sua vida, isso era um fato.

    A mulher parecia não fazer nenhuma reação quando o sangue foi oferecido. O sangue dela por outro lado ainda estava quente. Era saboroso e pôde matar toda a sua fome. Levou um tempo até você notar que a reserva de sangue dela havia terminado, parecia que ela havia morrido mesmo. Todavia chegou o espasmo. Veio forte e deixou o corpo todo da mulher tremendo. Ela começou a beber de seu sangue. Estava viva afinal, mas não por muito tempo. Você sabia o que aconteceria nas próximas horas com âmbos. Em questão de mais alguns minutos já era claro para ti que o que fizeste havia funcionado. Agora era apenas questão de tempo. E enquanto isso a chuva ainda caía.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 16/3/2016, 11:16

    Rhys se levantava e soltava o garoto, os olhos negros do Nosferatu ficaram observando a mãe e o filho ali deitados, iriam morrer e ressurgir como portadores da mesma maldição que lhe foi passada, só que não tinha sido ele que escolheu o destino deles e sim aquela criança. Ele lambeu as feridas de seus antebraços as fazendo fechar, não pela lambida mais sim com a potencia de seu sangue.

    - Gente! Vou ser papai! Quase fiquei de pipi duro com esses dois bebendo de meu sangue.

    Rhys sorriu e caminhou até a arvore onde o homem estava empalado pelos galhos da arvore, o mesmo subiu no carro e assim na arvore retirando o homem dali, logo com a potencia de seu sangue o fez saltar para a estrada novamente, sem muito pensar apenas jogou o humano na frente dos dois que estavam ali.

    Logo o cainita caminhou até a beira da estrada onde a escuridão era mais densa e por ali se abaixou e ficou imoveu esperando o que viria a acontecer.

    OFF: Ofuscação : Presença Invisível
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 17/3/2016, 00:26

    A cena parecia um quadro macabro congelado no meio de um tenebroso sonho. Três cadáveres estirados no chão na frente de destroços do que um dia fora um carro. A luz vermelha traseira do carro ainda piscava dando um tom avermelhado para a cena. E chovia. A chuva não parava e as águas corriam como um rio pela estrada. A cena permaneceu assim por mais de incontáveis minutos. Talvez tenha passado uma hora ou um pouco mais. Era difícil contar o tempo precisamente, mas sua mente calculista lhe mantinha atendo, fazendo você acreditar ter passado uma hora e meia.

    Então veio a maldição. Como um renascer. Um solavanco no corpo da mulher fez a mesma ter um curto espasmo. Era o milagre da vida e a maldição da morte ocorrendo na sua frente. Com seus próprios olhos podendo observar cada instante. Cada mexida no corpo da mãe da criança, a qual ainda não demonstrava nenhum movimento, podia ser analisada. Parecia ofegante a mesma, como se tentasse desesperadamente respirar, mas nenhum ar entrasse em seu já morto órgão pulmonar. A cena lhe trazia lembranças antigas que você jurava já ter se apagado de sua mente.

    A continuação foi pior que o começo. Pois o corpo continuava a se debater levemente. E você podia ver cada detalhe. As veias próximas à pele iam ficando cada vez mais negras e expostas. O cabelo da mulher começava a cair como uma peruca velha e seca. O corpo da mesma virava de um lado para o outro, cada vez de maneira mais frenética. Os espasmos iam ficando cada vez mais fortes. Você podia ver as unhas se escurecendo gradativamente. Até o ponto da unha dos polegares e dos mindinhos caírem de podre. Mas as outras três começavam a crescer lentamente. Cada movimento que estas faziam gerava mais trepidações pelo corpo, como se a dor fosse grande demais para ser contida. Devem ter chagado á alcançar uns quinze centímetros cada uma dessas unhas.

    A pele escurecida com as veias em contraste começava a rachar, agora a velocidade da maldição parecia estar em seu auge. Afinal o sangue que corria em seu sangue era mais que potente. A carne exposta se revelava no ante-braço e nas coxas. Só que o apodrecimento não parecia parar. A batata da perna esquerda estava cada vez mais fina e a carne parecia apodrecer junto da pele. Logo o osso se revelou por toda a perna esquerda dela. Não se podia dizer o que acontecia em seu tórax ou em seus pés por causa da vestimenta, mas dava para notar que todas as partes do seu corpo estavam murchando e se estremecendo de forma incontrolável.

    Então os olhos da mulher abriram junto da boca. Não havia mais íris em seu olho, que estava vermelho dado alguma hemorragia interna. Sua boca se mostrava serrilhada na parte de cima e totalmente apodrecida na mandíbula. Esta parecia estar caindo, pois não havia mais pele para segurá-la por completo. Todavia a cartilagem manteve segura. Assim a mulher permaneceu de boca aberta. Estava claro que estava gritando, mas não estava achando a voz para isso. Instantes depois conseguiu a tão esperada voz e um grito agudo tomou conta do cenário pantanoso. Era um grito profundo de dor e aflição. Quando o mesmo cessou você já tinha certeza. A maldição estava completada. Ela havia se despertado.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 17/3/2016, 09:12

    O Nosferatus ficou imoveu como um gárgula protegendo algo, não piscou nem mesmo moveu um único músculo, contou cada minuto que que se passava, a luz vermelha que piscava ali o fez lembrar das cenas de filmes de terror antigas, onde o silencio vinha com um susto torrencial depois.

    " Uhm...já se passaram uma hora e meio aproximadamente e nada! Seja lá quem estiver cuidando da alma deles os soltem, eles são MEUS FILHOS agora! Yes...YES...That start the show of horrors!

    Com um sorriso quebrando seu estado estático o cainita se abaixou ficando com as pernas flexionadas e olhando a cena, para cada movimento que a mulher fazia o mesmo retrucava com um gesto com a mão, como se estivesse torcendo em um jogo de futebol.

    " Isso minha garota, vamos, doí no começo mais depois piora ou você aceita de vez! Seus orgãos não funcionam! Nãnãnã! hahahahahaha! Eu iria me mijar me vendo assim! Uhmmmmmmmmmmmmm...caiu o cabelo, shasenhora dos Vampiros, não ficou um fio, ela vai dar pulo de 3 metros, parece o filme do exorcista! Hahahahaha...Eita caralho, ela está ficando feia rápido de mais!"

    Rhys ficou serio naquele momento e ficou prestando atenção sem expressar nada, analisou cada parte do corpo da mulher perder sua textura de pele macia e saudável para o tom seco e podrido. Ele arqueou os olhos ao ver algumas das partes da pele da mulher cair e mostrar a carne. Ele recuou o rosto ao ver que até a boca da mulher havia apodrecido e ficou surpreso de como ela havia ficado mais feia que ele.

    " Caralho! Ela vai ter que ser muito furtiva! Por que puta que pariu ficou com uma cara de cadáver!"

    Continuava ocultos nas sombras e sua voz rouca soou alto, ele começou a caminhar de forma furtiva entre as sombras para assim fazer com que o som não ficasse focado em um único lugar e a mulher o atacasse, naquele momento ele deveria ter calma.

    - No começo doí um pouco mesmo criança, eu sempre quis chamar alguém de criança! Desculpe-me. Você esta morta, todos os seus órgãos internos não funcionam mais, só que você ainda vive.Agora vem a pergunta de ouro da noite. Foi por quê eu sou um grande filho da puta que amaldiçoou você apenas para se divertir. BAAAAAAAAAAAAAAAHHHHH Resposta errada minha cara. Seu filho esta noite demonstrou grande apresso em permanecer nesse mundo e foi por isso que você está assim agora, por que seu filho demonstrou ferocidade o suficiente para fazer com que alguém de mais de 100 anos parasse para prestar atenção em sua ação! Ele esta do seu lado. Acho que você vai ver ele morrer pela primeira vez!
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 17/3/2016, 22:41

    A mulher se mostrou atônita com suas palavras. Ela tentava de forma infrutífera ver de onde vinha a fonte de sua voz. O braço esquerdo da moça começava a tremer e já era difícil dizer se era por medo ou apenas mais uma reação orgânica da maldição. Ela tentava se levantar. Falhou na primeira vez. E na segunda. Todavia na terceira a mesma conseguiu se acostuma com sua perna esquerda em puro osso e cartilagem e se manteve em pé. Entretanto seu corpo não ficava ereto, totalmente torta era a postura que a mesma conseguia achar. Ela permanecia olhando ao redor. Como se tentasse entender o que havia acontecido. Deveria haver mil pensamentos na cabeça dela, mas um deles ganhou de todos os outros e terminou surpreendendo até você.

    - Fome...

    Foi a única palavra que a mulher disse antes de perder a consciência. O frenesi tomou rapidamente o corpo dela fazendo seus instintos agirem de acordo com a sede que ela sentia. O corpo se movimentou com grande rapidez para cima do cadáver do marido que havia sido empalado. A mesma enfiou suas presas no meio do tórax do falecido e cortou todo até o abdômen enquanto se alimentava. A velocidade ao qual a besta saciava a fome era surreal. Todavia da mesma forma repentina que a besta chegou, a mesma foi embora. Assim a mulher, agora de joelhos e cheia de sangue se via na frente do marido com seu intestino arrancado para fora. E então lágrimas de sangue escorreram de seu rosto.

    - O que eu me tornei?! Esta fome... Eu não queria ter feito isso... Mas fiz... E não me sinto arrependida... Como isso pode ser possível?! ... Quem está ai? Você falou algo sobre meu filho... Estar morto aqui? Eu não tenho filho... Não há muitos anos pelo menos...

    Não havia nenhuma criança do lado da mulher e nenhuma barra de metal ensanguentada no chão.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 18/3/2016, 00:36

    - Seus espasmos são diferentes minha criança eu fico imaginando se é pela questão de se acostumar com isso ou a falta de força mesmo! É como aprender a andar de novo você consegue, a primeira você cai e na segunda opa...quase! Agora sim. Esse é o ponto coma, somos caçadores e não se deve permanecer com fome!

    O Nosferatu ainda permanecia andando de forma furtiva próximo a mulher, a rodeando, ecoando sua voz por todos os lados, ele sorria para si mesmo ao presenciar aquela cena, sem medo de matar aquilo que esta te matando.

    " Fiquei chupando rato a noite inteira quando isso aconteceu comigo e você teve uma boa refeição, tudo bem que era seu marido e tudo mais, só que não podemos desperdiçar a vitae assim! Uhmmmmmmmmm...rasgou o cara todinho, ela tem garra, não no literal eu acho, deve conseguir desenvolver isso no futuro, nossa mãe foi uma bela de uma mordida em filha!"

    Rhys ouvia sua nova cria, mas logo o mesmo fechou a cara, era de um senso de humor tão negro que até mesmo os mais empáticos se incomodavam com ele, ao termino da frase da mulher ele caminhou e permaneceu onde estava o filho da mulher, não estava louco ou coisa do tipo, ele tocou no garoto e lhe deu seu sangue, sua ofuscação se quebrava com o mesmo abaixado olhando para sua nova cria, seu semblante estava serio, não gostava que mentissem para ele não suportava ser enganado, ainda mais agora com alguém que compartilhava do mesmo sangue que ele, sua voz ecoou rouca como sempre só que mais firme agora.

    - Você se tornou uma cainita, uma maldição que anda de noite e dorme de dia, nunca mais vai conseguir nem mesmo se quiser comer ou beber a comida dos mortais, agora eles são seu alimento, na verdade o sangue que corre em suas veias, não grite ou faça escândalos, seu marido já estava morto e mesmo apos sua morte ele lhe ajudou com algo!

    Sua mão cinza tocou o rosto podrido da mulher e sua mão subiu lhe fazendo um afano na cabeça, este depois segurou as duas mãos dela e falou de uma forma muito calma e aparentemente gentil.

    - Olha queridinha cê vai matar alguns se quiser, a primeira vez é assim, sei lá, a besta domina os novos, vira e mexe aparece um chorando por ai falando que matou alguém, mais, agora o mais importante de tudo aqui, tinha um garotinho de uns nove aninhos, neguinho coisa mais linda do mundo com a porra de uma barra de ferro no tórax, ele falou que você era a mamãe dele, achei a cena toda muito da linda sabe!? SÓ QUE AGORA ELE NÃO ESTÁ AQUI! EU VI AQUELE MERDINHA EM CIMA DE VOCÊ E DEI O MEU SANGUE PARA ELE!...não venha com essa de que não tem filho ou eu arranco sua cabeça aqui e agora!

    O mesmo segurou a mão da mulher com mais força, nunca foi considerado alguém a qual os outros cainitas nem mesmo os Nosferatus ficassem perto, sua personalidade o fizera assim, seus olhos mesmo que negros por completo brilhavam e transbordavam irã.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 19/3/2016, 18:48

    A mulher estava à olhar para suas unhas negras quando você quebrou a ofuscação. Ela se contorceu de medo assim que presença foi finalmente manifestada. O braço esquerdo dela continuava à tremer e já era difícil saber se era de medo ou era alguma condição colateral da maldição. Para sua surpresa a mulher não entrou em pânico se descontrolando. Ela tentou se manter e sã consciência, apenas demonstrando total terror. Talvez estivesse paralisada de medo. Mas aparentava entender cada palavra que você dizia para ela.

    Quando você a tocou, ela aparentava demonstrar menos temor em sua feição. Estava bastante confusa, pelo menos era o que seus olhos vermelhos demonstravam. Mas de alguma forma a mesma se mostrava se esforçar para entender o que estava acontecendo com ela. Entretanto ela não aparentou demonstrar mais confusão ou medo quando você mencionou sobre o filho dela, só que claramente se apavorou assim que você impôs sua força sobre ela.

    - Meu f-filho... Michael! Ele morreu tem quinze anos! Sou uma Doné de Legba, ele costuma me acompanhar. Sempre de longe. Por favor, não faça mal à ele!
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 19/3/2016, 20:05

    O Nosferatu solta a mulher e começa a balançar a cabeça de forma negativa, sua voz era de negação e o mesmo chutava a lanterna do carro que piscava em vermelho com toda sua força.

    - Existem milhões de humanos e centenas de cidades no mundo, fui escolher logo esse brejo dos infernos e eu tinha que tirar na Roleta uma medium para abraçar, fazer mal...fazer mal...como se eu fosse algum puto Giovanni que consegue bater em fantasmas! E para de tremer caralho, to começando a ter espasmos também.

    Rhys caminhou novamente até a mulher e a pegou no colo, começou a caminhar de volta para seu território, iria procurar algum lugar que não tivesse completamente fudido por aquela chuva, ele falava em um tom serio em algumas palavras e em outras com seu jeito humorístico único.

    - O viadinho do seu filho bebeu do meu sangue assim como você, a questão é que eu não sei o que o fantasminha camarada pode fazer com ele, preste atenção, você é uma Nosferatu agora, NUNCA vai matar um irmão seu sem um bom motivo, NUNCA irá disser seu verdadeiro nome sem um bom motivo, somos unidos e isso o que nós mantem vivos, se ouvir um segredo o guarda para si, um dia pode usa-lo, sou seu mentor, professor, tutor e o caralho que você quiser, você me respeita e continua viva, me desrespeita e eu arranco sua cabeça dou suas cinzas para um humano comer e depois eu mato ele também! E vou de chamar de Obsidiana ou Epilética!
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 22/3/2016, 09:11

    O chute no carro quebrou a proteção vermelha da luz, fazendo agora uma luz branca ficar piscando no cenário. A nova Nosferatus apenas demonstrou um curto susto instintivo. A moça olhou um pouco confusa para você enquanto vós se lamentava de sua desfortuna. Ela parecia não entender o que você dizia sobre Giovannis, mas se mostrou aliviada em entender que nenhum mal cairia sobre seu filho. E quando a palavra foi dirigida para si a mesma respondeu com um ar de impotência.

    - Eu não consigo parar com esse espasmo. Parece algo orgânico. Simplesmente ele não para. Não sei o que isso significa...

    Ela não demonstrou resistir quando você a pegou no colo. Ela parecia aliviada em abandonar aquela cena enquanto vocês adentravam os pântanos novamente. A mesma não disse nada quando você demonstrava seu desconhecimento sobre as implicações de depositar sangue cainita em um fantasma. Mas ela concordava com a cabeça a medida que voc~e explicava as regras básicas para a mesma.

    Até finalmente vocês se aproximarem do seu refúgio. A água cobria todo o chão. Mas rapidamente você viu uma alta árvore com uma boa copa para depositar sua prole e também para evitar a si mesmo do contato com aquelas malditas sanguessugas. Logo você sobre na grande árvore demonstrando sua força superior.

    - Obrigado por ter me salvado... Eu sou Thyara Malestone.  Poderia saber a nome daquele que ouviu as preces de meu filho e me deu uma segunda chance?

    Thyara Malestone:


    Ao longe você podia ver uma canoa se aproximando por dentro do pântano. Era apenas uma pessoa conduzindo aquele barco. Parecia estar vindo na direção específica de seu refúgio. Não dava para saber quem estava no remo, mas dava pra presumir ser uma mulher.


    Última edição por King Narrador em 22/3/2016, 14:46, editado 1 vez(es)
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 22/3/2016, 10:24

    - Eu estava fazendo uma piada do seu braço, sei que não pode parar! Já ta durando de mais isso!

    O Nosferatu saltou para cima da arvore, agarrou alguns galhos e se posicionou na copa da mesma, ele colocou sua cria sentada, no topo, a olhou de cima a baixo, encostado em um galho e logo respondeu.

    - Preces! Se seu filho estava rezando acho que o anjo errado oh ouviu! Tudo bem pense o que quiser. Sou Rhys Finley Zachary, não fale meu nome para ninguém, são poucos que o conhecem, vai ver que a vida ao meu lado não é tão uma segunda chance Thyara. Agora você vai ficar aqui, e se alguma coisa sair do controle você faz alguma coisa.

    Ele apontou com o dedo para o pequena canoa que se aproximava, ele sorria de uma maneira sarcástica, seus olhos de negros adquiriram uma coloração de vermelho escuro, os vermes que estavam dentro de seu corpo começavam a se mexer fazendo com que algumas partes de sua pele se mexessem, ele olhou para o céu e urrou de uma forma peculiar, era um urro que ia afinando aos poucos, um som de algo batendo em sua garganta se misturava ao som. Saltou para o solo e deu alguns passos parando alguns metros da arvores, a água patia um pouco acima de seus joelhos a altura estava boa.

    " Uhm...faz tempo que não recebo visitas. Uma mulher!...quem seria?"

    OFF: Animalismo - O chamado ( Crocodilos ) Carisma + Sobrevivência (dif 6) = 4 + 4 = 8d10
    avatar
    Danto
    Admin

    Mensagens : 2166
    Data de inscrição : 04/06/2012
    Idade : 25

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Danto em 22/3/2016, 10:24

    O membro 'Miac' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados


    'D10' : 8, 7, 6, 9, 1, 8, 4, 10
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 22/3/2016, 15:09

    - Mesmo assim lhe agradeço Rhys. Minha missão no plano dos vivos ainda não está cumprida. Farei o que ordena e permanecerei aqui.

    Então você notou o barco se aproximando. A mulher remava com bastante força e se aproximava relativamente rápido. Assim com seu urro você sentiu todo o seu poder eclodindo pela floresta. O som das águas ficaram imediatamente agitadas. Nunca antes você havia feito esse poder com tanta maestria. Devia haver uns trinta crocodilos se aproximando. Liderando eles estava se querido Nemo. O grande crocodilo carniçal de estimação. Assim todos em demonstração de fome se direcionaram sem hesitação ao barco a remo. Você podia apenas observar a uma boa distância de três metros acima da água.

    Os crocodilos se aproximaram do barco de forma muito hostil. Mas rapidamente se mostraram absurdamente dósseis. A mulher que ali remava chegou a acariciar o próprio e perigoso Nemo e logo você ligou os pontos. Afinal só conhecia uma pessoa no mundo capaz disso. Faustina. E assim a voz dela pôde ser ouvida numa antiga canção de pirata enquanto ela constinuava se aproximando de sua árvore.


    Faustina:


    - Boa noite meu amado Jack, O Aborto do Capiroto. Vejo que tem uma amiga contigo ai em cima, pena estragar o clima dos pombinhos. Só que noto também que você tem o maior exército de crocodilos que já te vi convocar. Vim aqui lhe convidar para a guerra, mas parece que você já se preparou. Isso que eu gosto em você querido.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 22/3/2016, 15:42

    Rhys se inclinou para frente vendo quem acariciava seu adorável bichinho de estimação, logo ele começou a bater palmas com sua risada rouca.

    " Puta merda...logo ela aqui! Obsidiana vai chorar sangue quando conhecer Faustina!"

    O mesmo começou a pular e cantar a música juntamente com Faustina, e abriu os braços quando viu Nemo e então pulava em cima do crocodilo, era uma cena assustadora se olhada de fora, os dois giravam na água e o Nosferatu dava pequenas mordidas no couro do animal. Por fim ele se desvencilha do animal e começa a falar.

    - Parou sua bolsa da Prada, eu estava preocupado com você seu caralhudo dos infernos, cuida da sua gangue ai que eu vou falar com essa delicia que veio de barco. E nossa princesa da beleza, falando assim, parece que esta com ciumes de mim? Sabe que este coração furado de vermes é todo seu!

    O mesmo caminhou calmamente até se aproximar de Faustina, seus olhos negros como a penumbra a encaravam por completo, ele pegou a mão da mesma e deu um beijo e piscou o olho direito.

    - Em cima da arvore esta minha nova cria! Obsidiana, á Epilética. OH NENÉM PODE DESCER! TÁ TRANQUILO. VEM CONHECER A AMIGA DO PAPAI! TEM SEU IRMÃO O NEMO! Sabe essas crianças crescem tão rapidamente meu bem, ontem mesmo ela era tipo viva, e agora tá assim um mulherão!
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 23/3/2016, 16:05

    Os crocodilos ficaram agitados quando você entrou na água. Mas não de forma hostil e sim de forma eufórica. Assim você caminhou pela água e o lodo até chegar em seu grande carniçal Nemo, o qual mais parecia um grande e molhado cachorro carente e sardento. Mas só com você ele era assim. Devem ter passado uns bons dois minutos rodando pela lama enquanto os outros crocodilos observavam obedientes. Já a Epilética ficava estática de cima da árvore observando enquanto Faustina se mostrava rir daquela cena. Quando você se aproximou para beijar a mão dela a mesma estendeu o braço demonstrando uma delicadeza sarcástica. Assim que você terminou de falar, ainda com a mão dela em sua frente, a mesma agiu rápido. Lhe segurou pelo pescoço e lhe puxou para cima do barbo. Direto para a boca dela, lhe dando uma lambida do queixo até a testa. E então lhe largou e passou a alizar seu pescoço com delicadeza.

    - Fique olhando Jack Epilética, esse homem já é meu! Não é meu querido Jack do Capiroto? Vamos, vamos querido. Esta tempestade ferrou com a cidade toda. Todos os fodalhões foram tirar uma soneca longa. A cidade é nossa para a gente brincar! Conheço um cemitério que eu queria visitar. Se a medrosa da sua filha quiser vir conosco eu até deixo. Mas vou cobrar umazinha mais longa depois. Sou carente, você sabe!
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 23/3/2016, 16:37

    O Nosferatu estava rindo e por um segundo ficou serio ao ser puxado por Faustina, ele olhou para a arvore e depois para a Nosferatu diabólica e falou baixinho perto do ouvido dela.

    " Ela quer meu corpo nu, minha nossa senhora dos pecadores pecaminosos, ela nunca me tratou assim, me parece que estou conseguindo a confiança dela, mais e mais, isso é bom...talvez eu precise saber o que aquele moleque ranhento fez aqui!"

    - Fiquei todo excitado com essa linguá de veludo! Minha biruguinha até acordou, ou são os vermes mexendo nela!

    Ele pegou o remo e apontou para o topo da arvore e falou em um tom serio!

    - Obsidiana, lembre-se o sol pode lhe matar, então se algum raio lhe pegar de dia você ira virar cinzas, sobreviva em sua nova casa, este é meu desafio para ti, devo cumprir meu papel como amante da minha princesa! E garoto você cuida da sua mãe ou eu juro que vou bater tanto nessa sua bunda preta que nem nas nuvens do céu você vai conseguir sentar!

    Rhys fez um barulho com a boca como se estivesse limpando os dentes com o vácuo do ar em sua boca, chamando assim todos os crocodilos e Nemo para lhe seguir, este começou a remar para sair de seus domínios, ele olhou serio para Faustina e falava no mesmo tom.

    - Ainda não é hora de quebrar a mente dela meu amor, seria um cu seus ataques depois! E como assim os velhos tiraram uma soneca? E outra coisa meu xuxu, umazinha mais longa podemos dar ainda! HAHAHAHAHAHA...você que é mais instruída na arte de bater tambor, o que acontece se um fantasma beber do meu sangue?
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 25/3/2016, 00:30

    Obsediana apenas concordou com a cabeça de forma bastante obediente e se afastou para dentro da árvore. Afinal a mesma era oca. Você usava a parte oca debaixo para dormir durante o dia. Mas agora estava infestado de sanguessugas lá. Assim você deixou sua prole para trás e remando adentrou o pântano profundo. Todos os crocodilos lhe seguiam fielmente, com o Nemo na linha de frente. Parecia um grande exército que você havia formado. Ao longe era para você já ver as luzes da cidade, mas apenas o breu lhe aguardava, assim sua marcha pela escura e chuvosa noite prosseguiu. Faustina então deu uma longa e forte gargalhada enquanto observava a cena.

    - Jack, você realmente é incrível. E eu pensando que a gente ia ter dificuldade pra trazer o caos no cemitério... Esses bixinhos vão ser fantásticos lá. Afinal temos que pegar aquela garotada de surpresa... Mas respondendo a sua pergunta... É algo bem exótico alimentar um fantasma. Só que funciona bem parecido com o efeito normal de oferecer sangue para outros. No primeiro dia fica fácil para o mesmo lhe contactar e saber de sua presença. Na segunda noite, caso haja mais troca de sangue, ficará fácil para você sentir a presença do mesmo não importa a distância. Já na terceira noite um laço se fecha, só que não de uma forma serviçal como a que estamos acostumados. É um elo espiritual que lhe permite ver com mais clareza o mundo do fantasma. Todavia fantasmas nunca se permitem beber nosso sangue. Pois se permitissem os Giovannis estariam desempregados. Hahahaha!

    Na beira do rio em uma margem distante você então viu. O garoto novamente. Com a mesma barra de ferro atravessando seu tórax. Ele olhava para você com aqueles olhos arregalados. Só que a expressão do rosto dele lembrava mais felicidade que pânico. E então o mesmo acenou. Quando você piscou os olhos ele não estava mais lá.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 25/3/2016, 00:48

    Uma flor do deserto, no Canal Grande,
    olha a lua, suspira e faz:
    Gôndola, Gôndola, Gôndolí,
    Gôndola, Gôndolá.

    Um Nosferatu sentimental,
    debruça-se da ponte e canta assim:
    Gôndola, Gôndola, Gôndolá,
    Gôndola, Gôndolí.

    Faustina sorri pra ele,
    ele pisca o olho
    e de improviso
    nasce o amor.

    Cada noite em Nova Orleans,
    com um quarto de lua,
    desliza na laguna
    o mais belo sonho de amor.

    Gôndola, Gôndola, Gôndolí,
    Gôndola, Gôndolá.
    Gôndola, Gôndola, Gôndolí,
    Gôndola, Gôndolá.


    Rhys cantava de forma baixa, sua voz era grossa de mais para fazer algum sentido naquela canção, mesmo assim este sorria, seus olhos brilhavam de uma maneira estranha ao ouvir Faustina. O mesmo viu o garoto e piscou com o olho direito para ele, mas quando percebeu o mesmo já não estava mais lá.

    " O mulequinho sapeca da porra! Tava me usando para salvar sua mamãe né seu fi de uma peste! Depois nóis vai trocar uma ideia!"

    O gigantesco Nosferatu olhou para Faustina e mostrou a linguá para ela e por fim começou a falar.

    - My amore! Sei lá como se fala nessas linguás! Sai tudo cagado. Então vou desbancar uns Giovannis por ai, agora vamos aos pontos! Podemos tocar o puteiro onde desejarmos, sabe, só nunca fiz isso de uma forma tão aberta! Duas pequenas coisas antes, não que faça alguma diferença pra mim, vou realizar seu desejo intimo e depois quero uma menage! hehehehehe...Quem são os que dominam o cemitério e por que caralho os tiozinhos revolveram ir tirar um soninho de beleza?

    Ele olhou para Nemo e mandou um beijo para o mesmo, era um tanto quanto improvável a seriedade da voz do Nosferatu, mas no fim de sua frase ele havia tomado uma postura mais seria, o que significava que ele poderia brincar em 99% das situações mais desejava saber onde estava pisando.
    avatar
    King Narrador

    Mensagens : 553
    Data de inscrição : 19/02/2016

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por King Narrador em 26/3/2016, 15:29

    A cainita ficava murmurando em voz baixa enquanto você improvisava sua canção. Era como um som acústico deixando a sinfonia mais macabra do que já era. Até que Faustina se perdeu numa gargalhada deliciosa quando a palavra Menage foi mencionada. A mesma ficou lhe observando com um olhar sagaz. Mas logo mudou sua feição para algo mais sério e pensativo. Enquanto pegava em outro remo exposto no barco e acelerava a velocidade do mesmo, demonstrando uma certa pressa em adentrar a cidade escura que cada vez estava mais perto.

    - Não sei o que diabos tu , Jack, fez com fantasmas, mas me deixou mais curiosa. Afinal eu e a Lili queremos absorver muitas almas de aparições... Longa história, cê nem vai curtir os detalhes. Mas sei que tá curioso sobre algumas coisas. Bom, nem eu sei porque os anciões foram dormir, vai que são de papel e tem medo de água... Só sei que Príncipe, os primogênes, o xerife e os bispos desapareceram. Então temos que aproveitar. Estamos indo para o Cemitério de Saint Luis. É um Elysium não oficial da Camarilla. Ninguém protege aquele buraco e lá só fica os membros de mais baixo calão. Basicamente Cattifs, recém abraçados e alguns carniçais. A maioria fantasiada de gótico e fazendo sexo nas lápides... Um bando de pirralhos que vão se ferrar por estar no lugar errado na hora errada.
    avatar
    Miac

    Mensagens : 442
    Data de inscrição : 21/11/2015
    Idade : 26

    Re: Rhys F. Zachary - Ato I - Who Is Good Enough?

    Mensagem por Miac em 26/3/2016, 17:49

    Rhys olhou para o horizonte e continuou a remar, ele observou brevemente Faustina remar com ele, estava um pouco pensativo.

    - Não me importo com os fantasmas que vão comer, deve ter um gosto de bosta! Vai ser mais um massacre do que uma dominação de domínios de terceiros.

    O Grande Nosferatus fez uma expressão como se estivesse dando de ombros para o fato de só ter novatos no lugar. Este olhou fixo nos olhos de Nemo e disse.

    - Ei coisa crocante do pai, vai indo para os arredores, vamos fechar o cerco e chegar destroçando eles, o lugar me parece fácil de mais para ficar assim docinho, os limpinhos da Camarilla não deixariam um Elisium desprotegido assim! Ai se descobrir onde está algum velho nanando me da um toque! Vai ser divertido!

      Tópicos similares

      -

      Data/hora atual: 24/6/2017, 17:53